TUCA PUC 1977
EU QUASE QUE NADA SEI. MAS DESCONFIO DE MUITA COISA. GUIMARÃES ROSA.

sábado, 30 de outubro de 2010

Tempo, tempo....


Jane Fonda e Alan Delon. Quando? Quando os bois comiam capim. Bem distante de hoje quando o capim come o boi. De onde? cap-tirado da marina W.

E no braziu....


Frase inquietante


“A universidade revela todas as capacidades, até a incapacidade” (A.Tchekov).

Seres raros...


Do Blog RERUM NATURA


Já não se fazem pessoas assim.


Dignidade. Moral. Seriedade. Dedicação ao país. Sentido de missão. Serviço público. Honra. Respeito. Honestidade. Verticalidade.


Já não se fazem pessoas assim.

Uia!


Brasileira, Chiquinha Gonzaga

Brasileira, de Chiquinha Gonzaga por Adriana Calcanhoto. Tesão!

Piano: Clara Sverner

Brasileira ...

Taí. Música cantada pela Carmem Miranda. Aprendi com aminha mãe. Linda canção/tesão pela voz da Marina de la Riva.

Pra libertar meu coração ...

Mamãe, mamãe, eu quero sim ser mandarim cheirando gasolina ....

Moraes Moreira, Bloco do prazer.... com Aline Muniz

três meninas do Brasil ...

O Brasil é complicado. Assisti ao documento BAGATELA na TV SEsc. Mulheres que são presas por roubo de queijo de R$6,00. Por shampoo, R$12,00. Ficam anos sem advogado, sem salvação da lavoura. Pobres, são humilhadas por todos. Dos donos dos supermercados ao juiz. Enquanto isso Câmaras de Vereadores compram "laptops" sem licitação, compram, compram, compram ... Enquanto isso, no senado ... corrupção, corrupção.Em todas as instituições ... Agora na música somos campeões. Meninas lindas, mulheres maravilhosas encantam nesse mar de esvaziamento ético.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Duas metades do mesmo ZERO


Do Blog ARRASTÃO, Portugal, um texto bem à cena brasileira


“Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, – reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta (…)

Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta ate à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados (?) na vida intima, descambam na vida publica em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira a falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na politica portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro (…)

Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do pais, e exercido ao acaso da herança, pelo primeiro que sai dum ventre, – como da roda duma lotaria.

A justiça ao arbítrio da Politica, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas;

Dois partidos (…), sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes (…) vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se amalgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, – de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar (…)”

Guerra Junqueiro, A Pátria, 1896

Disse Serra ontem ...



Imagem: do Solda

– Se é menina bonita, tem que ganhar 15 (votos). É muito simples: faz a lista de pretendentes e manda e-mail dizendo que vai ter mais chance quem votar no 45 – completou.
**************************************
Comentário:
Machista? Putz!!!!!! E as feias, dr Serra? E eu?

quinta-feira, 28 de outubro de 2010


Erwitt
Ai.

Mary Hirsh (não sei donde cap-tirei)

...


Da Helena, Amigos do Freud

Mineirim, miudinho, todo tímido embarca no ônibus de Raul Soares para BH.

Seu colega de poltrona, um negão de 1,80 m de altura, com cara de poucos amigos e exalando bafo etílico de no mínimo 3 branquinhas.

Negão no maior ronco e Mineirim todo enjoado com as curvas da estrada.

A certa altura Mineirim não agüenta e vomita todo o jantar no peito do Negão. Mineirim no maior desespero e Negão ainda roncando.

Chegando a Sabará, o Negão acorda, passa a mão no peito todo melecado.

Olha indignado e confuso pro Mineirim, que imediatamente bate a mão no seu ombro e pergunta:

- Cê miorô?

“Não adianta discutir o aborto agora.

Os políticos já nasceram mesmo...”




Peguei emprestado do Peixe Alfa


e eu peguei da Helena, Amigos do Freud

Kakakakakakakakakakkaakkkkkkkk


Ui, que tédio!


Uma delícia de hipocrisia ouvindo o Aécio hoje no programa eleitoral do Serra: com os tucanos o Braziu será grande! Será forte! Ué, o que falar quer dizer?

Nem tudo é igual...


E cá, no Braziu...


Eleições:
você vota no corrupto
no menos corrupto
ou no que se corromperá?

Manifesto-me em letras bem miúdas para não apanhar da ex-querda....


Pensei, pensei, avaliei, avaliei.... e resolvi. MEU VOTO para presidente é NULO. Nunca votei em tucano. Nem votarei. Serra é lamentável. Cada dia é um discurso. Começou com o aborto. Despertou os coveiros de todo mundo e morreu soterrado pela declaração de sua mulher. Depois vai dar décimo terceiro salário aos bolsas famílias. Copião! Depois canta uma música que "Serra é do BEM". Analogia com Deus, eu viro e canto "Serra é do DEM". Tô fora. PSDB? Não! Opozissão, que nada! Pura privataria.

**********************************

E Dilma? Bem que o Serra estava me empurrando para votar nela. Hoje, dia 28 de outubro de 2010, ouvindo "colegas" próximos do petê, eu me enojei com a arrogância dessa ex-querda. Não sou capaz de engolir, goéla abaixo mesmo, marxismos que insinuam que o coletivo é mais importante; que em nome da esquerda, da vida coletiva temos que admitir o bem e o mal. Nada disso. Coletivo para mim é ônibus. Roubo é roubo, corrupção é corrupção. Na direita e na ex-querda. Amém!

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Frases inquietantes ...


Se você não tomar cuidado vira número até para si mesmo. Porque a partir do instante em que você nasce classificam-no com um número. Sua identidade no Félix Pacheco é um número. O registro civil é um número. Seu título de eleitor é um número. Profissionalmente falando você também é. (...) Seu prédio, seu telefone, seu número de apartamento - tudo é número. (...)
Nós não somos ninguém? Protesto. Aliás é inútil o protesto. E vai ver meu protesto também é número
. CLARICE LISPECTOR

...

Berlusconi

Cegueira?


Dizem que o pior cego é aquele que não quer ver. Parece-me que o pior cego só consegue ver seu próprio EU.

Um texto interessante


Esse texto reflete a nossa situação no Braziu. Taí!

****************************************************

José Vítor Malheiros

Por Sérgio Lavos do BLOG ARRASTÃO, Portugal AQUI
José Vítor Malheiros é, há algum tempo e a par com Manuel António Pina no JN e Rui Tavares também no Público, o meu colunista preferido nos jornais portugueses (se exceptuarmos MEC, claro). Inteligente, escrita límpida, lucidez desarmante e, sobretudo, independência. A crónica de ontem é exemplar. Fica aqui, na íntegra (on line apenas está disponível para assinantes):

Memórias de uma imprensa bem comportada

Os jornalistas realizam diferentes tarefas e preenchem diferentes funções sociais. Uma dessas tarefas consiste em produzir e difundir notícias. Outra função consiste em alimentar o debate de ideias no seio da sociedade.

Porém, aquilo que, aos meus olhos, é a função essencial do jornalista é o que se chama vulgarmente a “fiscalização dos poderes” e a que os anglo-saxónicos chamam de forma mais colorida a função de watchdog – servir de cão de guarda das liberdades cívicas, revelar todas as actividades de todos os poderes e de todos os poderosos e denunciar abusos.

Esta é a função que só os media levam a cabo de forma independente e constitui o coração do ethos jornalístico. Isto não quer dizer que não possa haver uma organização não-mediática que funcione dessa forma, mas a prossecução desse objectivo de forma independente – sem qualquer agenda predefinida, sem defender interesses particulares – é a marca de água da actividade jornalística.

Tivemos há dias um exemplo de grande impacto do que pode ser essa fiscalização dos poderes com a publicação pelo site WikiLeaks de milhares de casos de abusos perpetrados pelas tropas americanas e iraquianas no Iraque.

