TUCA PUC 1977
EU QUASE QUE NADA SEI. MAS DESCONFIO DE MUITA COISA. GUIMARÃES ROSA.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Sexta-feira, esculhambação só!

Falcão, PINQUE FROID com a letra Atirei o pau no gato....

Que xebra!


Ouvi, hoje, sexta-feira, mas não treze, uma notícia, um conto de terror. Uau! O vereador maringaense, em um arroubo criativo, inventou uma lei do funcionário voluntário. Volun-otário! É, sim, aquele que trabalha de graça. É, aquele que em vez de ganhar seu salário, doa-o aos vereadores. Na Má-ringa, mais volun-otários! Que qué isso, vereador?! Pirou? Ins-pirou fumaça de cannabis sativa? que tal vereador voluntário?

Do Solda! heheheheheh



Tá lá no Solda

Ui, e agora?


NEODEMOCRATA
abril 30th, 2010 Author: Acir Vidal
Collor racha palanque de Dilma em Alagoas



ELEIÇÕES 2010: Ex-governador Ronaldo Lessa, do PDT,
diz esperar que Lula mantenha compromisso de apoiá-lo

Senador decide se candidatar ao governo no mesmo dia
em que
PP anuncia que vai apoiar o PSDB no estado

COLLOR COM Dilma: senador se recusou a indicar vice na chapa de Lessa

Gerson Camarotti, Maria Lima
e Odilon Rios*

BRASÍLIA E MACEIÓ. A coordenação de campanha da pré-candidatura da petista Dilma Rousseff foi surpreendida ontem com a decisão do senador Fernando Collor (PTB-AL) de disputar o governo de Alagoas. Isso porque a base aliada havia decidido fechar acordo em torno da candidatura do ex-governador Ronaldo Lessa, do PDT. O próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva já havia pedido esforço dos petistas e aliados para um palanque único para Dilma.
Uma outra decisão deixou a base de Dilma ainda mais rachada em Alagoas: o PP anunciou que apoiará a reeleição do governador tucano Teotonio Vilela Filho. O PP está na base do governo Lula. Anteontem, o partido resolvera adiar para junho a decisão sobre o apoio nacional. O deputado Benedito de Lira (PP-AL) decidiu disputar uma vaga ao Senado na chapa encabeçada por Teotonio Vilela. Para evitar confronto, Benedito tem afirmado que mantém apoio a Dilma, mesmo estando no palanque estadual tucano.
Lessa: “Dilma não terá unanimidade no estado”
Lessa espera que o presidente Lula e Dilma mantenham o compromisso de apoiar sua chapa.
- Se furarem esse compromisso, minha candidatura não tem mais sentido, se esvazia. Mas o PT já disse que continua forte comigo. Ninguém faz omelete sem quebrar os ovos. Dilma não terá unanimidade aqui, não tem jeito. A frente era muito ampla, estava bom demais para ser verdade – disse Lessa.
O PT no estado rejeita o apoio a Collor:
- O PT não apoia Collor em nenhuma hipótese. O nosso palanque é da ministra Dilma e do presidente Lula – disse o presidente do PT estadual, Joaquim Brito.
Ontem à noite, a determinação de Lula era de tentar reverter o quadro para manter o palanque único em torno de Lessa, com o apoio do PT, PMDB, PCdoB entre outros partidos. Os primeiros sinais de que o acordo havia naufragado ocorreram segunda-feira. Lessa telefonou para Collor para que ele indicasse o candidato a vice em sua chapa. Segundo relatos, Collor disse que não poderia fazer a indicação sem explicar os motivos.
- O Collor vai ser candidato? Não estou sabendo. Vou me informar e depois me manifesto – disse o presidente do PT, José Eduardo Dutra, ao ser informado da reviravolta em Alagoas.
O líder do PMDB, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), confirmou a intenção de Collor de entrar na disputa pelo Palácio dos Martírios. Mesmo com a alteração do quadro político, ele confirmou que disputaria a reeleição na chapa encabeçada por Lessa. Tudo indica que Collor também manterá o apoio à candidatura de Renan ao Senado.
- Collor admite disputar o governo. Mas PMDB e PT têm compromisso com Lessa – disse Renan.
Procurado, Collor não retornou as ligações.


(*) O Globo.

A bela e a fera ...

Bela foto. Ela e o mundo. O mundo fora dela. A bela e a fera.

De Anderson Theodoro, formado em física, design, trabalha na UEM, Cianorte.

Dono do Blog http://astheodoro.blogspot.com/

Nofa! A Times enlouqueceu!


A TIMES exagerou. Menos TIMES, menos. Lerner, um pensador brasileiro? Nofa! Fui professora na época do governo do lerner (e ainda sou). Nos oito anos de governo Lerner, comemos sopa de água com pedra. Fomos ridicularizados pelo Lerner e seus deputados. Quase as Instituições Públicas de Ensino Superior foram leiloadas pelos empresários do interrior paranaense. E, ainda de quebra, temos, em Maringá, um casa da cultura (sic) dentro do Bosque II (área verde), construída pelo lerner, que está enfiada em um buraco, redondinha, redondinha ... em que nada que se faça lá tem jeito. Os sons vazam por todas as salas. Os macacos entram lá (e estão certos, pois o Bosque é deles) e eu desconfio que muito dinheiro foi gasto naquela porcaria sem uso.

Viva a tortura! VIVA!


Ora, no dia em que o STF aliviou os milicos e torturadores, a PM de São Paulo quase matou a porradas dois rapazes. Fale quem quiser, mas a falta de punição institucionaliza a violência. A instituição da violência não é qualquer coisa. É a materialização do FAZER que mesmo sem lei, é legal. Ajudaria nossos juízes um pouco da sociologia de Weber. Quem não sabe que a violência da polícia se fundamenta na liberdade da tortura?

Uau!

Mama mia! Ontem, ouvi mais uma. Essa não está no livro Honoráveis Bandidos. É extra. Roriz com Sarney. Ou Arruda. Que tarados!

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Tudo pelo social.


Ontem , lendo o delicioso livro de Sírio Possenti, encontrei a pérola:
"O que é que temos no bigode do sarney? Tudo pelo social."

General, general ...

Do Leonardo Ferrari, Psicanalista, Curitiba

Fonte: primeira página do The New York Times, 27/4/2010.

Com uma manchete antológica, “We Have Met the Enemy and He Is PowerPoint” [“Nós encontramos o inimigo e ele é o PowerPoint”], Elisabeth Bumiller relata em reportagem no The New York Times de ontem a piada que o general Stanley A. McChrystal, o líder das forças norte-americanas e da NATO no Afeganistão, fez ao observar, no último verão, o slide de PowerPoint que, querendo mostrar a complexidade da estratégia militar norte-americana, revelou-se, sem querer, um enorme prato de spaguetti: “When we understand that slide, we’ll have won the war” [“Quando nós entendermos esse slide, nós venceremos a guerra”]. Genial! O único problema dessa piada é ela errar o alvo, aliás, prática useira e vezeira dos bombardeiros controlados a mais de 10 mil quilômetros de distância por controle remoto – videogame -, de uma base militar em Nevada, a uma hora de Las Vegas, e do quartel-general da CIA, em Langley, onde jovens soldados pilotam virtualmente os aviões de combate Predators e Reapers, cujas bombas, não virtuais, estraçalham e dizimam milhares de civis inocentes em zonas tribais do Paquistão e confins do Afeganistão – não há imprensa por lá para registrar essas atrocidades. O problema aí não é o PowerPoint. É verdade que há um Conteúdo Manifesto presente em jogo que é a babaquice de uma razão que, através de técnicas e metodologias importadas dos cursos sofisticados, “chiques” de Administração, os famigerados “MBAs”, tenta transportar para a guerra aquilo que supostamente “deu certo” no mundo dos negócios – perfeito, aliás, esse casamento entre guerra e negócios! Sai das melhores universidades americanas a NATA intelectual que coordena a guerra – fato já presente na Alemanha nazista: os inventores dos campos de concentração nazistas foram os doutores egressos das melhores universidades da Alemanha! Ao contrário da afirmação de Goya, não é o sono da razão que produz monstros, é o sonho! Porém, o que preocupa é o Conteúdo Latente da piada do general. Ele acredita piamente que essa guerra poderá ser ganha, quando de há muito ela está perdida. O general ri do PowerPoint quando deveria chorar por não conseguir responder a única questão séria dessa piada: o que os Estados Unidos continuam fazendo por lá? Essa pergunta, nunca presente no filme ganhador do Oscar de 2010, o horrível e ridículo “Guerra ao Terror”, um incrível manifesto pró-guerra, cujo final é a síntese dessa América que não é mais América – o “herói”-soldado-operário padrão retorna para o exterior pensando estar salvando o interior de sua pátria de vinte marcas de sucrilhos. Que isso tenha saído da cabeça e das mãos de uma mulher não deixa de causar espanto. Podem falar o que quiserem de Avatar, mas essa canalhice ele não contém. Assim, o general de Cristal rachado ri enquanto seus comandos em ação continuam matando gente inocente lá onde o diabo perdeu as botas. Esse Patton de opereta acredita que vai ganhar a guerra. Senhor general Big Mac, o problema não é o PowerPoint. O problema é como explicar que a maior democracia do mundo mantenha funcionando um campo de concentração chamado Guantánamo, “open” vinte e quatro horas por dia, e faça uma guerra de ocupação, “delivery”, uma guerra de espoliação, uma guerra de genocídio vinte e quatro horas por dia – deve ser da moral protestante esse fascínio pelo trabalho sem parar - contra o povo assassinado do Afeganistão e o povo desmembrado do Iraque. Quando as respostas para essas perguntas não podem ser ditas, senhor general, por vergonha ou medo, é hora de todo homem honrado se revoltar e lutar contra. Faça isso, senhor general. Com PowerPoint, twitter, blog, facebook, msn, google, um dia os Estados Unidos da América voltarão a ser uma democracia. Eu luto para isso, senhor general.