Curiosamente, o líder do WikiLeaks, Julian Assange, não só não se considera um jornalista como recusa com veemência o rótulo, que considera “ofensivo”. Porquê? Porque Assange pensa que a esmagadora maioria da imprensa, premeditadamente ou não, não só não fiscaliza os poderes como colabora activamente com eles, escamoteando ou maquilhando as suas práticas mais criticáveis. Um exagero? Talvez. Mas vale a pena, no actual panorama de crise e recessão, quando todos os portugueses têm uma lista de perguntas que gostariam de ver respondidas pelo Governo (sobre as empresas que não pagam impostos, sobre os impostos da banca, sobre a nacionalização do BPN, a política fiscal, o real funcionamento da economia, as razões para o optimismo com que nos regalaram nos últimos dois anos) podemos perguntar-nos a quantas dessas perguntas os media conseguiram responder. Ou quantos nomes foram responsabilizados. Ou quais foram as denúncias que vimos nas páginas dos jornais e nos ecrãs dos noticiários. Existem pequenas excepções singulares, mas contam-se pelos dedos de uma mão. No geral, a imprensa limita-se a reproduzir os discursos existentes na cena política ou económica. Claro que isso significa citar o Governo e a oposição, os patrões e (esporadicamente) os sindicatos, mas a verdade é que isso é dramaticamente insuficiente.

Mais do que saber qual é a mensagem que os protagonistas querem transmitir, o que os cidadãos gostariam de ter é um retrato fiel da situação. Esta crise seria uma ocasião excelente para os media provarem a sua utilidade – para além do consabido “este disse, aquele disse”. Todos gostaríamos de saber o que de facto aconteceu com o PEC I e II. Quais as contas reais do país. O que está a acontecer com as parcerias público-privadas (os factos, e não as leituras ideológicas). Com as empresas que não pagam impostos. Com o off-shore da madeira, com as mil e tal fundações privadas que recebem dinheiro dos nossos impostos, com os privilegiados que acumulam pensões e salários, etc. A verdade é que a maioria dos media se encontra ou acantonada num confortável comodismo ou numa quase paralisia imposta por uma draconiana redução de despesas, que impede qualquer investigação. Só que, sem essa investigação, sem essa função irreverente de watchdog, os media apenas repetem as versões que interessam aos poderes. Sobrevivem, mas isso não é vida. A crise que os media estão a atravessar não é alheia a esta situação. Os media parecem empenhados em provar a sua irrelevância, sem perceberem que é esse o caminho que os está a levar à cova.

Eita, Braziu!


Enviado pelo Grozny

Grata!
Nada que nós não estivéssemos acostumados.


Resultado de licitação vazou há 6 meses

Folha registrou em abril, em vídeo e cartório, os vencedores de concorrência do Metrô de SP, anunciados semana passada
Empresa do governo de SP, comandado pelo PSDB, afirma que vai investigar o caso; valor de licitação é de R$ 4 bi

A Folha soube seis meses antes da divulgação do resultado quem seriam os vencedores da licitação para concorrência dos lotes de 3 a 8 da linha 5 (Lilás) do metrô.

O resultado só foi divulgado na última quinta-feira, mas aFolha já havia registrado o nome dos ganhadores em vídeo e em cartório nos dias 20 e 23 de abril deste ano, respectivamente.

A licitação foi aberta em outubro de 2008, quando o governador de São Paulo era José Serra (PSDB), que deixou o cargo no início de abril deste ano para disputar a Presidência da República.

Em seu lugar ficou seu vice, o tucano Alberto Goldman.

O resultado da licitação foi antecipado pela Folha apesar de o Metrô ter suspendido o processo em abril e mandado todas as empresas refazerem suas propostas. A suspensão do processo licitatório ocorreu três dias depois do registro dos vencedores da Folha em cartório.

O Metrô, estatal do governo paulista, afirma que vai investigar o caso. Os consórcios também negam irregularidades ou "acertos".

O valor dos lotes de 2 a 8 passa de R$ 4 bilhões. A linha 5 do metrô irá do Largo 13 à chácara Klabin, num total de 20 km de trilhos, e será conectada com as linhas 1 (Azul) e 2 (Verde), além do corredor São Paulo-Diadema da EMTU.

VÍDEO E CARTÓRIO

A Folha obteve os resultados da licitação no dia 20 de abril, quando gravou um vídeo anunciando o nome dos vencedores. O vídeo está sendo publicado hoje (folha.com.br/po820054).

Três dias depois, em 23 de abril, a reportagem também registrou no 2º Cartório de Notas, em SP, o nome dos consórcios que venceriam o restante da licitação e com qual lote cada um ficaria.

O documento em cartório informa o nome das vencedoras dos lotes 3, 4, 5, 6, 7 e 8. Também acabou por acertar o nome do vencedor do lote 2, o consórcio Galvão/Serveng, cuja proposta acabaria sendo rejeitada em 26 de abril. A seguir, o Metrô decidiu que não só a Galvão/Serveng, mas todas as empresas (17 consórcios) que estavam na concorrência deveriam refazer suas propostas para todos os lotes.

A justificativa do Metrô para a medida, publicada em seu site oficial, informava que a rejeição se devia à necessidade de "reformulação dos preços dentro das condições originais de licitação".

Em maio e junho as empreiteiras prepararam novas propostas para a licitação e as entregaram em julho.

No dia 24 de agosto, a direção do Metrô publicou no "Diário Oficial" um novo edital anunciando o nome das empreiteiras qualificadas a concorrer às obras, tendo discriminado quais poderiam concorrer a quais lotes.

Na quarta-feira passada, dia 20, Goldman assinou, em cerimônia oficial, a continuidade das obras da linha 5. O nome das vencedoras foi divulgado pelo Metrô um dia depois. Eram exatamente os mesmos antecipados pela reportagem.

OBRA DE R$ 4 BI

Os sete lotes da linha 5-Lilás custarão ao Estado, no total, R$ 4,04 bilhões. As linhas 3 e 7 consumirão a maior parte desse valor.

Pelo edital, apenas as chamadas "quatro grandes" -Camargo Corrêa/Andrade Gutierrez e Metropolitano (Odebrecht/ OAS/Queiroz Galvão)- estavam habilitadas a concorrer a esses dois lotes, porque somente elas possuem um equipamento específico e necessário (shield). Esses dois lotes somados consumirão um total de R$ 2,28 bilhões.

____________________________________________________________________


SILÊNCIO DE OURO

De cada dez sábios do tucanato envolvidos na queima de patrimônio da Viúva durante o tucanato, nove ficaram calados diante da satanização da privataria pelo PT. Ingratos, pois alguns deles são hoje pessoas riquíssimas.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Nóis na foto!


Conversei com um colega, professor universitário da uma Universidade Federal do Braziu. Ele fez seu Pós-doutorado na cidade do Porto, Portugal. Disse que em Portugal os estudantes brasileiros são conhecidos por escreverem muito mal.

Globalização das árvores....


Londres pondera vender parte das florestas para combater défice
2010-10-24

foto Arquivo JN

Governo britânico anunciará em breve a venda de floresta
veja AQUI

O Governo do Reino Unido avalia vender parte das florestas do país, actualmente propriedade do Estado, como parte do plano para reduzir a despesa pública e combater o enorme défice.

O plano governamental, que prevê vender, até 2020, aproximadamente metade dos 748 mil hectares de floresta, deverá ser anunciado em breve pela ministra do Ambiente do Reino Unido, Carline Spelman, segundo o jornal "The Sunday Telegraph".

De acordo com o jornal, a decisão é "polémica", uma vez que vai permitir a expansão de resorts turísticos, campos de golfe, parques de diversão e aumentar o abate comercial de árvores em todo o território inglês.

Organizações e movimentos ambientalistas no Reino Unido já exigiram ao governo britânico uma garantia de que os cidadãos vão poder continuar a usufruir das florestas após a sua privatização. Os sindicatos dos sector floresta rejeitam a ideia governamental.

Fontes do Governo de Londres, citados pelo jornal, insistem que, na maioria dos casos, o grande objectivo é colocar as florestas à disposição das comunidades e organizações não governamentais locais para fomentar uma gestão directa.

Globalização das ilhas...



Grécia não quis mas Itália quer: Berlusconi vende ilhas
por Margarida Videira da Costa, AQUI


Croda Rossa, uma parte das montanhas Dolomite no Sul dos Alpes, foi cenário para um filme de James Bond nos anos 80. Está à venda por 3,6 milhões de euros D. R. 1/1 + fotogalería .São mais de 9 mil bens ao dispor de quem possa desembolsar alguns milhões de euros para ter um pedaço de Itália. A ideia partiu do partido separatista italiano Liga Norte e foi recebida com agrado pelo governo de Berlusconi, que se vê a braços com a maior dívida pública da sua história - mais de 1,8 biliões de euros (dados de Janeiro de 2010).