Em São Paulo

Fonte: Livraria Cultura, SP
Debate
Segunda-feira, 3 de maio às 19h
Tema: Evolução da consciência e direito animal

Palestrantes: César Ades, Sidarta Ribeiro e Rubens Naves
Local: Livraria Cultura Conjunto Nacional - Av. Paulista, 2073 - São Paulo/SP

Os animais têm consciência? Devem ser vistos apenas como objetos da compaixão humana ou são também sujeitos de direitos? Se existe uma 'dignidade animal' e 'direitos animais' a serem respeitados, quais seriam os critérios válidos para defini-los? Na primeira segunda-feira de maio, o estudioso do comportamento animal César Ades e o pesquisador do cérebro Sidarta Ribeiro vão enfrentar essas questões, com a mediação do advogado Rubens Naves, no debate 'Evolução da consciência e direito animal'. Novas teorias e descobertas científicas e sua possível repercussão sobre a ética, as leis e as práticas sociais estarão no centro dessa discussão, tão atual quanto os grandes desafios socioambientais, de convivência urbana e planetária, que hoje se impõem à civilização, às sociedades e aos indivíduos.

Mais informações sobre os integrantes da mesa
César Ades – Psicólogo, etólogo e especialista em comportamento animal; ex-diretor e professor titular do Instituto de Psicologia da USP; diretor do Instituto de Estudos avançados da Universidade de São Paulo.

Sidarta Ribeiro – Biólogo e neurocientista, professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e chefe de laboratório do Instituto Internacional de Neurociências de Natal – Edmond e Lily Safra.

Rubens Naves – Advogado e jurista, professor licenciado da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, sócio titular do escritório de advocacia Rubens Naves – Santos Jr. – Hesketh.

* Reserva de lugar: pelo email lms@rnaves.com.br ou pelo telefone 3179-0108 (quem fizer reserva deverá se apresentar na entrada do teatro, no dia do debate, até às 18h50).

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Gatos ...

... são sempre dramáticos...

Enviado pelo José de Arimatheia.
Grata!

Cap-tirei essa crônica de um Blog, o Lápis Impreciso. Segundo o autor do Blog, faz parte d' O Turista Aprendiz, obra de anotações etnográficas datadas da década de 1920. É simplesmente adorável! Sublime! Ai, Mário, que paixão!


O CASO DA ARANHA

ANDRADE, Mário de. O turista aprendiz. 2 ed. São Paulo: Duas Cidades, 1983, p. 307.

"Este primeiro dia de Paraíba tem que ser consagrado ao caso da aranha. Não é nada importante porém me preocupou demais e o turismo sempre foi manifestação egoística e individualista.


Cheguei contente na Paraíba com os amigos, José Américo de Almeida, Ademar Vidal, Silvino Olavo me abraçando. Ao chegar no quarto pra que meus olhos se lembraram de olhar pra cima? Bem no canto alto da parede, uma aranha enorme, mas enorme.

Chamei um dos amigos, Antônio Bento, pra indagar do tamanho do perigo. Não havia perigo. Era uma dessas aranhas familiares, não mordia ninguém, honesta e trabalhadeira lá ao jeito das aranhas. Quis me sossegar e de-fato a razão sossegou, mas o resto da minha entidade sossegou mas foi nada! Eu estava com medo da aranha. Era uma aranha enorme...


Tomei banho, me vesti, etc. fui jantar, voltei pro quarto arear os dentes, ver no espelho se podia sair pra um passeinho até a praia de Tambaú, mas fiz tudo isso aranha. Quero dizer: a aranha estava qualificando a minha vida, me inquietava enormemente.


Passeei e foi um passeio surpreendente na Lua-cheia. Logo de entrada, pra me indicar a possibilidade de bom trabalho musical por aqui, topei com os sons dum coco. O que é, o que não é: era uma crilada gasosa dançando e cantando na praia. Gente predestinada pra dançar e cantar, isso não tem dúvida. Sem método, sem os ritos coreográficos do coco, o pessoalzinho dançava dos 5 anos aos 13, no mais! Um velhote movia o torneio batendo no bumbo e tirando a solfa. Mas o ganzá era batido por um piazote que não teria 6 anos, coisa admirável. Que precocidade rítmica, puxa! O piá cansou, pediu pra uma menina fazer a parte dele. Essa teria 8 anos certos mas era uma virtuose no ganzá. Palavra que inda não vi, mesmo nas nossas habilíssimas orquestrinhas maxixeiras do Rio, quem excedesse a paraibaninha na firmeza, flexibilidade e variedade de mover o ganzá. Custei sair dali.


Os coqueiros soltos da praia me puseram em presença da aranha. O passeio estava sublime por fora mas eu estava impaciente, querendo voltar pra ver se acabava duma vez com o problema da aranha. Nuns mocambos uns homens metodicamente vestidos de azulão, dólmã, calça e gorro. Eram os presos. São eles que fazem as rodovias do Estado e preparam os catabios. Não fogem. E não sei porque não fogem.


E fiquei em presença da aranha outra feita. Olhei pro lugar dela, não a vi. Foi-se embora, imaginei. De-repente vi a aranha mais adiante. Está claro que a inquietação redobrou.. De primeiro ela ficara enormemente imóvel, sempre no mesmo lugar. Agora estava noutro, provando a possibilidade de chegar até meu sono sem defesa. Pensei nos jeitos de matá-la. Onde ela estava era impossível, quarto alto, cheio de frinchas e de badulaques, incomodar os outros hóspedes, fazer bulha. A aranha deu de passear, eu olhando. Se ela chegar mais perto, mato mesmo. Não chegou. Fez um reconhecimentozinho e se escondeu. Deitei, interrompi a luz e meu cansaço adormeceu, organizado pela razão.


Faz pouco abri os olhos. A aranha estava sobre mim, enorme, lindos olhos, medonha, temível, eu nem podia respirar, preso de medo. A aranha falou:


- Je t'aime".

Ui!


Faz uns 4 anos. Ganhei um CD que minha amiga Ana Cristina trouxe do Tibet. Hoje reencontrei o som tibetano.


Do Solda, é claro!

Poizé, o tempo voa ...

Anos Dourados, Tom e Chico Buarque...

Ui, que frisson, ser assediado é bom!


Do Acir Vidal

QUEM DÁ MAIS?

Assediado por Serra, PP continua no governo, mas fica mais longe de Dilma



Além dos tropeços na campanha da pré-candidata Dilma Rousseff (PT), o governo federal deverá amargar a declaração de independência do PP na sucessão presidencial. Alvo do assédio da oposição, que deseja seu apoio para a candidatura do tucano José Serra, a Executiva do PP se reúne hoje para dar o primeiro passo oficial rumo à neutralidade.
A despeito de o PP integrar a base governista e comandar o poderoso Ministério das Cidades, seus dirigentes já avisaram que o partido só formalizará a decisão em junho e tende a dizer não para os dois candidatos. Isso facilitaria a montagem de suas alianças regionais, ora com o PT, ora com o PSDB.
Ontem mesmo, o governo já acusou o golpe. E reagiu. Os recursos federais para bancar as emendas dos parlamentares aliados começaram a ser pagos, numa tentativa de acalmar a base. A liberação da cota de R$ 3 milhões por parlamentar estava atrasada havia um mês.


(*) O Estado de S.Paulo

Nofa!




Diz que o Maluf chegou-se para um de seus assessores e disse:
- Você viu que beleza de relógio o Lulla ganhou no seu aniversário?
E o assessor respondeu:
- Não vi, não! Me mostra?
Do Acir Vidal

Ui, ui, ui, Akino! Que qué isso?


Pulseiras e maníacos


E o maníaco da Câmara de Maringá? Seria fantasma ou foi descoberto? Brincadeiras à parte, que sirva de lição para aqueles que se acham conquistadores. Muito cuidado, às vezes joga-se fora uma carreira que poderia ser brilhante, por não saber controlar impulsos sexuais. E as pulseirinhas do sexo?

Akino Maringá, colaborador do Blog do Rigon

Sobre Gilberto Freire
Por Roberto Romano, Jornal Gazeta de Campinas

Lisa Jardine, historiadora que pesquisa a história do Renascimento, publicou tempos atrás um livro sobre Erasmo e a fabricação da fama em proveito próprio, algo banal entre intelectuais (Erasmus, Man of Letters, The Construction of Charisma in Print, 1993). Na trilha de outros que denunciaram os truques usados pelos pioneiros da cultura moderna - para subir na vida acadêmica, política, econômica e social - a autora mostra a via seguida pelo monge agostiniano (como Lutero) que se tornou sinal de contradição na fé (dizem que ele mais destruiu a unidade eclesiástica do que os reformadores), na política, na literatura.

A receita de Erasmo é infalível. Primeiro definir um plano de vida no qual o estudo seja a diretriz, adquirindo fama de inteligência, erudição, refinamento. Depois achar editores que saibam gerar vínculos comerciais e de propaganda, sobretudo entre ricos e poderosos (tolos ou inteligentes), além de induzir vendas e compras sem demasiados escrúpulos éticos. No caminho, reunir companheiros que evocassem seu nome tantas vezes quantas necessárias para convencer o “mundo” da superior maestria ostentada por... Erasmo! Finalmente, atacar instituições e costumes, sejam eles respeitáveis ou não, angariando fama de inovador revolucionário, pois os homens adoram novidades e logo se cansam de velhos estilos e apelidos. Erasmo praticou todas as técnicas indicadas. Ele estudou grego com enorme sacrifício para dominar os manuscritos trazidos à Europa pelo cardeal Bessarion e outros fugidos de Constantinopla. Ele aprendeu de Lorenzo Valla e discípulos (o mesmo ocorreu com Lutero) os mistérios filológicos e históricos, além da irritação com o aristotelismo e suas argúcias metafísicas. Ele encontrou editores capazes de tudo fazer para espalhar livros e obter lucros em todos os mercados. Ao mesmo tempo, ele estabeleceu elos com governantes do Estado e da Igreja, deles entoando o panegírico, pago em dinheiro sonante. Na companhia de Tomás Morus, Erasmo gerou conventículos em universidades e corporações de estudiosos, adquirindo fama de “maior letrado de todos os tempos”. O programa, claro, incluiu zombar dos monges que praticavam charlatanismos, dos professores universitários, dos advogados, médicos e demais convivas da Loucura.

Se a fama lhe trouxe inimigos (e ameaças de fogueiras inquisitoriais) ela legitimou o mito de sua superioridade. Esperto, ele nunca se instalou, como o colega Morus, em gabinetes de poder que trazem ganhos e desgraças aos ocupantes temporários. Sua atividade nunca o levou aos compromissos exigidos pelo Estado, Igreja e demais instituições de mando. Bastava ao escritor, cantado em prosa e verso, o verbo e as verbas extraídas dos cofres públicos ou particulares. Erasmo se tornou o modelo do intelectual “independente” que busca pairar sobre todos os partidos, querendo ser cortejado pela maioria.

Gilberto Freire usou as mesmas astúcias para promover seu nome e influência no mundo oficial e civil. Acaba de ser publicado o livro de Silvia Cortez Silva, Tempos de Casa-Grande, 1930-1940 (São Paulo, Ed. Perspectiva, 2010). Com escrita refinada, a autora oferece um retrato inédito do famoso inspirador dos conservadorismos, de ontem e de hoje, em nosso país e no mundo. A farta documentação colhida por Cortez Silva fundamenta uma diatribe devastadora contra o escritor que se tornou oráculo nas ditaduras, sobretudo no que se relaciona ao racismo, ao antissemitismo e outras mazelas. Não examino passo a passo o livro, porque não quero retirar do leitor o acicate (às vezes, a ojeriza diante de coisas escritas pelo “grande homem”) de refletir sobre a raiz venenosa do preconceito, cujo apelido no Brasil é “ciência”. Acho mais sutil do que os dogmas de Nina Rodrigues, mas com idêntico poder de morte. Freire foi consagrado por usar os mesmos truques movidos por Erasmo e todos os escaladores sociais (grandes ou nanicos) do chamado “reino espiritual do espírito”. O leitor inteligente e honesto descobre, no livro em pauta, boa parcela da miséria do Brasil e de seus lamentáveis intelectuais. Parabéns à autora e seu editor, pela coragem e lucidez evidenciadas em páginas serenas mas candentes. Boa leitura!

Ui!


Cap-tirada do Acir, ano passado.

A Irmã Rosa e sua conta no Banco em Abjidan! Aprendendo com jesus...




Recebi pelo e-mail. Título (que dou ins-pirada em Solda:) Os caras estão enlouquecendo (as muiés também)

*****

Amado em Cristo,

Saudações para você de nosso Senhor Jesus Cristo, nosso Senhor, quem sou
Ms. Rose Edwin. A república do Kuwait, onde eu estava com o Sr. Steven
Edwin, que trabalhou com o Kuwait embaixada na Costa do Marfim nove
anos antes de morrer, em 2007/12/01.
Estávamos casados há onze anos sem uma criança. Ele morreu depois que um relatório
doença que durou apenas quatro dias. Antes de sua morte,
tanto cristão nascido de novo. Desde sua morte, eu decidi não casar com o outro
tempo ou ter um filho fora da minha casa, como a Bíblia.
Quando meu marido era vivo ele depositou a quantia de (2.600 mil dólares americanos
E.U. dólares) num banco em Abidjan, Costa do Marfim, África Ocidental.
Atualmente, esse dinheiro ainda está no banco .. Recentemente, o meu
O médico me disse para não tomar os próximos oito meses, devido ao problema
câncer.
Quem mais me incomoda é a minha vertigem. Conhecendo o meu estado
decidiu doar fundos para uma instituição de caridade que irá utilizar este
que o dinheiro para que possamos enviar o pacot
e. Eu quero uma organização que usa
que financiar o orfanato, escolas, igrejas, das viúvas, propagando o
A palavra de Deus e do esforço que mantém a casa de Deus. Bíblia
nos fez compreender que "Bendito seja a mão que dá."

Tomei esta decisão porque não tenho nenhum filho para herdar o dinheiro eo meu
os parentes do marido não são cristãos e não quero meus esforços marido
é usado por pessoas que não acreditam em Deus.
Eu não quero uma situação em que esse dinheiro será usado de uma maneira
diabólico. É por isso que esta decisão. Eu
medo da morte, portanto, eu sei para onde ir. Eu sei que vou
O peito do Senhor. Êxodo 14 v 14 diz que "a luta contra o Senhor, o meu caso
E calma. "
Eu não preciso de qualquer comunicação telefónica a esse respeito por causa da minha
Portanto, a saúde dos parentes do meu marido ao meu redor
nunca. Eu não quero saber sobre essa evolução. Com Deus todas as coisas
as coisas são possíveis. Depois de receber sua resposta, entraremos em contato
o banco em Abidjan, Costa do Marfim na África Ocidental
.
Publicamos também uma carta que tenta fazer com que o beneficiário dessa tendência
Ministério da Justiça Fundo, Costa do Marfim. Eu desejo que você e
a igreja a orar sempre para mim, porque o Senhor é meu pastor. Minha felicidade é que eu vivi uma vida digna de cristãos ..
Quem é que quer servir ao Senhor deve servi-lo em espírito e em verdade.
Por favor, sempre oro com toda a sua vida .. Entre em contato comigo no e-mail
acima, qualquer atraso em sua resposta vai me dar um outro lugar de origem
a igreja com o mesmo propósito. Certifique-se de ato
Portanto, como mostrado abaixo. Estamos ansiosos para receber sua resposta em breve.

Siga o Senhor abençoou.
Sua irmã em Cristo,
Irmã Rosa

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Cultura elementar científica ...


Outro dia uma aluna disse-me que a pedofilia na Igreja Católica está relacionada ao celibato. Já expus aqui um bom artigo de Contardo Calligaris mostrando a bobagem dessa relação causa-efeito. Expliquei a ela que a perversão do pedófilo não se liga com a ausência de casamento. Tem a ver com a relação de poder que o pedófilo - casado, desquitado, celibatário etc - quer exercer sobre o Outro.


Fico me estranhando com essas explicações causa-efeito tão simplistas. Isso sempre ocorre. É tão bom contrariar essas "verdades"!


Falando nisso vejo meus alunos com a cultura científica elementar bem rasa. Muito rasa. E quando falo que têm que ler mais, estrilam. Comprei um livro sabádo de Jean-Marc Lévy-Leblond, físico frânces, ensaista, epistemológo. Título: A velocidade da sombra. Nos limites da ciência. Lévy-Leblond apresenta um anexo que chama Um teste elementar de cultura científica. Vejam que teste elementar bacana.


1 - Dê uma breve definição (estilo Petit Larousse) dos termos:


pixel

ecografia

príon


2 - Quanto vale (aproximadamente):

a distância da Terra - Lua

a velocidade do som

o tamanho dos átomos


3 - Quanto tempo se passou (aproximadamente) desde:

a formação da Terra

o desaparecimento dos dinossauros

o aparecimento dos primeiros homens


5 - Quando foi descoberto:

o planeta Jupiter

o código genético

as energia nuclear


5 - Quando foi inventado:

o telefone

a vacinação

o laser


6 - Onde, e em que época, trabalharam:

Darwin

Galileu

Einstein


Ninguém respondeu nenhuma das perguntas elementares. Então, relacionar pedofilia com celibato é um passo.

Na Má-ringa


Senhores Vereadores,

Por favor, analisem os números e vejam se não temos razão. A Urbamar é um cabide de diretores e pode estar servindo para outra finalidades, em detrimento do povo de Maringá. Tenho sérias dúvidas sobre as despesas diversas.
Urbamar acumula deficits desde 2005

Em 2005: receitas de R$ 42.122,61- despesas R$ 3.002.117,96- Deficit de R$ 2.959.995,55
Em 2006: receitas de R$ 47.894,33- despesas R$ 3.363.793,33- Deficit de R$ 3.060.893,60
Em 2007- receitas de 71.594,12- despesas R$ 3.3413.976,05- Deficit de R$ 3.3342.381,93
Em 2008 receitas de R$ 66.235,82 e despesas de R$ 3.738.193,05, Deficit de R$ 3.671.957,23.
Em 2009 a receitas de R$ 43.136,10, despesas de R$ 4.440.460,13, Deficit de R$ 4.397.324,03.
São cerca de R$ 17.496.000,00 de deficit nos últimos 5 anos. Quem manteria uma empresa nestas condições? Nós contribuintes maringaenses vamos continuiar bancando este prejuízo? Como diria o Fuji,' mudanças são imprescindíveis'. Continuar com a Urbamar é um crime contra o erário e que os nossos Vereadores serão coniventes se não tomarem medidas.