Os pequenos e grandes tesouros nacionais passarão das mãos da Agenzia del Demanio para as autoridades locais e regionais, que a partir daí os porão à venda no mercado internacional. Setenta e cinco por cento do valor arrecadado será utilizado para pagar as dívidas locais e o restante é directamente aplicado na redução do défice nacional. A lista provisória conta com importantes edifícios históricos como o antigo palácio real em Palermo, com mais de 900 anos, ou a Villa Giugla, construída no século XVI, em Roma, cidade onde poderão ser comprados também parte de um mercado e um cinema.

A completar a lista que atinge os 3 mil milhões de euros estão locais e paisagens emblemáticos do país e ilhas ao longo da costa. Na lagoa de Veneza, será posto à venda todo o território da ilha de Sant'Angelo della Polvere de 0,53 hectares e partes de outras ilhas que incluem um campo de golfe na ilha de Albarella, um forte arruinado na ilha de Sant'Erasmo e o Farol de Spignon que controlava a entrada de embarcações na lagoa.

Quem sempre sonhou ser dono de uma ilha deserta, pode optar por adquirir a ilha de Santo Stefano, no mar Tirreno. Se preferir vizinhança, há ainda a possibilidade de comprar uma praia no Lago Como, onde personalidades como Madonna e George Clooney têm casa. A esta venda em grande escala não escapa a região da Sardenha, onde a paradisíaca praia de Caprera também tem preço.

Muitos destes locais são importantes reservas naturais onde, por lei, é impossível construir. Ambientalistas preocupam-se agora com o atropelamento desta lei em nome da valorização dos terrenos. "Quando alguém paga mais de um milhão de euros por uma ilha, quer lá construir uma grande casa", disse Farhad Vladi, agente imobiliário especialista em ilhas privadas ao "The Sunday Times".

A iniciativa do governo italiano parece partir dos rumores que se criaram em torno do caso da Grécia. O governo grego desmentiu imediatamente a notícia dada em Junho pelo "The Guardian" que punha a hipótese de o país vender algumas ilhas como medida de combate à divida soberana.

A possibilidade levantada na imprensa valeram a indignação dos gregos e o porta-voz do governo helénico considerou-as "um insulto". Em causa estava património de natureza protegida, semelhante ao que agora é posto a venda por Berlusconi. Jorge Messias, jornalista grego e colunista do i, chamou a atenção para questões legais que a situação levanta: "O que está protegido por lei, não se vende." Quando isto acontece é importante que se esclareça que o Estado continua soberano, defende o jornalista. "Uma coisa é a propriedade e outra a soberania nacional" e os territórios vendidos são territórios nacionais "com todas as relações jurídicas que isso implica", garante.

Em 2002, o então ministro italiano da Defesa, Antonio Martino, referiu-se ao património cultural e natural como "o petróleo de Itália" por onde poderia passar a resolução da já então grande dívida pública. Mas garantia: "Não se trata de vender o Coliseu ou a Fonte de Trevi, mas de rentabilizar o imenso património imobiliário actualmente improdutivo." Oito anos depois, o governo leva a cabo a maior operação deste género na história de Itália.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Parágrafos inquietantes....


O mentiroso é um homem de ação, ao passo que o que fala a verdade, quer ele diga a verdade fatual ou racional, notoriamente não o é. Se o que fala a verdade fatual quiser desempenhar um papel político e, portanto, persuasivo, o mais das vezes terá que entrar em digressões consideráveis para explicar por que sua verdade particular atende aos melhores interesses do grupo. O mentiroso, ao contrário, não carece de uma acomodação equívoca semelhante para aparecer no palco político; ele tem a grande vantagem de estar sempre, por assim dizer, em meio a ele. Ele é um ator por natureza; ele diz o que não é por desejar que as coisas sejam diferentes daquilo que são – isto é, ele quer transformar o mundo. Ele tira partido da inegável afinidade de nossa capacidade de ação, de transformar a realidade, com a misteriosa faculdade que nos capacita a dizer “O sol brilha” quando chove a cântaros (ARENDT, 1972, p. 309-310).

Cap-tirado daqui


o mentiroso transforma a VERDADE FACTUAL em opinião.

...

A verdade é uma só. Todos vamos morrer um dia. Putz!
Mino Carta: Às favas a verdade factual
Nunca na história eleitoral brasileira a mídia nativa mostrou tamanho pendor para a ficção.

Por Mino Carta*
Há quatro meses CartaCapital publicou a verdade factual a respeito do caso da quebra do sigilo fiscal de personalidades tucanas. Está claro que a chamada grande imprensa não quer a verdade factual, prefere a ficcional, sem contar que em hipótese alguma repercutiria informações veiculadas por esta publicação. Nem mesmo se revelássemos, e provássemos, que o papa saiu com Gisele Bündchen.

Furtei a expressão verdade factual de um ensaio de Hannah Arendt, lido nos tempos da censura brava na Veja que eu dirigia. Ela é o que não se discute. Diferencia-se, portanto, das verdades carregadas aos magotes por cada qual. Correspondem às visões que temos da vida e do mundo, às convicções e às crenças. Às vezes, às esperanças, às emoções, ao bom e ao mau humor.

Por exemplo: eu me chamo Mino e neste momento batuco na minha Olivetti. Esta é a verdade factual. Quatro meses depois da reportagem de CartaCapital sobre o célebre caso, a Polícia Federal desvenda o fruto das suas investigações. Coincide com as nossas informações. O sigilo não foi quebrado pela turma da Dilma, e sim por um repórter de O Estado de Minas, acionado porque o deputado Marcelo Itagiba estaria levantando informações contra Aécio Neves.

Nesta edição, voltamos a expor, com maiores detalhes, a verdade factual. E a mídia nativa? Desfralda impavidamente a verdade ficcional. Conta aquilo que gostaria que fosse e não é. Descreve, entre o ridículo e o delírio, uma realidade inexistente, porque nela Dilma leva a pior, como se a própria candidata petista fosse personagem de ficção. Estamos diante de um faz de conta romanesco, capaz talvez de enganar prezados leitores bem-postos na vida, tomados por medos grotescos e frequentemente movidos a ódio de classe.

Ao sabor do entrecho literário, pretende-se a todo custo que o repórter Amaury Ribeiro Jr. tenha trabalhado a mando de Dilma. Desde a quarta 20, a Folha de S.Paulo partiu para a denúncia com uma manchete de primeira página digna do anúncio da guerra atômica. Ao longo do dia, via UOL, teve de retocá-la até engatar a marcha à ré.

Deu-se que a Polícia Federal entrasse em cena para confirmar com absoluta precisão os dados do inquérito e para excluir a ligação entre o repórter e a campanha petista.

O recorde em matéria de brutal entrega à veia ficcional cabe, de todo modo, à manchete de primeira página de O Globo de quinta 21, obra-prima de fantasia ou de hipocrisia, de imaginação desvairada ou de desfaçatez. Não custa muito esforço constatar que o jornal da família Marinho acusa a PF de trabalhar a favor de Dilma, com o pronto, inescapável endosso do Estadão. Texto da primeira página soletra que, segundo “investigação da PF, partiu da campanha de Dilma Rousseff a iniciativa de contratar o jornalista”. Aqui a acusação se agrava: de acordo com o jornalão, o diretor da PF, Luiz Fernando Corrêa, a quem coube apresentar à mídia os resultados do inquérito, é mentiroso.

Seria este jornalismo? Não hesito em afirmar que nunca, na história das eleições brasileiras pós-guerra, a mídia nativa permitiu-se trair a verdade factual de forma tão clamorosa. Tão tragicômica. Com destaque, na área da comicidade, para a bolinha de papel que atingiu a calva de José Serra.

A fidelidade canina à verdade factual é, a meu ver, o primeiro requisito da prática do jornalismo honesto. Escrevia Hannah Arendt: “Não há esperança de sobrevivência humana sem homens dispostos a dizer o que acontece, e que acontece porque é”. Este final, “porque é”, há de ser entendido como o registro indelével, gravado para sempre na teia misteriosa do tempo. A verdade factual é.

Dulcis in fundo: na festa da premiação das Empresas Mais Admiradas no Brasil, noite de segunda 18, o presidente Lula contou os dias que o separam da hora de abandonar o cargo e deixou a plateia de prontidão para as palavras e o tom do seu tempo livre pós-Presidência. Não mais “comedido”, como convém ao primeiro mandatário. E palavras e tom vai usá-los em CartaCapital. Apresento o novo, futuro colunista: Luiz Inácio Lula da Silva.

Por enquanto, ao presidente e à sua candidata não faltou na festa o apoio de dois qualificadíssimos representantes do empresariado. Roberto Setubal falou em nome dos seus pares. Abilio Diniz, de certa forma a representar também os consumidores, em levas crescentes na qualidade de novos incluídos.