Akino Maringá, colaborador do Blog do Rigon

domingo, 25 de abril de 2010

Imagem: desenho de Vesalius
Perú de Natal, de Mário de Andrade do Blog http://literalmeida.blogspot.com/


É claro, nada com a época, abril, mas pela descrição do pai, da família.


O nosso primeiro Natal de família, depois da morte de meu pai acontecida cinco meses antes, foi de conseqüências decisivas para a felicidade familiar. Nós sempre fôramos familiarmente felizes, nesse sentido muito abstrato da felicidade: gente honesta, sem crimes, lar sem brigas internas nem graves dificuldades econômicas. Mas, devido principalmente à natureza cinzenta de meu pai, ser desprovido de qualquer lirismo, de uma exemplaridade incapaz, acolchoado no medíocre, sempre nos faltara aquele aproveitamento da vida, aquele gosto pelas felicidades materiais, um vinho bom, uma estação de águas, aquisição de geladeira, coisas assim. Meu pai fora de um bom errado, quase dramático, o puro-sangue dos desmancha-prazeres.

Morreu meu pai, sentimos muito, etc. Quando chegamos nas proximidades do Natal, eu já estava que não podia mais pra afastar aquela memória obstruente do morto, que parecia ter sistematizado pra sempre a obrigação de uma lembrança dolorosa em cada almoço, em cada gesto mínimo da família. Uma vez que eu sugerira à mamãe a idéia dela ir ver uma fita no cinema, o que resultou foram lágrimas. Onde se viu ir ao cinema, de luto pesado! A dor já estava sendo cultivada pelas aparências, e eu, que sempre gostara apenas regularmente de meu pai, mais por instinto de filho que por espontaneidade de amor, me via a ponto de aborrecer o bom do morto.

Foi decerto por isto que me nasceu, esta sim, espontaneamente, a idéia de fazer uma das minhas chamadas "loucuras". Essa fora aliás, e desde muito cedo, a minha esplêndida conquista contra o ambiente familiar. Desde cedinho, desde os tempos de ginásio, em que arranjava regularmente uma reprovação todos os anos; desde o beijo às escondidas, numa prima, aos dez anos, descoberto por Tia Velha, uma detestável de tia; e principalmente desde as lições que dei ou recebi, não sei, de uma criada de parentes: eu consegui no reformatório do lar e na vasta parentagem, a fama conciliatória de "louco". "É doido, coitado!" falavam. Meus pais falavam com certa tristeza condescendente, o resto da parentagem buscando exemplo para os filhos e provavelmente com aquele prazer dos que se convencem de alguma superioridade. Não tinham doidos entre os filhos. Pois foi o que me salvou, essa fama. Fiz tudo o que a vida me apresentou e o meu ser exigia para se realizar com integridade. E me deixaram fazer tudo, porque eu era doido, coitado. Resultou disso uma existência sem complexos, de que não posso me queixar um nada.

Era costume sempre, na família, a ceia de Natal. Ceia reles, já se imagina: ceia tipo meu pai, castanhas, figos, passas, depois da Missa do Galo. Empanturrados de amêndoas e nozes (quanto discutimos os três manos por causa dos quebra-nozes...), empanturrados de castanhas e monotonias, a gente se abraçava e ia pra cama. Foi lembrando isso que arrebentei com uma das minhas "loucuras":

— Bom, no Natal, quero comer peru.
Houve um desses espantos que ninguém não imagina. Logo minha tia solteirona e santa, que morava conosco, advertiu que não podíamos convidar ninguém por causa do luto.

— Mas quem falou de convidar ninguém! essa mania... Quando é que a gente já comeu peru em nossa vida! Peru aqui em casa é prato de festa, vem toda essa parentada do diabo...

— Meu filho, não fale assim...

— Pois falo, pronto!

E descarreguei minha gelada indiferença pela nossa parentagem infinita, diz-que vinda de bandeirantes, que bem me importa! Era mesmo o momento pra desenvolver minha teoria de doido, coitado, não perdi a ocasião. Me deu de sopetão uma ternura imensa por mamãe e titia, minhas duas mães, três com minha irmã, as três mães que sempre me divinizaram a vida. Era sempre aquilo: vinha aniversário de alguém e só então faziam peru naquela casa. Peru era prato de festa: uma imundície de parentes já preparados pela tradição, invadiam a casa por causa do peru, das empadinhas e dos doces. Minhas três mães, três dias antes já não sabiam da vida senão trabalhar, trabalhar no preparo de doces e frios finíssimos de bem feitos, a parentagem devorava tudo e ainda levava embrulhinhos pros que não tinham podido vir. As minhas três mães mal podiam de exaustas. Do peru, só no enterro dos ossos, no dia seguinte, é que mamãe com titia ainda provavam num naco de perna, vago, escuro, perdido no arroz alvo. E isso mesmo era mamãe quem servia, catava tudo pro velho e pros filhos. Na verdade ninguém sabia de fato o que era peru em nossa casa, peru resto de festa.

Não, não se convidava ninguém, era um peru pra nós, cinco pessoas. E havia de ser com duas farofas, a gorda com os miúdos, e a seca, douradinha, com bastante manteiga. Queria o papo recheado só com a farofa gorda, em que havíamos de ajuntar ameixa preta, nozes e um cálice de xerez, como aprendera na casa da Rose, muito minha companheira. Está claro que omiti onde aprendera a receita, mas todos desconfiaram. E ficaram logo naquele ar de incenso assoprado, se não seria tentação do Dianho aproveitar receita tão gostosa. E cerveja bem gelada, eu garantia quase gritando. É certo que com meus "gostos", já bastante afinados fora do lar, pensei primeiro num vinho bom, completamente francês. Mas a ternura por mamãe venceu o doido, mamãe adorava cerveja.

Quando acabei meus projetos, notei bem, todos estavam felicíssimos, num desejo danado de fazer aquela loucura em que eu estourara. Bem que sabiam, era loucura sim, mas todos se faziam imaginar que eu sozinho é que estava desejando muito aquilo e havia jeito fácil de empurrarem pra cima de mim a... culpa de seus desejos enormes. Sorriam se entreolhando, tímidos como pombas desgarradas, até que minha irmã resolveu o consentimento geral:

— É louco mesmo!...
Comprou-se o peru, fez-se o peru, etc. E depois de uma Missa do Galo bem mal rezada, se deu o nosso mais maravilhoso Natal. Fora engraçado: assim que me lembrara de que finalmente ia fazer mamãe comer peru, não fizera outra coisa aqueles dias que pensar nela, sentir ternura por ela, amar minha velhinha adorada. E meus manos também, estavam no mesmo ritmo violento de amor, todos dominados pela felicidade nova que o peru vinha imprimindo na família. De modo que, ainda disfarçando as coisas, deixei muito sossegado que mamãe cortasse todo o peito do peru. Um momento aliás, ela parou, feito fatias um dos lados do peito da ave, não resistindo àquelas leis de economia que sempre a tinham entorpecido numa quase pobreza sem razão.

— Não senhora, corte inteiro! Só eu como tudo isso!

Era mentira. O amor familiar estava por tal forma incandescente em mim, que até era capaz de comer pouco, só-pra que os outros quatro comessem demais. E o diapasão dos outros era o mesmo. Aquele peru comido a sós, redescobria em cada um o que a quotidianidade abafara por completo, amor, paixão de mãe, paixão de filhos. Deus me perdoe mas estou pensando em Jesus... Naquela casa de burgueses bem modestos, estava se realizando um milagre digno do Natal de um Deus. O peito do peru ficou inteiramente reduzido a fatias amplas.

— Eu que sirvo!

"É louco, mesmo" pois por que havia de servir, se sempre mamãe servira naquela casa! Entre risos, os grandes pratos cheios foram passados pra mim e principiei uma distribuição heróica, enquanto mandava meu mano servir a cerveja. Tomei conta logo de um pedaço admirável da "casca", cheio de gordura e pus no prato. E depois vastas fatias brancas. A voz severizada de mamãe cortou o espaço angustiado com que todos aspiravam pela sua parte no peru:

— Se lembre de seus manos, Juca!

Quando que ela havia de imaginar, a pobre! que aquele era o prato dela, da Mãe, da minha amiga maltratada, que sabia da Rose, que sabia meus crimes, a que eu só lembrava de comunicar o que fazia sofrer! O prato ficou sublime.

— Mamãe, este é o da senhora! Não! não passe não!

Foi quando ela não pode mais com tanta comoção e principiou chorando. Minha tia também, logo percebendo que o novo prato sublime seria o dela, entrou no refrão das lágrimas. E minha irmã, que jamais viu lágrima sem abrir a torneirinha também, se esparramou no choro. Então principiei dizendo muitos desaforos pra não chorar também, tinha dezenove anos... Diabo de família besta que via peru e chorava! coisas assim. Todos se esforçavam por sorrir, mas agora é que a alegria se tornara impossível. É que o pranto evocara por associação a imagem indesejável de meu pai morto. Meu pai, com sua figura cinzenta, vinha pra sempre estragar nosso Natal, fiquei danado.

Bom, principiou-se a comer em silêncio, lutuosos, e o peru estava perfeito. A carne mansa, de um tecido muito tênue boiava fagueira entre os sabores das farofas e do presunto, de vez em quando ferida, inquietada e redesejada, pela intervenção mais violenta da ameixa preta e o estorvo petulante dos pedacinhos de noz. Mas papai sentado ali, gigantesco, incompleto, uma censura, uma chaga, uma incapacidade. E o peru, estava tão gostoso, mamãe por fim sabendo que peru era manjar mesmo digno do Jesusinho nascido.

Principiou uma luta baixa entre o peru e o vulto de papai. Imaginei que gabar o peru era fortalecê-lo na luta, e, está claro, eu tomara decididamente o partido do peru. Mas os defuntos têm meios visguentos, muito hipócritas de vencer: nem bem gabei o peru que a imagem de papai cresceu vitoriosa, insuportavelmente obstruidora.

— Só falta seu pai...

Eu nem comia, nem podia mais gostar daquele peru perfeito, tanto que me interessava aquela luta entre os dois mortos. Cheguei a odiar papai. E nem sei que inspiração genial, de repente me tornou hipócrita e político. Naquele instante que hoje me parece decisivo da nossa família, tomei aparentemente o partido de meu pai. Fingi, triste:

— É mesmo... Mas papai, que queria tanto bem a gente, que morreu de tanto trabalhar pra nós, papai lá no céu há de estar contente... (hesitei, mas resolvi não mencionar mais o peru) contente de ver nós todos reunidos em família.

E todos principiaram muito calmos, falando de papai. A imagem dele foi diminuindo, diminuindo e virou uma estrelinha brilhante do céu. Agora todos comiam o peru com sensualidade, porque papai fora muito bom, sempre se sacrificara tanto por nós, fora um santo que "vocês, meus filhos, nunca poderão pagar o que devem a seu pai", um santo. Papai virara santo, uma contemplação agradável, uma inestorvável estrelinha do céu. Não prejudicava mais ninguém, puro objeto de contemplação suave. O único morto ali era o peru, dominador, completamente vitorioso.

Minha mãe, minha tia, nós, todos alagados de felicidade. Ia escrever «felicidade gustativa», mas não era só isso não. Era uma felicidade maiúscula, um amor de todos, um esquecimento de outros parentescos distraidores do grande amor familiar. E foi, sei que foi aquele primeiro peru comido no recesso da família, o início de um amor novo, reacomodado, mais completo, mais rico e inventivo, mais complacente e cuidadoso de si. Nasceu de então uma felicidade familiar pra nós que, não sou exclusivista, alguns a terão assim grande, porém mais intensa que a nossa me é impossível conceber.

Mamãe comeu tanto peru que um momento imaginei, aquilo podia lhe fazer mal. Mas logo pensei: ah, que faça! mesmo que ela morra, mas pelo menos que uma vez na vida coma peru de verdade!

A tamanha falta de egoísmo me transportara o nosso infinito amor... Depois vieram umas uvas leves e uns doces, que lá na minha terra levam o nome de "bem-casados". Mas nem mesmo este nome perigoso se associou à lembrança de meu pai, que o peru já convertera em dignidade, em coisa certa, em culto puro de contemplação.

Levantamos. Eram quase duas horas, todos alegres, bambeados por duas garrafas de cerveja. Todos iam deitar, dormir ou mexer na cama, pouco importa, porque é bom uma insônia feliz. O diabo é que a Rose, católica antes de ser Rose, prometera me esperar com uma champanha. Pra poder sair, menti, falei que ia a uma festa de amigo, beijei mamãe e pisquei pra ela, modo de contar onde é que ia e fazê-la sofrer seu bocado. As outras duas mulheres beijei sem piscar. E agora, Rose!...


(Versão definitiva, agosto, 1938-1942).


-x-x-x-x-x-x-x-


FONTE:

- Andrade, Mário de. Contos Novos. Obras Completas de Mário de Andrade, Vol. XVII. Livraria Martins Editora S. A. – São Paulo, 1956 - pp. 95-103.

Na Sequência:

- Anexo: Análises do texto. (*)

(*) O Anexo não foi postado por ser muito extenso. Quem tiver interesse nas Análises do Texto “Peru de Natal”, basta enviar solicitação através de um dos endereços eletrônicos (E-mail) “literalmeida” indicados neste blog no “Escreva para nós”, logo abaixo da Relação dos Seguidores.



Da Maria Helena Santini


Recebí por e-mail este texto abaixo de Martha Medeiros. A princípio, parece apenas a recomendação de uma boa leitura, mas basta ler o primeiro parágrafo para perceber que nessas frases, há uma intrínseca sabedoria, própria da autora, de quem já li muitos textos. Eu poderia ter assinado embaixo, porque é exatamente assim que eu penso e é dessa forma que hoje, depois dos 50, eu encaro a vida com todas as suas múltiplas cores e facetas.

Abraços, esperem que gostem como eu gostei.

Maria Helena

_________________________________________________________________________________________

Senso da Raridade

Martha Medeiros

"É no amor que mais testamos essa verdade: na iminência da separação"
Não faz 24 horas que li a última página do livro 'Longamente', de Erik Orsenna, e já estou com saudades. É um romance francês que me foi indicado por um amigo e que não resisto em indicar para você: você que gosta de histórias de amor pouco ortodoxas, você que preza um texto inventivo e extremamente bem escrito, você que reconhece a dificuldade de se lutar contra as conveniências, você que se adapta meio contra a vontade a um mundo que oferece opções restritas de comportamento, você que gosta tanto de ler de viver.

Foi neste livro que destaquei, entre tantos trechos definitivos, uma frase que estava aplicada ao amor, mas que se aplica, na verdade, a tudo: "A proximidade do fim dá o senso da raridade". No livro, o risco de um amor acabar deu a um dos amantes a súbita noção do quão raro era aquele sentimento e de como seria impossível desfazer-se da relação. É no amor que mais testamos essa verdade: na iminência da separação, nosso músculo cardíaco convoca as pressas todas as emoções dispersadas e recobra seus batimentos, enquanto manda avisos urgentes ao cérebro: não desista, não desista, não desista.

Vale para o amor, vale para a vida. A proximidade do fim é algo que comove. Outro dia vi uma jovem apresentadora de televisão debulhar-se em lágrimas, ao vivo, por estar gravando o último programa pela emissora que trabalhava, já havia assinado contrato com outra. Nenhum arrependimento, nenhuma armação de marketing. Era o senso de raridade que se manifestando frente a câmera, a raridade de ter feito amigos, de ter obtido sucesso, de ter passado por algo verdadeiramente bom.
O senso da raridade sempre nos intercepta na proximidade de uma despedida.

Costumamos compreender as coisas tarde demais. Passamos muito tempo ausentes de nós mesmos, anestesiados por um ritmo de vida que parece imutável, até que muda. Não é de estranhar que seja na vizinhança da morte que o senso de raridade nos arrebate: a raridade de poder caminhar sem amparar-se em ninguém, de poder enxergar o mar sem embaçamento da vista, de pronunciar a palavra futuro sem constrangimento.

É da raridade de estar vivo que trata o livro 'Longamente'. Da duração eterna de grandes amores, da duração das amizades, da duração de nossas convicções e de nossas esperanças, de tudo o que é longo o suficiente para permitir construções e morada, longo o suficiente para ensinar que as advertências da razão sempre serão menos raras do que o impulso dos instintos.


Play ...


26 Janeiro 2010 do BLOG FREUD EXPLICA

PLAYMOBIL - INTERFERÊNCIAS URBANAS
A Cidade do Rio de Janeiro tem a fama de ser a “cidade maravilhosa”, cantada em verso e prosa, pelas suas características físicas e belezas naturais.

Nos tempos modernos as pichações e os grafites surgiram como formas de rebeldia, interferência ou puro e simples vandalismo, copiando as interferências mostradas nos filmes e fotos do mundo inteiro, principalmente na Europa e nos Estados Unidos. Com isso o status de cidade maravilhosa se sente sempre ameaçado pelas influências desses artistas, jovens, na sua maioria.



Grafite ou grafito (do italiano graffiti, plural de graffito) é o nome dado às inscrições feitas em paredes, desde o Império Romano. Considera-se grafite uma inscrição caligrafada ou um desenho pintado ou gravado sobre um suporte que não é normalmente previsto para esta finalidade. Por muito tempo visto como um assunto irrelevante ou mera contravenção, atualmente o grafite já é considerado como forma de expressão incluída no âmbito das artes visuais, mais especificamente, da street art ou arte urbana - em que o artista aproveita os espaços públicos, criando uma linguagem intencional para interferir na cidade. Entretanto ainda há quem não concorde, equiparando o valor artístico do grafite ao da pichação, que é bem mais controverso. O pichador tem, em geral, uma linguagem mais fechada que busca entendimento entre os grupos, enquanto o grafiteiro busca um entendimento na comunidade que intervém.

O artista pode utilizar um estêncil (do inglês stencil) que é um desenho ou ilustração representativa de um número, letra, símbolo tipográfico ou qualquer outra forma ou imagem figurativa ou abstrata, que possa ser delineada por corte ou perfuração em papel, papelão, metal ou outros materiais. O estêncil obtido é usado para imprimir imagens sobre inúmeras superfícies, do cimento ao tecido de uma roupa.

Quem passa pelas ruas de Botafogo tem a oportunidade de ver alguns grafites como os de Playmobil feitos na rua Voluntários da Pátria, por exemplo. Algumas dessas interferências estão em Galeria de Ropereiras

Belo assassinato ...