A mídia nativa não deu eco, obviamente, a estes pronunciamentos muito significativos.

*Mino Carta é diretor de redação da revista Carta Capital
*********************************************************
COMENTÁRIO: a despeito de minha crítica aos dois candidatos, concordo: A briga entre Aécio e Serra é.

Uia, até isso!


A insaciável criatividade dos privatizadores compulsivos


Do Blog Água Lisa, Portugal,
AQUI

Se esta malta não malucou de todo com a crise, anda disso muito perto:

O Governo do Reino Unido avalia vender parte das florestas do país, actualmente propriedade do Estado, como parte do plano para reduzir a despesa pública e combater o enorme défice.

Frase inquietante


"A covardia é a mãe da crueldade." (Michel de Montaigne)

...

Cap-tirado DAQUI
Critérios Diagnósticos para Transtorno da Personalidade Histriônica

Um padrão invasivo de excessiva emocionalidade e busca de atenção, que começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos, como indicado por cinco (ou mais) dos seguintes critérios:
(1) sente desconforto em situações nas quais não é o centro das atenções
(2) a interação com os outros freqüentemente se caracteriza por um comportamento inadequado, sexualmente provocante ou sedutor
(3) exibe mudança rápida e superficialidade na expressão das emoções
(4) usa consistentemente a aparência física para chamar a atenção sobre si próprio
(5) tem um estilo de discurso excessivamente impressionista e carente de detalhes
(6) exibe autodramatização, teatralidade e expressão emocional exagerada
(7) é sugestionável, ou seja, é facilmente influenciado pelos outros ou pelas circunstâncias
(8) considera os relacionamentos mais íntimos do que realmente são.


Manipulando...


Personalidade manipuladora

Observa atentamente os outros, com o intuito de detectar as suas fraquezas e fragilidades, de forma a utilizá-las em seu próprio benefício, é característica essencial de um verdadeiro manipulador.

Aqueles que têm este tipo de personalidade, usam sistematicamente a desvalorização e a crítica, mais ou menos dissimuladamente, segundo as circunstâncias; não têm qualquer respeito nem cuidado com os sentimentos alheios e têm como única preocupação reverter todo o tipo de benefício a seu favor.

Calculista, frio, velhaco, dissimulado, cruel, sem sentimentos genuínos de verdadeiro afecto, eis o retrato do manipulador.

Esta forma de actuar, velha como o mundo, mas cada vez melhor identificada pelos especialistas de psicologia comportamental, tem origem num imenso desejo de obter poder sobre os outros, como forma de compensar abandonos de toda a ordem, sobretudo psicológica, que dão origem a falhas narcísicas graves.

Por irónico que pareça, os manipuladores escondem uma enorme fraqueza e vulnerabilidade. Nem sempre consciente e inteligente, a maioria dos manipuladores não tem a menor ideia do desgaste e do sofrimento que causam nos outros.

Há, no entanto, uma minoria de manipuladores que, esses sim, sabem bem o que estão a fazer, limitados na inteligêcia têm prazer em manobrar e fazer sofrer as suas vítimas. Dependuram-se sempe em alguém para obter apoio para usar o mal em nome do bem sem consciência do que faz.
Confundindo os seus interesses com a própria justiça. Tudo o que não os envolve é injusto.

São pessoas com medos que os fazem avaliar a suas presas ao longe tirando ilações erradas, desconhecendo-as completamente.

"E nem sempre é fácil fazer-lhes frente, sabendo nós das suas múltiplas fraquezas."

Vivem centrados na propria pessoa num ninho de conflitos sociais, convencidos do contrário.

publicado por afernande AQUI

Num sei...

Arte: do Acir Vidal
Você confia em políticos ?

Gostaria de propor ao leitor uma reflexão. Você confia em políticos? Cite 10 políticos brasileiros em que você confie plenamente, que seria capaz de deixar cuidar da sua carteira, administrar seus bens ou gerenciar a sua empresa, com plenos poderes? Pense em 2 com atuação em Maringá; 3 no Estado do Paraná e 5 no âmbito federal, ou governadores, Senadores, Deputados Federais de outros Estados. Políticos que você possa dizer que são honestos, éticos, competentes, sobre os quais não pese nenhuma denuncia de corrupção ou atuação suspeita.

Akino Maringá, colaborador do Blog do RIGON

************************************************************

COMENTÁRIO:


Sorry, Akino. Não sei. Zero para mim. Hoje, se vc me perguntar igualmente, de dirigentes de instituicões escolares, também não saberia dizer.

domingo, 24 de outubro de 2010


Quem é que vai por aí
aflito, místico, nu?
Como é que eu tiro energia
da carne de boi que como?

O que é um homem, enfim?
O que é que eu sou?
O que é que vocês são?

Tudo o que eu digo que é meu,
vocês podem dizer que é de vocês:
de outro modo, escutar-me
seria perder tempo.

Não ando pelo mundo a lastimar
o que o mundo lastima em demasia:
que os meses sejam de vácuo
e o chão seja de lama
e podridão.

A gemer e acovardar-se,
cheio de pós para inválidos,
o conformismo pode ficar bem
para os de quarta categoria;
eu ponho o meu chapéu como bem quero,
dentro ou fora de portas.

Por que iria eu rezar?
Por que haveria eu de me curvar
e fazer rapapés?

Tendo até os estratos perquirido,
analisado até um fio de cabelo,
consultado doutores
e feito os cálculos apropriados,
eu não encontro gordura mais doce
do que a inserida em meus próprios ossos.

Walt Witman (trecho do canto a mim mesmo)

Almas nas ruas....

Stand by me, nas ruas do planeta, cantada pelos pobres, sem teto, sem grana... com alma.

Here comes the sun

No meio desse esgoto, há flores: Ouça Nina Simone!

Ao povo, rivotril!


Não sei de quem é a foto. É de 2009 ou 2010. Mostra uma face do Braziu. Beijos, afagos, com direito a facada nas costas. Esse esgoto não é prerrogativa dos políticos. Ele ocorre nas escolas, universidades, câmaras de vereadores e nas famílias, boas e más. UI, quero meu rivotril!

...

Paula Rego, da série aborto.

O Braziu visto por uma professora em fim de carreira (não em cima do muro; quase debaixo da cova)

Imagem: Millôr

Da baixaria moral à baixaria física. Dilma faz tudo para perder, não consegue, o adversário é Serra. Mas podiam defender projetos e idéias. Como, se não têm nenhuma?
Helio Fernandes


Felizmente falta apenas uma semana de campanha, a baixaria não pode ser mais retumbante. Infelizmente, depois de atingir a maior profundidade, moral e eleitoral, partiram para a baixaria física. Lamentável. Vergonhoso. Irresponsável. Repercussão internacional.

A violência jamais ocorre por acaso, sempre é planejada, coordenada e executada. Esse pessoal do PT não consegue compreender duas coisas: 1 – Vão ganhar por falta de adversários, Serra jamais será presidente. 2 – “A violência gera violência, só o amor constrói para a eternidade”.

Se a vantagem de Dilma não fosse irrevogável e indiscutível, atos como esse, de baixaria física, poderiam provocar represálias e interferência no resultado do dia 31.

O próprio Serra apresentou cálculos na televisão, que demonstram a impossibilidade (confessada) de alcançar Dona Dilma. Números mostrados por Serra de papel na mão, portanto confirmados e avaliados por ele mesmo.

Textual de Serra:
“No primeiro turno, eu tive 33 milhões de votos, a Marina 20 milhões, total de 53 milhões. Portanto, sobraram 47 milhões para a Dilma, o que prova que o povo brasileiro não queria elegê-la”.

Quanta besteira, Manuel Bandeira. Serra deve ter faltado às aulas de aritmética, que alguns tolos, ou que têm apenas a cultura do Google ou da Wikipédia, chamam de matemática. (Matemática é o todo, aritmética é a parte, que trata apenas dos números).

Se o ex-governador diz publicamente que o povo não quis eleger Dilma, que teve APENAS 47 milhões de votos, como contabilizar a reação do povo em relação ao próprio Serra? Se teve APENAS 33 milhões, como fez o discurso de AGRADECIMENTO, no próprio domingo dia 3, quando se autoglorificou?

Conclusão a respeito dos números exibidos pelo ex-governador. Teve 33 milhões, Dilma 47, qualquer um confirmará que a diferença entre eles é de 14 milhões. Como diminuir essa diferença no dia 31, data irreversível e improrrogável?

Se os eleitores mantiverem as votações do primeiro turno, a diferença continuará nos mesmos 14 milhões. Serra então, partindo dessa confirmação, como poderá alimentar a esperança de vitória?

Lógico, avançando nos 20 milhões que por acaso, descuido, desagrado, desapreço, desesperança ou desengano, foram parar no nome da candidata verde. Não existe outra opção, hipótese ou possibilidade.

Ora, Serra só chegou aos 33 milhões de votos, porque Dona Dilma é frágil, sem carisma, sem competência, não sabe de coisa alguma. Assim, com o mesmo tipo de campanha inútil, inócuo e inoperante, como Serra passará de 33 milhões para 50 milhões.

Até ele tem certeza que precisará ser o “herdeiro” desses 17 milhões que votaram em Marina no primeiro turno. E se não escolheram ele no primeiro turno, porque escolheriam no segundo?

Desculpem: se o ex-governador Serra obtiver 17 milhões dos que votaram em Marina, e se o total desses votantes chegou a 20 milhões, ficarão vagando por aí, 3 milhões. Serra terá que obter mais 1 milhão e meio, deixando para Dilma outro 1 milhão e meio. Teremos um final “eletrizante”, como gostam de dizer os comentaristas esportivos.

Mas com essa repetência e rendundância da mediocridade, como Serra convencerá o povo, de que é o melhor? Qualquer um é melhor do que Dona Dilma. Não por ela, mas por ser tida, havida e reconhecida como “candidata-poste” de um homem que tem credenciais nesse tipo de “fincar poste”, de 1989 a 2002.

E Serra, o que tem mostrado ou o que reservou para mostrar nesses últimos dias de campanha? Perdeu em 2002 com o próprio partido querendo retirar sua candidatura, o que mostrará ao cidadão-contribuinte-eleitor? Só MENTIRAS, mas nisso, não ganha de Dona Dilma. Ela MENTE tanto quando ele e há mais tempo.

Além de se “refugiar” (como a própria Dilma) no “Triângulo das Bermudas”, (Educação, Saúde e Segurança), sua contribuição “social” se fixa também em três itens: 1 – Manter e melhorar a Bolsa-Família, que sempre criticou. 2 – Aumentar o salário mínimo para 600 reais. 3 – 13º salário para os “bolsistas” e mais 10 por cento para os aposentados. (oinc)

Ora, Serra foi candidato a presidente em 2002 e não se lembrou de nada disso? Nem pode dizer que a situação do país e dos trabalhadores era melhor, não era mesmo.

Na campanha do ex-governador é visível o descontentamento com a volta de “FHC a reboque”. E o ex-presidente aparece também num constrangimento comprometedor, fica sempre “lá atrás”, quase “não sai na foto”.
***
PS – O descontentamento no PSDB é enorme, os “grandes” do partido foram devastados por Lula. Entre esses, o ainda presidente, derrotadíssimo, e os últimos que dirigiram o PSDB.

PS2 – Nenhuma satisfação em proclamar a vitória de Dona Dilma. Que não ganhará com o meu voto, NULO no segundo turno, como aconteceu no primeiro.

PS3 – Sempre concluí, desde 2002, que Serra jamais seria presidente. Mas confesso que não imaginava que esse título fosse para Dona Erenice, perdão, Dona Erenice era apenas o braço direito.

******************************************************************************

COMENTÁRIO:


Muito interessante este texto do Hélio Fernandes. Falou tudo do Zé Serra e cia. Os três componentes sociais do Serra são dignos de piada. Repete o PT. Qual é mesmo o programa dos tucanos?

Em Portugal


Por Boaventura Sousa Santos AQUI

A 'ditamole'
Portugal transformou-se numa pequena ilha de luxo para especuladores internacionais
. Fazem outro sentido os atuais juros da dívida soberana num país do euro e membro da UE?

Se nada fizermos para corrigir o curso das coisas, dentro de alguns anos se dirá que a sociedade portuguesa viveu, entre o final do século XX e começo do século XXI, um luminoso mas breve interregno democrático. Durou menos de 40 anos, entre 1974 e 2010. Nos 48 anos que precederam a revolução de 25 de abril de 1974, viveu sob uma ditadura civil nacionalista, personalizada na figura de Oliveira Salazar. A partir de 2010, entrou num outro período de ditadura civil, desta vez internacionalista e despersonalizada, conduzida por uma entidade abstrata chamada "mercados".

As duas ditaduras começaram por razões financeiras e depois criaram as suas próprias razões para se manterem. Ambas conduziram ao empobrecimento do povo português, que deixaram na cauda dos povos europeus. Mas enquanto a primeira eliminou o jogo democrático, destruiu as liberdades e instaurou um regime de fascismo político, a segunda manteve o jogo democrático mas reduziu ao mínimo as opções ideológicas, manteve as liberdades mas destruiu as possibilidades de serem efetivamente exercidas e instaurou um regime de democracia política combinado com fascismo social. Por esta razão, a segunda ditadura pode ser designada como "ditamole".

Os sinais mais preocupantes da atual conjuntura são os seguintes. Primeiro, está a aumentar a desigualdade social numa sociedade que é já a mais desigual da Europa. Entre 2006 e 2009 aumentou em 38,5% o número de trabalhadores por conta de outrem abrangidos pelo salário mínimo (450 euros): são agora 804 mil, isto é, cerca de 15% da população ativa; em 2008, um pequeno grupo de cidadãos ricos (4051 agregados fiscais) tinham um rendimento semelhante ao de um vastíssimo número de cidadãos pobres (634 836 agregados fiscais). Se é verdade que as democracias europeias valem o que valem as suas classes médias, a democracia portuguesa pode estar a cometer o suicídio.

Segundo, o Estado social, que permite corrigir em parte os efeitos sociais da desigualdade, é em Portugal muito débil e mesmo assim está sob ataque cerrado. A opinião pública portuguesa está a ser intoxicada por comentaristas políticos e económicos conservadores - dominam os media como em nenhum outro país europeu - para quem o Estado social se reduz a impostos: os seus filhos são educados em colégios privados, têm bons seguros de saúde, sentir-se-iam em perigo de vida se tivessem que recorrer "à choldra dos hospitais públicos", não usam transportes públicos, auferem chorudos salários ou acumulam chorudas pensões. O Estado social deve ser abatido. Com um sadismo revoltante e um monolitismo ensurdecedor, vão insultando os portugueses empobrecidos com as ladainhas liberais de que vivem acima das suas posses e que a festa acabou. Como se aspirar a uma vida digna e decente e comer três refeições mediterrânicas por dia fosse um luxo repreensível.

Terceiro, Portugal transformou-se numa pequena ilha de luxo para especuladores internacionais. Fazem outro sentido os atuais juros da dívida soberana num país do euro e membro da UE? Onde está o princípio da coesão do projeto europeu? Para gáudio dos trauliteiros da desgraça nacional, o FMI já está cá dentro e em breve, aquando do PEC 4 ou 5, anunciará o que os governantes não querem anunciar: que este projeto europeu acabou.

Inverter este curso é difícil mas possível. Muito terá de ser feito a nível europeu e a médio prazo. A curto prazo, os cidadãos terão de dizer basta! Ao fascismo difuso instalado nas suas vidas, reaprendendo a defender a democracia e a solidariedade tanto nas ruas como nos parlamentos. A greve geral será tanto mais eficaz quanto mais gente vier para a rua manifestar o seu protesto. O crescimento ambientalmente sustentável, a promoção do emprego, o investimento público, a justiça fiscal, a defesa do Estado social terão de voltar ao vocabulário político através de entendimentos eficazes entre o Bloco de Esquerda, o PCP e os socialistas que apoiam convictamente o projeto alternativo de Manuel Alegre

sábado, 23 de outubro de 2010

Poiné!


Ai!


Quando somos pobres ...