Gugu, dadá...


Uau!

Pros amigos corintianos, Ói nóis aqui traveis! Demônios da Garoa!

Ontem assisti à entrevista da Globo News com a Maria Conceição Tavares. Adorei sua definição política do FHC, o narciso: Cônsul do Bill Clinton. E não é verdade?
Faço críticas ao PT, mas não, nunca, jamais tucana! Eu, hein!

Eita, sô!

Clementina de Jesus, Torresmo a Milanesa

Eita, década perdida!

No Paraná ...

Arte: do SOLDA
Foto de Albari Rosa, gazeta do Povo

Favelassssss

Do Josias de Souza, Folha/UOL
Alan E. Cober

Sob o título “Cidade de Deus, nunca mais”, o repórter Elio Gaspari abre sua coluna domingueira com uma notícia alvissareira.
O texto, disponível aqui, trata de um plano do prefeito carioca Eduardo Paes (PMDB).
No papel, a coisa tem cara de troca de mentalidade. Se virar realidade, vai mudar o destino de 13.500 brasileiros pobres.



Eis o que anota Gaspari:

“O prefeito Eduardo Paes anunciou a construção de 170 prédios com 3.400 apartamentos de 42,6 metros quadrados no bairro de Triagem.
Neles serão instaladas cerca de 13.500 pessoas que vivem em favelas da cidade. Há muito tempo não saía do Rio de Janeiro uma notícia tão boa.
A área fica a 15 minutos do Centro, próxima às linhas de trem, e Paes promete um projeto urbanístico que integre os prédios ao bairro, livrando-os da maldição dos conjuntos habitacionais.
Se fizer isso abrindo um concurso público, o Rio poderá ganhar mais um marco arquitetônico.

A transferência desses cariocas para um bairro vivo, com comércio, serviços e transportes próximos, desdenha a demofobia que há um século se esconde na discussão do futuro das favelas.
Não se trata de tirar cidadãos de um lugar, mas de saber para onde eles irão. Afinal, a maioria dos moradores da Avenida Vieira Souto aceitariam ser removidos para a Park Avenue, em Nova York.
O economista Sérgio Besserman, presidente do IBGE durante o tucanato, deu uma entrevista ao repórter Oscar Cabral defendendo as remoções de favelas e exemplificou suas virtudes:

'A lagoa Rodrigo de Freitas, cartão-postal da Zona Sul carioca, é um caso emblemático dos aspectos positivos que podem se seguir a uma remoção. Quando a favela foi retirada dali, em 1970, os imóveis da região, cujos valores vinham sendo depreciados, inverteram a curva e passaram a se valorizar.'

Certo, mas faltou dizer onde terminou a curva dos moradores da favela da Praia do Pinto.
Eles foram mandados para Cidade de Deus, símbolo internacional da depreciação do Rio de Janeiro, produto emblemático do urbanismo demófobo.
A favela não foi removida de acordo com uma política pública. Numa noite, a comunidade foi incendiada, provavelmente por Nero, o imperador que limpou Roma".

Edição 1892 . 16 de fevereiro de 2005
Entrevista: Roberto Romano
do Blog de Roberto Romano
A genética do PT

O filósofo da Unicamp, antes feroz
crítico dos tucanos, diz que o partido
de Lula sempre foi autoritário e, por
isso, às vezes, atropela a democracia


Otávio Cabral

Claudio Rossi

"É infinita a capacidade dos intelectuais de se curvar diante do poder, seja ele fascista ou socialista"



Duas coisas, em especial, incomodam o filósofo Roberto Romano: a mediocridade e os intelectuais que se curvam diante do poder. "A função do intelectual não é apoiar, aderir. É pesar as palavras, pesar as idéias e mostrar caminhos", diz o professor de ética e filosofia política na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Aos 58 anos, autor de sete livros, Romano mantém-se fiel ao estilo que marcou sua vida acadêmica, a crítica impiedosa mas justa. Romano acusou o governo tucano de promover um "genocídio cultural" no país e agora acusa o governo do PT de ser um inimigo da cultura, do conhecimento e da ciência – um regime "misologocrata", segundo o neologismo que o próprio filósofo criou. Romano foi dominicano por doze anos e desligou-se da ordem antes de ordenar-se padre. Esteve um ano preso pela ditadura militar (1964-1985) e foi exilado em Paris. Militou na agremiação de esquerda Ação Popular, mas nunca se filiou a um partido político. "Tenho uma língua incontrolável às vezes", diz. "Entre amigos tucanos e petistas e a minha consciência, fico com a minha consciência." A seguir, a entrevista.

Veja – Como o senhor avalia os 25 anos de vida do PT, completados na semana passada?
Romano – O PT realizou o sonho da chegada ao poder de um partido de esquerda. Isso teve grande impacto histórico. Mas o governo do PT não é de esquerda. Aos 25 anos, o PT deixou de representar a simbiose entre movimentos sociais e um partido político. Desde sua fundação, o PT abrigou setores da Igreja, da universidade, de sindicatos e da sociedade que não tinham representatividade política. Ao chegar ao poder, o PT mostrou que, de fato, é um partido com um projeto de poder, de controle de Estado, que não cede a pressões de suas bases. Os antigos aliados continuam apresentando as contas. O MST, por exemplo, já ameaça não apoiar a reeleição de Lula. O PT vai ter de saber como sair desse xeque-mate. O realismo político assumido pelo PT também jogou por terra toda a sua retórica histórica de defensor da ética. O partido já tem no armário esqueletos como o de Waldomiro Diniz, e outros ainda podem aparecer. Ninguém assume o "É dando que se recebe", como o PT fez, sem pagar um preço por isso.

Veja – O senhor já definiu o presidente Lula como "populista, autoritário e despótico". Mas a democracia no Brasil de Lula não foi arranhada. Isso não é um exagero?
Romano – Na filosofia política, o poder despótico é definido como o poder daquele que é o pai da família. Lula tem preferência pela metáfora de se definir como pai do povo. De todas as suas metáforas, as mais graves são as comparações do país com uma casa e dele com um pai. Quem lhe deu esse direito? Na Constituição, não há o cargo de "pai do povo". Não aceito, portanto, que o presidente se defina como tal. Meu pai já morreu, eu sou maior de idade e não quero um pai cívico. Alguém precisa dizer isso a ele.

Veja – O PT sempre se enxergou como uma instituição democrática em que tudo é discutido, às vezes até demais. Essa característica se revela no exercício do poder?
Romano – O PT pode ter se enxergado assim, mas a verdade é que o partido foi durante muito tempo uma instituição claramente antidemocrática. Há quinze anos, Lula deu uma entrevista ao jornal Folha de S.Paulo dizendo que, se a via parlamentar não desse certo, recomendaria ao povo a luta armada. Disse isso quando a luta armada já havia sido abandonada. Naquela entrevista, fica clara sua pretensão messiânica. A política é feita metade de razão e metade de emoção. Você não pode deixar que ocorra a supremacia do emocional. Ao forçar demais o pêndulo para o lado do indivíduo, deixa-se de fazer política para criar uma fé. A fé é perigosa. Remove montanhas, mas também joga bombas e impõe censura.

Veja – O PT sempre se apresentou aos eleitores como uma agremiação repleta de quadros tecnicamente competentes. Como esses quadros estão se saindo no governo?
Romano – O PT é composto de três setores. O principal são os sindicalistas que dominaram a máquina sindical depois da democratização. Deixaram seus empregos e passaram a exercer uma liderança política que os promoveu socialmente. Do ponto de vista social, são arrivistas. Como a única preocupação desse grupo era obter liderança política, não lhe sobrou tempo para o necessário aprofundamento cultural. Por isso esse grupo pode ser definido como os novos-ricos da política. Isso ficou claro na decisão de comprar logo um novo avião presidencial.

Veja – O senhor não está sendo preconceituoso?
Romano – Não há preconceito. Faço apenas uma constatação. Sindicalismo e cultura não são obrigatoriamente antagônicos. Na história do marxismo, o nível dos sindicalistas sempre foi elevado. Eles liam muito, estudavam teoria política e muitos se tornaram formuladores. Eles ascendiam culturalmente ao mesmo tempo que ganhavam projeção política. Os sindicalistas que estão no governo não tiveram essa preocupação. Não me espanta, portanto, que eles tenham em relação ao saber uma atitude de inimizade.

Veja – De sua origem sindical o PT cresceu atraindo pessoas das mais variadas formações, principalmente intelectuais. Onde andam essas pessoas?
Romano – O grupo da classe média que hoje tem liderança no PT e no governo chegou à universidade no fim dos anos 60, mas seu objetivo era apenas fazer política e chegar ao poder. Ninguém estava ali para adquirir cultura. Muitos foram exilados em Paris e em vez de refinar sua formação cultural se limitaram a participar de passeatas. Outros foram para Cuba, onde não existe cultura – além, é claro, da cultura de subserviência ao barbudo. Um último grupo de petistas é o dos chamados intelectuais, gente de pensamento até refinado. Mas está claro que os poucos deles que estão no governo têm de pedir licença aos outros dois grupos. Eles não têm autonomia de vôo. São obrigados a dizer amém aos incultos. Com essa configuração, o resultado não podia ser outro no campo cultural e educacional. O governo é predominantemente formado por inimigos da cultura e do conhecimento, para quem o mérito e a capacidade individual valem menos do que um bom padrinho político. Um partido como o PT, que passou a vida toda agindo como uma organização stalinista, não consegue se transformar em liberal da noite para o dia, nem se fantasiando de George Bush.