Nesses dias em que o debate sobre o ABORTO pululou na mídia das gônadas masculinas, vejo este texto. Faz parte do debate. Do debate e não do esgoto de notícias que engulimos. VER AQUI


Direitos Sexuais e Reprodutivos em Destaque
"Violência sexual e direitos humanos: relato de um caso"
Alessandra Foelkel , Beatriz Galli e Jefferson Drezett (2005)

Através de contato realizado por uma médica, IPAS Brasil tomou conhecimento de um caso de violência sexual e falta de acesso à interrupção de gravidez indesejada de uma adolescente de 16 anos de idade, em uma cidade no Sul do país. Em janeiro de 2005, a equipe de IPAS realizou uma visita ao local e entrevistou as pessoas envolvidas com o objetivo de prestar assessoria em saúde e direitos sexuais e reprodutivos à família e aos profissionais de saúde envolvidos. A seguir, passamos a relatar os fatos que foram narrados nas entrevistas.
Relato do Caso
Gabriela* engravidou aos 16 anos após sofrer abuso sexual praticado pelo padrasto, com quem convivia desde um ano de idade. Quando D. Marta*, mãe de Gabriela, descobriu que a filha estava grávida (a gestação já transcorrera 3 meses e meio) achou que o pai era algum namorado. Ao pressionar Gabriela para que revelasse o nome do rapaz espantou-se diante da revelação: a filha sofrera abuso sexual por parte do padrasto.
A adolescente foi levada ao serviço de saúde, onde repetiu a história, desta vez à médica. Mãe e filha foram informadas sobre o direito de interrupção da gravidez - previsto em lei - e decidem pelo procedimento, sendo orientadas pelo serviço de saúde de que deveriam obter autorização judicial para realizar o abortamento previsto em Lei. O serviço de saúde que atende vítimas de violência sexual auxiliou na obtenção da documentação necessária para o encaminhamento do pedido ao Fórum.
"Achamos que seria fácil, doutora, fomos até o Fórum, achando que estaria tudo resolvido, pois tínhamos a minha autorização. Porque para nós deu tudo errado e para outras pessoas dá certo? A lei não funciona para a gente?". A médica, sem jeito, responde: "Cada Juiz é um Juiz: depende de quem esta julgando". Quando D. Marta e Gabriela chegam ao Fórum, o magistrado que normalmente autorizava a interrupção da gravidez em casos de violência estava de férias. Não sabendo como proceder, o pessoal deixou mãe e filha esperando por outro juiz, por várias horas, transferindo-as para vários departamentos, onde ninguém teria demonstrado interesse em ajudar. Quando, finalmente, foram atendidas, a Juíza declarou que não poderia fornecer a autorização, pois não havia provas de que Gabriela sofrera abuso sexual.
Diante da negativa, Gabriela e sua mãe voltaram ao serviço de saúde, sendo informadas de que poderiam recorrer da decisão. O caso então passou para outra Juíza, que decidiu falar em particular com a adolescente sobre o bebê e seu direito à vida. A conversa ocorreu também com Dona Marta e as duas médicas que atenderam o caso no serviço de saúde. Os diálogos deixaram a gestante confusa e a Juíza negou novamente o pedido, alegando que não estava certa do que a jovem realmente queria.

No total, foram 15 dias de idas e voltas ao Fórum. A casa de D. Marta está localizada longe da cidade, sendo necessário tomar dois ônibus e fazer uma caminhada por um pequeno trecho para chegar ao Fórum. No Fórum, em geral, D. Marta e Gabriela tinham que aguardar por várias horas para serem atendidas e relataram que foram humilhadas no local, através de comentários inconvenientes ou mesmo maldosos. A médica que aconselhou Gabriela a buscar seus direitos sofreu represálias na cidade. Dona Marta desabafa: “É só porque a gente é pobre, se fôssemos ricos teríamos procurado uma clínica clandestina e já estava tudo resolvido.”

Gabriela é hoje mãe de Rafael*, de apenas 4 meses de idade. Recentemente, o Fórum enviou uma assistente social à casa de Dona Marta, com perguntas para saber se Dona Marta e suas outras duas filhas tinham condições de sustentar a criança. A assistente social aconselhou, então, que o bebê fosse disponibilizado para adoção, em virtude do grau de parentesco da criança com a avó (neto e filho de seu ex-marido). “Não entendo, primeiro falam que não se pode abortar por que não há provas e, depois, dizem que é neto e querem tirar a criança da gente. Era só o que me faltava”, protesta Dona Marta. “Rafael é filho de Gabriela e ponto final nessa história. Nasceu e agora pertence a essa família.”

Perguntamos se o ex-marido foi preso. Dona Marta me olha, sem esconder o triste sorriso:
“Ele está por aí: mora com a mãe dele em uma rua próxima daqui e, na hora de registrar o Rafael, ele foi colocado como pai do menino. Vai entender a lei”.


Comentários
Este caso é ilustrativo de várias violações aos direitos humanos à auto-determinação sexual e reprodutiva da adolescente. Gabriela, que foi vítima de abuso sexual por parte de seu padrasto teria direito à interrupção da gravidez indesejada, conforme estabelece o Artigo 128, inciso II, do Código Penal. Além disso, a Norma Técnica para Prevenção e Tratamento dos Agravos Resultantes da Violência Sexual contra Mulheres e Adolescentes, publicada pelo Ministério da Saúde, e reeditada em 2005 , orienta com clareza gestores e profissionais de saúde quanto aos procedimentos a serem adotados para garantir o acesso à interrupção da gestação prevista em lei. O Ministério da Saúde orienta a atenção para os profissionais de saúde e regulamenta, através da Norma Técnica mencionada, o acesso de mulheres e adolescentes ao aborto legal em caso de violência sexual.

Nos casos de maus tratos contra crianças e adolescentes, nos quais se incluem os casos de abuso sexual e violência, o Estatuto da Criança e do Adolescente estabelece a obrigatoriedade do profissional de saúde comunicar o caso (suspeito ou confirmado) às autoridades competentes: o Conselho Tutelar e a Vara da Infância e da Juventude, conforme expresso nos artigos 13 e 245 . Cabem também ao Conselho Tutelar as seguintes providências: o apoio na investigação, os encaminhamentos legais para outros órgãos públicos, quando necessário; a garantia dos direitos; a documentação dos casos; o afastamento da criança do agressor, quando indicado, conforme o Artigo 136 do Estatuto da Criança e do Adolescente.

O juiz deve decidir com base na vontade da adolescente, que deve ser vista como sujeito de direitos com autonomia para decidir sobre questões reprodutivas, e conforme a doutrina da proteção integral. A palavra de Gabriela deveria ter sido considerada suficiente para a Juíza, tendo em vista a dificuldade de comprovar o abuso sexual por parte do padrasto, que poderia estar ocorrendo por anos seguidos, desde a sua infância.

Algo importante a ser comentado sobre esse caso é a atitude equivocada do serviço de saúde de exigir autorização judicial para realizar a interrupção da gestão, uma vez que a lei autoriza para os casos de violência sexual. Tal exigência retardou o acesso da adolescente ao procedimento de interrupção, acarretando riscos para a sua saúde e sofrimento psicológico desnecessários.

A família de Gabriela também poderia ter entrado com uma ação de indenização contra o Estado por danos morais e materiais, por ter sido negado o acesso ao abortamento legal e por ter sofrido várias violações de direitos humanos, tais como: direito à saúde, direito à liberdade e segurança, direito a não ser submetida a tratamento desumano além da falta de respeito à sua dignidade, como pessoa em processo de desenvolvimento (artigos 15 e 17 do Estatuto da Criança e do Adolescente).


* Os nomes são ficitícios a fim de preservar a identidade das pessoas diretamente envolvidas no caso

Desinquieta....

Imagem: Kafka by Kafka
“O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e esfria,
aperta e daí afrouxa,
sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem.”

Guimarães Rosa

(cap-tirado do Blog da Denise Arcoverde)

***************************

Mas, será que a gente pode, de vez em quando, descansar?

...


E tudo começou com o Akino…
22 outubro 2010


Em Americana (SP), o Ministério Público investiga a aquisição de DVDs pela prefeitura local, por mais de R$ 400 mil. Saiu no EPTV, que cita o caso de Maringá, onde o processo foi revogado, depois de denúncia feita neste espaço por Akino Maringá, que flagrou a esperteza da administração municipal.

Do Blog do Rigon, na Má-ringa, no Braziu.


Detalhe: o preço de cada DVD: R$61,00. É mole?

Oinc!

Imagem: arte do Solda, creio.
Por Leandro Fortes.

Não que eu ache os petistas uns anjos, mas não me engano com os tucanos.

Recebi e repasso.