Veja – A atual proposta de reforma universitária feita pelo governo recebeu críticas pesadas de quase todos os setores pensantes do país. Ela tem conserto?
Romano – O projeto de reforma, para começo de conversa, fere a própria Constituição brasileira. O projeto prevê que os reitores serão eleitos por voto direto. Isso é muito grave. A universidade é uma instituição baseada na excelência. A democracia da universidade deve ser medida pelo seu compromisso com a sociedade e com o país. Isso é democracia, não permitir que alunos e funcionários escolham o reitor. Como se pode fazer pesquisa em um ambiente em que qualquer pessoa com representação política na universidade vai a um laboratório dizer que tipo de pesquisa deve ser feito? Escolher pesquisa pelo voto é um escândalo. O segundo ponto preocupante da reforma é aquele em que se determina que haverá um conselho universitário em que pessoas de fora da instituição terão poder de palpitar sobre o que a universidade deve fazer. Isso é o fim do mundo. Nem no período ditatorial alguém teve coragem de propor algo tão grave. Farei minhas pesquisas segundo o que é ditado por um comitê? Em que mundo estamos? A reforma tira da universidade o direito ao erro, que é uma característica básica da ciência. Pesquisa que não tem direito de errar e recomeçar não é pesquisa. Caso esse modelo venha a vigorar, é melhor fechar a universidade e substituí-la por uma loja de diplomas.

Veja – Por que a universidade não se levanta contra uma reforma tão condenável?
Romano – Benevolência é a primeira explicação. A segunda decorre do fato de que o objeto mais flexível do universo é a espinha dorsal dos intelectuais. É infinita a capacidade que eles têm de se curvar diante do poder, seja ele fascista, seja socialista. Basta que seja poder. A universidade tem interesses imediatos, uma série de coisas que o poder fornece. Ocorre que ele não faz nada de graça. Em troca, o poder quer da universidade, no mínimo, o silêncio cúmplice. É espantoso, mas tem conseguido isso. A apatia atual deriva da cumplicidade. E uma universidade que não apresenta planos, projetos de longo prazo nem pesquisas para o futuro é um peso morto para o país. O outro nome disso é charlatanismo.

Veja – Muitos desses planos governamentais acabam arquivados antes de entrar em vigor. A discussão deles pela sociedade não é positiva para a democracia e as instituições?
Romano – Muitos danos podem ser causados à democracia brasileira por essas iniciativas. Os retrocessos propostos para as universidades podem trazer problemas a curto prazo. A tentativa de calar o Ministério Público e o ódio à imprensa demonstrado em diversos episódios são fatos graves. Isso traz conseqüências pesadas à vida democrática. Os danos serão muito piores se essa reforma vier a ser implementada. Mas acho que eles não conseguirão implantá-la. O ambiente cultural brasileiro não toleraria um ataque tão violento.

Veja – O senhor foi crítico do governo tucano, ao qual acusava de ter cometido "genocídio cultural". Como os principais partidos hoje são PT e PSDB, isso significa que o país não tem mais alternativas?
Romano – Não vejo com pessimismo a evolução do quadro político, embora ainda não tenhamos partidos que possam recolher os benefícios do fim da ditadura e da consolidação da democracia. A melhoria dos padrões democráticos é lenta e gradual, mas irreversível. Cedo ou tarde, o PT terá de modificar seus procedimentos autoritários. Do contrário, ficará isolado.

Veja – O senhor definiu o governo do PT como uma "misologocracia", regime avesso à cultura, ao conhecimento e à lógica. Mas os partidos de oposição não parecem assim tão repletos de sumidades...
Romano – Em todos os partidos há pessoas que respeitam o pensamento. No PSDB, há uma pletora de intelectuais, no PT também, no PFL há pessoas inteligentes. O problema é que no momento do jogo eleitoral quem decide é o manipulador do partido. Isso quebra a possibilidade de o partido ter uma ação coerente. No caso específico do PT, há um programa com forte ranço autoritário e intelectuais que tendem a discordar disso. Mas o PT é uma arena em que os articuladores políticos sempre vencem os intelectuais. A função do intelectual petista é corrigir as bobagens feitas por suas lideranças. Só que a intelectualidade petista, mesmo cometendo malabarismos ideológicos diários, não consegue influenciar as decisões equivocadas das lideranças, que dirá anulá-las. Em primeiro lugar, é preciso constatar que a meritocracia acabou no governo Lula. Agora o que vale é a quantidade de aplausos que você ganha nos comícios. Do jeito que está, daqui a dez anos as teses de doutorado serão apresentadas em praça pública, a avaliação será feita por aplausos e o título não será de doutor, mas de companheiro. O PT tem bons quadros, o PFL tem bons quadros, o PSDB tem bons quadros. Mas nenhum partido brasileiro tem quadros suficientes para assumir o Executivo, o Legislativo e o Judiciário nos três escalões. O PT insistiu nisso.

Veja – Mas nenhum governo preenche os cargos com inimigos políticos...
Romano – O Estado brasileiro é hipertrofiado e precisa de muitos quadros, mas estes têm de ser escolhidos por critérios científicos e critérios políticos. Os critérios políticos, porém, não podem predominar a ponto de excluir da vida da administração gente competente ou colocar pessoas sem formação suficiente para dirigir grandes empreendimentos como a Petrobras e a Usina de Itaipu só porque pertencem ao partido.

Veja – O Brasil está carente de idéias e projetos?
Romano – Isso é um problema mundial. Nas décadas de 60 e 70 o mundo tinha duas superpotências e era muito difícil propor um projeto diferente. Até porque os intelectuais estavam ligados ou a Chicago ou a Moscou. O Brasil tentou naquela época um projeto de subpotência do Atlântico cujos resultados estão aparecendo agora. Depois disso, o Brasil não produziu quadros, não tem projetos para o próprio caminho desde o fim do regime militar. Isso não é apenas uma questão estratégica, é uma questão econômica e social. Um país não pode pensar em ser uma potência sem ter uma política de educação, de inclusão tecnológica. No ano passado, o Brasil foi o último colocado em um ranking de ensino da matemática no mundo. Um país que não dispõe de uma massa de trabalhadores com capacidade de produção de pensamento matemático não tem condições de participar da revolução tecnológica mundial. Essa situação inviabiliza o país no longo prazo e afugenta investidores.

Do Akino Maringa, do Blog do Angelo Rigon


O exemplo da RPC

Não cansamos e enaltecer o trabalho do jornalismo da RPC neste caso da Assembleia e que serve de exemplo para toda a imprensa. Já pensaram se os jornais locais resolvem o mesmo em Maringá? Se a própria TV Cultura, do grupo RPC, fosse mais incisiva no tratamento de algumas denuncias? Muita sujeira sairia deixo dos tapetes, temos a impressão? Fica o nosso apelo. Vamos atuar com ética, sem interesses ocultos. Façam o jornalismo em favor do povo e como dizem os mais religiosos, 'Deus proverá'. Libertem-se da verbas da Prefeitura. Elas serão compensadas pela iniciativa privada e os senhores ficarão com a consciência do dever cumprido. Justiça seja feita, o Milton Ravagnani tem feita alguma coisa em sua coluna, pouco, mas um começo.

Akino Maringá, colaborador

Escandâlo da Assembleia

A prisão de 10 pessoas, dentre elas poderosos ex diretores, nos dá a convicção de que este caso alguma resultado apresentará para o contribuinte e na mudança de hábitos dos políticos.Deixa claro a a importância e o poder da imprensa. Não fosse o trabalho da RPC e provavelmente nada disso estaria acontecendo.
A RPC é um exemplo de que a imprensa pode sobreviver sem as benesses do poder público. Consta durante todo o governo Requião não foi beneficiada com verbas publicitárias do Governo do Estado e certamente da assembleia e continua atuando. Parabéns ao jornalismo da emissora que passará para a história por um belo serviço de utilidade pública.

Akino Maringá,colaborador

*********************************

COMENTÁRIO: Bem. Akino. Estava difícil não noticiar este (mais um) grande estrago com o dinheiro público.

sábado, 24 de abril de 2010

Loucoléxico


"Nenhum ser humano é capaz de esconder um segredo." Se a boca se cala, falam as pontas dos dedos (Sigmund Freud).

Eçes brimos!

Do Blog do Acir Vidal
O “Diário do Comércio”, ligado à Associação Comercial de São Paulo, divulgou dados de fevereiro, e não de abril, nos resultados da pesquisa espontânea de intenção de voto para presidente da República, encomendada ao Ibope. Os números antigos são favoráveis a José Serra (PSDB-SP). Em fevereiro, ele tinha 10% na sondagem espontânea, contra 9% de Dilma Rousseff (PT-RS). Em abril, a petista ultrapassou o tucano, com 15% contra 14%. “Não tem nenhuma má intenção. Se houve um erro nosso, a gente corrige“, diz Moisés Rabinovici, diretor do jornal.

TRINCA
A Associação Comercial, que controla o jornal, tem como vice-presidentes o prefeito Gilberto Kassab (DEM-SP), Guilherme Afif Domingos (DEM-SP) e Jorge Bornhausen (DEM-SC). Os três apoiam Serra à Presidência.*


(*) Mônica Bergamo, na Folha de São Paulo.

Belo Monte


Fotografia de Henri Cartier-Bresson

ui!