*******************************************************
A mídia rebola para esconder o fato: a quebra do sigilo da turma de Serra é fruto de uma guerra tucana


Apesar do esforço em atribuir a culpa à campanha de Dilma Rousseff, o escândalo da quebra dos sigilos fiscais de políticos do PSDB e de parentes do candidato José Serra que dominou boa parte do debate no primeiro turno teve mesmo a origem relatada por CartaCapital em junho: uma disputa fratricida no tucanato.
Obrigada a abrir os resultados do inquérito após uma reportagem da Folha de S.Paulo com conclusões distorcidas, a Polícia Federal revelou ter sido o jornalista Amaury Ribeiro Júnior, então a serviço do jornal O Estado de Minas, que encomendou a despachantes de São Paulo a quebra dos sigilos. O serviço ilegal foi pago. E há, como se verá adiante, divergências nos valores desembolsados (o pagamento¬ ¬teria ¬variado, segundo as inúmeras versões, de 8 mil a 13 mil reais).
Ribeiro Júnior prestou três depoimentos à PF. No primeiro, afirmou que todos os documentos em seu poder haviam sido obtidos de forma legal, em processos públicos. Confrontado com as apurações policiais, que indicavam o contrário, foi obrigado nos demais a revelar a verdade. Segundo contou o próprio repórter, a encomenda aos despachantes fazia parte de uma investigação jornalística iniciada a pedido do então governador de Minas Gerais, Aécio Neves, que buscava uma forma de neutralizar a arapongagem contra ele conduzida pelo deputado federal e ex-delegado Marcelo Itagiba, do PSDB. Itagiba, diz Ribeiro Júnior, agiria a mando de Serra. À época, Aécio disputava com o colega paulista a indicação como candidato à Presidência pelo partido.
Ribeiro Júnior disse à PF ter sido escalado para o serviço diretamente pelo diretor de redação do jornal mineiro, Josemar Gimenez, próximo à irmã de Aécio, Andréa Neves. A apuração, que visava levantar escândalos a envolver Serra e seus aliados durante o processo de privatização do governo Fernando Henrique Cardoso, foi apelidada de Operação Caribe. O nome sugestivo teria a ver com supostas remessas ilegais a paraísos fiscais.
Acuado por uma investigação tocada por Itagiba, chefe da arapongagem de Serra desde os tempos do Ministério da Saúde, Aécio temia ter a reputação assassinada nos moldes do sucedido com Roseana Sarney, atual governadora do Maranhão, em 2002. Naquele período, a dupla Itagiba-Serra articulou com a Polícia Federal a Operação Lunus, em São Luís (MA), que flagrou uma montanha de dinheiro sujo na empresa de Jorge Murad, marido de Roseana, então no PFL. Líder nas pesquisas, Roseana acabou fora do páreo após a imagem do dinheiro ter sido exibida diuturnamente nos telejornais. Serra acabou ungido a candidato da aliança à Presidência, mas foi derrotado por Lula. A família Sarney jamais perdoou o tucano pelo golpe.
Influente nos dois mandatos do irmão, Andréa Neves foi, por sete anos, presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas) de Minas Gerais, cargo tradicional das primeiras-damas mineiras, ocupado por ela por conta da solteirice de Aécio. Mas nunca foi sopa quente ou agasalho para os pobres a vocação de Andréa. Desde os primeiros dias do primeiro mandato do irmão, ela foi escalada para intermediar as conversas entre o Palácio da Liberdade e a mídia local. Virou coordenadora do Grupo Técnico de Comunicação do governo, formalmente criado para estabelecer as diretrizes e a execução das políticas de prestação de contas à população. Suas relações com Gimenez se estreitaram.
Convenientemente apontado agora como “jornalista ligado ao PT”, Ribeiro Júnior sempre foi um franco-atirador da imprensa brasileira. E reconhecido.¬ Aos 47 anos, ganhou três prêmios Esso e quatro vezes o Prêmio Vladimir Herzog, duas das mais prestigiadas premiações do jornalismo nativo. O repórter integra ainda o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos e é um dos fundadores da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). Entre outros veículos, trabalhou no Jornal do Brasil, O Globo e IstoÉ. Sempre se destacou como um farejador de notícia, sem vínculo com políticos e partidos. Também é reconhecido pela coragem pessoal. Nunca, portanto, se enquadrou no figurino de militante.
Em 19 de setembro de 2007, por exemplo, Ribeiro Júnior estava em um bar de Cidade Ocidental, em Goiás, no violento entorno do Distrito Federal, para onde havia ido a fim de fazer uma série de reportagens sobre a guerra dos traficantes locais. Enquanto tomava uma bebida, foi abordado por um garoto de boné, bermuda, casaco azul e chinelo com uma arma em punho. O jornalista pulou em cima do rapaz e, atracado ao agressor, levou um tiro na barriga. Levado consciente ao hospital, conseguiu se recuperar e, em dois meses, estava novamente a postos para trabalhar no Correio Braziliense, do mesmo grupo controlador do Estado de Minas, os Diários Associados. Gimenez acumula a direção de redação dos dois jornais.
Depois de baleado, Ribeiro Júnior, contratado pelos Diários Associados desde 2006, foi transferido para Belo Horizonte, no início de 2008, para sua própria segurança. A partir de então, passou a ficar livre para tocar a principal pauta de interesse de Gimenez: o dossiê de contrainformação encomendado para proteger Aécio do assédio da turma de Serra. O jornalista tinha viagens e despesas pagas pelo jornal mineiro e um lugar cativo na redação do Correio em Brasília, inclusive com um telefone particular. Aos colegas que perguntavam de suas rápidas incursões na capital federal, respondia, brincalhão: “Vim ferrar com o Serra”.
Na quarta-feira 20, por ordem do ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, a cúpula da PF foi obrigada a se movimentar para colocar nos eixos a história da quebra de sigilos. A intenção inicial era só divulgar os resultados após o término das eleições. O objetivo era evitar que as conclusões fossem interpretadas pelos tucanos como uma forma de tentar ajudar a campanha de Dilma Rousseff. Mas a reportagem da Folha, enviezada, obrigou o governo a mudar seus planos. E precipitou uma série de versões e um disse não disse, que acabou por atingir o tucanato de modo irremediável.
Em entrevista coletiva na quarta-feira 20, o diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, e o delegado Alessandro Moretti, da Divisão de Inteligência Policial (DIP), anunciaram não existir relação entre a quebra de sigilo em unidades paulistas da Receita Federal e a campanha presidencial de 2010. De acordo com Moretti, assim como constou de nota distribuída aos jornalistas, as provas colhidas revelaram que Ribeiro Júnior começou a fazer levantamento de informações de empresas e pessoas físicas ligadas a tucanos desde o fim de 2008, por conta do trabalho no Estado de Minas. A informação não convenceu boa parte da mídia, que tem arrumado maneiras às vezes muito criativas de manter aceso o suposto elo entre a quebra de sigilo e a campanha petista.
Em 120 dias de investigação, disse o delegado Moretti, foram ouvidas 37 testemunhas em mais de 50 depoimentos, que resultaram nos indiciamentos dos despachantes Dirceu Rodrigues Garcia e Antonio Carlos Atella, além do office-boy Ademir Cabral, da funcionária do Serpro cedida à Receita Federal Adeildda dos Santos, e Fernando Araújo Lopes, suspeito de pagar à servidora pela obtenção das declarações de Imposto de Renda. Ribeiro Júnior, embora tenha confessado à PF ter encomendado os do-cumentos, ainda não foi indiciado. Seus advogados acreditam, porém, que ele não escapará. Um novo depoimento do jornalista à polícia já foi agendado.
De acordo com a investigação, a filha e o genro do candidato do PSDB, Verônica Serra e Alexandre Bourgeois, tiveram os sigilos quebrados na delegacia da Receita de Santo André, no ABC Paulista. Outras cinco pessoas, das quais quatro ligadas ao PSDB, tiveram o sigilo violado em 8 de outubro de 2009, numa unidade da Receita em Mauá, também na Grande São Paulo. Entre elas aparecem o ex-ministro das Comunicações do governo Fernando Henrique Cardoso, o economista Luiz Carlos Mendonça de Barros, e Gregório Preciado, ex-sócio de Serra. O mesmo ocorreu em relação a Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-diretor do Banco do Brasil e tesoureiro de campanhas de Serra e FHC.