Mais uma do Millôr (este livro Bíblia do caos, está me deixando saudável!):



DESCONFIO SEMPRE DE TODO IDEALISTA QUE LUCRA COM SEU IDEAL.

Nofa!




Imagem: do Acir Vidal
Do MESSIAS MENDES, na Má-ringa


Rodoviária Velha interditada há dois anos e esperando a hora de ser implodida; Parque do Ingá há mais de um ano fechado; horto Florestal fechado; Estádio Willie Davids interditado há um tempão. Sobre o WD, aliás, o JM acaba de divulgar: três vistorias, Willie Davids segue vetado e com os mesmos problemas.
Falta de isolamento completo do campo, defeitos na tela que impede acesso de pessoas pelo muro externo e existência de apenas um complexo de sanitários impedem a realização de jogos oficiais ou amistosos".
E o Chico Neto, a quantas anda?

*******************************************

COMENTÁRIO: Não vejo mais o prefeito falar: AQUI A GENTE FALA, AQUI A GENTE FAZ. Tem ainda a dengue que se territorializa em Maringá. O trânsito horrível. Roubos... Que KAOS!

Alaide .......

Alaíde Costa, voz e vida sensível nesse mundo... (em 2005), Estrada do Sertão

Loucoléxico...


Do Millôr, Bíblia do Caos



Toda farsa tem dois gumes.

Ui, que chateação, teremos licitação!


O fim do monopólio do Blog do Rigon, na Má-ringa
22 abril 2010

MP informa câmara de Maringá que STF decidiu que transporte coletivo urbano deverá ser licitado.
Os vereadores de Maringá foram cientificados oficialmente, hoje, do trânsito em julgado da ação que determina a obrigatoriedade da realização de licitação para o transporte coletivo urbano da cidade. O Supremo Tribunal Federal julgou o caso em dezembro de 2008, depois que, em 2005, o Tribunal de Justiça também concluiu pela ilegalidade do sistema. O processo iniciou-se com a vereadora Marly Martin Silva (DEM), que apontou a inconstitucionalidade do artigo 14 das Disposições Transitórias da Lei Orgânica do Município (LOM), alterada em 1999 pelo então prefeito Jairo Gianoto para que o monopólio permanecesse por mais 15 anos.

Hoje, o presidente Mário Hossokawa (PMDB) recebeu ofício do promotor José Aparecido da Cruz, da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, dando ciência de que a ação transitou em julgado e que é preciso cumprir a decisão do STF. O Legislativo informou aos vereadores e deve comunicar o prefeito Silvio Barros II, que deverá iniciar o processo de licitação. A primeira providência será a alteração da Lei Orgânica, com a revogação do artigo 14 (“As concessões ou permissões de serviços públicos poderão ser prorrogadas por igual período ao assinalado no contrato, caso a concessionária ou permissionária tenha cumprido com todas as obrigações as-sumidas, venha prestando serviço adequadamente, investindo na qualidade, modernização e ampliação do serviço. Parágrafo único. A prorrogação do contrato de concessão ou permissão dar-se-á através de termo aditivo ao instrumento original, dele cons-tando, pormenorizadamente, as razões da permanência da empresa prestadora na execução do serviço”). De acordo com a orientação do promotor, a alteração deverá constar dos exemplares já impressos da LOM.

*******************************************************

COMENTÁRIO: O que dizer? finalmente, ufa, tava na hora.... É muita TCC para poucos vereadores.

Honra ao Mérito da Dengue


Do Blog do Angelo Rigon, na Má-ringa


O boa praça Antonio Carlos Nardi, secretário de Saúde de Maringá, recebe hoje a medalha Honra ao Mérito Odontológico Nacional do Conselho Federal de Odontologia, pela “contribuição no plano do desempenho social e político”. Leitor que nada perdoa envia: “Sem dedicação exclusiva ao ofício desde que é secretário em Maringá (antes, foi de Floresta e Marialva), não se cogita a entrega de um troféu Mosquitão de Ouro por causa da dengue na cidade. Neste caso, seria bicampeão, já que a primeira grande infestação do mosquito foi em 2007″.

******************************

COMENTÁRIO: Assino junto. MOSQUITÃO DE OURO. Aqui em casa estamos com dois dengosos. Na Unimed o médico disse que já chegamos perto dos três mil casos. na Má-ringa!

Ui, ui, ui xente, esmagar um homem inocente!

Imagem: foto Mussolini
A polícia brasileira continua a mesma SS de sempre

Do Blog de Roberto Romano

Quando vejo os cretinos de olhos esbugalhados se deliciando quando um PM barrigudo chuta um criminoso e defendendo que se faça 'justiça' com marginais, imediatamente me recordo que ele mesmo pode ser a próxima vítima dos porcos fardados. Há um clamor pela violência policial neste país. O Estado não possui o direito (na pessoa de quem for) de espancar o pior dos criminosos. As leis brasileiras são horríveis, a polícia idem. Engraçado, para estes que entram em êxtase quando um polícial espanca um suspeito vou contar um segredo: nunca vi um dos valentes políciais que adoram "disciplinar" bandidos chegar dando um soco no peito de um famoso traficante, geralmente é tratado com respeito, muitas vezes como "meu senhor".


Nove PMs estão presos acusados de torturar e matar motoboy em SP


Mais um policial militar foi preso acusado de participar da morte de um homem, de 30 anos, na zona norte de São Paulo, ocorrida na semana passada. Segundo a Polícia Militar, ele foi detido na madrugada desta sexta-feira, 23, e levado para a Corregedoria da Polícia Militar.
O motoboy Eduardo Luís Pinheiro dos Santos foi encontrado morto em Santana, três horas depois de ser abordado por policiais militares na Casa Verde, zona norte de São Paulo, e ser levado para a 1ª Companhia do 9º Batalhão com outros três rapazes.
Testemunhas disseram à Polícia Civil que o rapaz foi torturado, espancado e humilhado no quartel, no fim da noite do último dia 9. Oito PMs estão recolhidos à Corregedoria da PM.


Caso


Três horas depois de ser abordado por policiais militares na Casa Verde, zona norte de São Paulo, e ser levado para a 1.ª Companhia do 9.º Batalhão com outros três rapazes, o motoboy Eduardo Luís Pinheiro dos Santos, de 30 anos, foi encontrado morto em Santana, na mesma região. Testemunhas disseram à Polícia Civil que o rapaz foi torturado, espancado e humilhado no quartel, no fim da noite do dia 9. Oito PMs foram presos nesta quinta-feira, 22.
O secretário da Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto, informou ontem, em nota, ter determinado que as Polícias Militar e Civil façam "a mais rigorosa apuração dos fatos". A nota diz que a secretaria "não compactua com esse tipo de procedimento, que considera abominável".
De acordo com informações do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Santos sofreu traumatismo cranioencefálico. O corpo do motoboy apresentava hematomas e foi encontrado por PMs do mesmo batalhão para onde havia sido levado na noite de sua morte. A vítima estava com a calça arriada e sem camisa.
O DHPP pediu à PM as fotografias e a escala de serviço de todos os policiais que trabalharam na noite daquele dia e na madrugada seguinte, dia 10 deste mês. O porta-voz da Corregedoria da PM, major Reinaldo Zychan, disse ontem que os oito presos começaram a ser ouvidos. Um dos suspeitos de participação é o soldado Antonio Sidney Rapelli. O porta-voz não confirmou se Rapelli é investigado.


A noite da morte


A equipe E-Leste do DHPP apurou que, na noite do dia 9, Santos pediu ajuda a um amigo açougueiro para procurar a bicicleta do filho que havia sido furtada. Eram por volta das 21 horas quando o motoboy encontrou três rapazes na esquina da Rua Maria Curupati com a Avenida Casa Verde. Os quatro começaram a discutir. Os rapazes disseram que não haviam furtado a bicicleta.
Ainda de acordo com a Polícia Civil, durante a discussão, chegaram as viaturas 09145 e 09149. Os PMs desceram e perguntaram aos quatro o que estava acontecendo. Um PM deu um soco no peito de Santos.
Inconformado, o motoboy quis saber o motivo da agressão e derrubou o PM. Santos foi colocado em uma viatura e levado para a sede da 1.ª Companhia do 9.º Batalhão, situada ao lado do 13.º DP (Casa Verde). Os três rapazes entraram na outra viatura e foram para o mesmo local.
Nos primeiros minutos do dia 10, os PMs perguntaram aos três rapazes se eles queriam prestar queixa contra Santos. Eles disseram que não e foram liberados em seguida.


Agressões


As testemunhas contaram no DHPP que Santos foi torturado e levou chutes e socos. Disseram ainda que cada PM que chegava ao quartel ouvia dos colegas que Santos havia xingado todos. Cada um que entrava no serviço batia no motoboy. O Departamento de Homicídios apurou que até policiais femininas participaram das agressões.
Por volta de 0h10, PMs da viatura 09145 avisaram o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) que haviam encontrado um homem negro caído na esquina da Avenida Brás Leme com a Rua Voluntários da Pátria. Os PMs avisaram ainda que iriam levar a vítima para o Pronto-Socorro de Santana. Santos já chegou morto ao hospital.
Os PMs comunicaram o óbito no 13.º DP às 2h15. "A família prestou queixa de desaparecimento no dia 13, achou o corpo no IML no dia 14 e nos procurou no dia 16", disse Elisabete Sato, delegada do DHPP.
Postado por Marcos Otterco às 12:26
Postado por Roberto Romano às 12:05

Braziu!

Braziu!

Arquivo do blog

Marcadores