Segundo dados da PF, todas as quebras de sigilo ocorreram entre setembro e outubro de 2009. As informações foram utilizadas para a confecção de relatórios, e todas as despesas da ação do jornalista, segundo o próprio, foram custeadas pelo jornal mineiro. Mas o repórter informou aos policiais ter disposto de 12 mil reais, em dinheiro, para pagar pelos documentos – 8,4 mil reais, segundo Dirceu Garcia – e outras despesas de viagem e hospedagem. Garcia revelou ao Jornal Nacional, da TV Globo, na mesma quarta 20, ter recebido 5 mil reais de Ribeiro Júnior, entre 9 e 19 de setembro passado, como “auxílio”. A PF acredita que o “auxílio” é, na verdade, uma espécie de suborno para o despachante não confessar a quebra ilegal dos sigilos.
A nota da PF sobre a violação fez questão de frisar que “não foi comprovada sua utilização em campanha política”, base de toda a movimentação da mídia em torno de Ribeiro Júnior desde que, em abril, ele apareceu na revista Veja como integrante do tal “grupo de inteligência” da pré-campanha de Dilma Rousseff. Embora seja a tese de interesse da campanha tucana e, por extensão, dos veículos de comunicação engajados na candidatura de Serra, a ligação do jornalista com o PT não chegou a se consumar e é um desdobramento originado da encomenda feita por Aécio.
A vasta apuração da Operação Caribe foi transformada em uma reportagem jamais publicada pelo Estado de Minas. O material, de acordo com Ribeiro Júnior, acabou por render um livro que ele supostamente pretende lançar depois das eleições. Intitulado Os Porões da Privataria, a obra pretende denunciar supostos esquemas ilegais de financiamento, lavagem de dinheiro e transferência de recursos oriundos do processo de privatização de estatais durante o governo FHC para paraísos fiscais no exterior. De olho nessas informações, e preocupado com “espiões” infiltrados no comitê, o então coordenador de comunicação da pré-campanha de Dilma, Luiz Lanzetta, decidiu procurar o jornalista.
Lanzetta conhecia Ribeiro Júnior e também sabia que o jornalista tinha entre suas fontes notórios arapongas de Brasília. Foi o repórter quem intermediou o contato de Lanzetta com o ex-delegado Onézimo Souza e o sargento da Aeronáutica Idalberto Matias de Araújo, o Dadá. O quarteto encontrou-se no restaurante Fritz, localizado na Asa Sul da capital federal, em 20 de abril. Aqui, as versões do conteú¬do do convescote divergem. Lanzetta e Ribeiro Júnior garantem que a intenção era contratar Souza para descobrir os supostos espiões. Segundo o delegado, além do monitoramento interno, a dupla queria também uma investigação contra Serra.
O encontro no Fritz acabou por causar uma enorme confusão na pré-campanha de Dilma e, embora não tenha resultado em nada, deu munição para a oposição e fez proliferar, na mídia, o mito do “grupo de inteligência” montado para fabricar dossiês contra Serra. A quebra dos sigilos tornou-se uma obsessão do programa eleitoral tucano, até que, ante a falta de dividendos eleitorais, partiu-se para um alvo mais eficiente: os escândalos de nepotismo a envolver a então ministra da Casa Civil Erenice Guerra.
O tal “grupo de inteligência” que nunca chegou a atuar está na base de outra disputa fratricida, desta vez no PT. De um lado, Fernando Pimentel, ex-prefeito de Belo Horizonte que indicou a empresa de Lanzetta, a Lanza Comunicações, para o trabalho no comitê eleitoral petista. Do outro, o deputado estadual por São Paulo Rui Falcão, interessado em assumir maior protagonismo na campanha de Dilma Rousseff. Essa guerra de poder e dinheiro resultou em um escândalo à moda desejada pelo PSDB.
Em um dos depoimentos à polícia, Ribeiro Júnior acusa Falcão de ter roubado de seu computador as informações dos sigilos fiscais dos tucanos. Segundo o jornalista, o deputado teria mandado invadir o quarto do hotel onde ele esteve hospedado em Brasília. Também atribuiu ao petista o vazamento de informações a Veja. O objetivo de Falcão seria afastar Lanzetta da pré-campanha e assumir maiores poderes. À Veja, Falcão teria se apresentado como o lúcido que impediu que vicejasse uma nova versão dos aloprados, alusão aos petistas presos em 2006 quando iriam comprar um dossiê contra Serra. Em nota oficial, o parlamentar rebateu as acusações. Segundo Falcão, Ribeiro Júnior terá de provar o que diz.
As conclusões do inquérito não satisfizeram a mídia. Na quinta 21, a tese central passou a ser de que Ribeiro Júnior estava de férias – e não a serviço do jornal – quando veio a São Paulo buscar a encomenda feita ao despachante. E que pagou a viagem de Brasília à capital paulista em dinheiro vivo. Mais: na volta das férias, o jornalista teria pedido demissão do Estado de Minas sem “maiores explicações”.
É o velho apego a temas acessórios para esconder o essencial. Por partes: A retirada dos documentos em São Paulo é resultado de uma apuração, conduzida, vê-se agora, por métodos ilegais, iniciada quase um ano antes. Não há dúvidas de que o diá¬rio mineiro pagou a maioria das despesas do repórter para o levantamento das informações. Ele não é filiado ao PT ou trabalhou na campanha ou na pré-campanha de Dilma.
Ribeiro Júnior pediu demissão, mas não de forma misteriosa como insinua a imprensa. O pedido ocorreu por causa da morte de seu pai, dono de uma pizzaria e uma fazenda em Mato Grosso. Sem outros parentes que ¬pudessem cuidar do negócio, o jornalista decidiu trocar a carreira pela vida de pequeno empresário. Neste ano, decidiu regressar ao jornalismo. Hoje ele trabalha na TV Record.
Quando o resultado do inquérito veio à tona, a primeira reação do jornal mineiro foi soltar uma nota anódina que nem desmentia nem confirmava o teor dos depoimentos de Ribeiro Júnior. “O Estado de Minas é citado por parte da imprensa no episódio de possível violação de dados fiscais de pessoas ligadas à atual campanha eleitoral. Entende que isso é normal e recorrente, principalmente às vésperas da eleição, quando os debates se tornam acalorados”, diz o texto. “O jornalista Amaury Ribeiro Júnior trabalhou por três anos no Estado de Minas e publicou diversas reportagens. Nenhuma, absolutamente nenhuma, se referiu ao fato agora em questão. O Estado de Minas faz jornalismo.”
No momento em que o assunto tomou outra dimensão, a versão mudou bastante. Passou a circular a tese de que Ribeiro Júnior agiu por conta própria, durante suas férias. Procurado por CartaCapital, Gimenez ficou muito irritado com perguntas sobre a Operação Caribe. “Não sei de nada, isso é um absurdo, não estou lhe dando entrevista”, disse, alterado, ao telefone celular. Sobre a origem da pauta, foi ainda mais nervoso. “Você tem de perguntar ao Amaury”, arrematou. Antes de desligar, anunciou que iria divulgar uma nova nota pública, desta vez para provar que Ribeiro Júnior, funcionário com quem manteve uma relação de confiança profissional de quase cinco anos, não trabalhava mais nos Diários Associados quando os sigilos dos tucanos foram quebrados na Receita.
A nota, ao que parece, nem precisou ser redigida. Antes da declaração de Gimenez a CartaCapital, o UOL, portal na internet do Grupo Folha, deu guarida à versão. Em seguida, ela se espalhou pelo noticiário. Convenientemente.
O que Gimenez não pode negar é a adesão do Estado de Minas ao governador Aécio Neves na luta contra a indicação de Serra. Ela se tornou explícita em 3 de fevereiro deste ano, quando um editorial do jornal intitulado Minas a Reboque, Não! soou como um grito de guerra contra o tucanato paulista. No texto, iniciado com a palavra “indignação”, o diário partiu para cima da decisão do PSDB de negar as prévias e impor a candidatura de Serra contra as pretensões de Aécio. Também pareceu uma resposta às insinuações maldosas de um articulista de O Estado de S. Paulo dirigidas ao governador de Minas.
“Os mineiros repelem a arrogância de lideranças políticas que, temerosas do fracasso a que foram levados por seus próprios erros de avaliação, pretendem dispor do sucesso e do reconhecimento nacional construído pelo governador Aécio Neves”, tascou o editorial. Em seguida, desfiam-se as piores previsões possíveis para a candidatura de Serra: “Fazem parecer obrigação do líder mineiro, a quem há pouco negaram espaço e voz, cumprir papel secundário, apenas para injetar ânimo e simpatia à chapa que insistem ser liderada pelo governador de São Paulo, José Serra”. E termina, melancólico: “Perplexos ante mais essa demonstração de arrogância, que esconde amadorismo e inabilidade, os mineiros estão, porém, seguros de que o governador ‘político de alta linhagem de Minas’ vai rejeitar papel subalterno que lhe oferecem. Ele sabe que, a reboque das composições que a mantiveram fora do poder central nos últimos 16 anos, Minas desta vez precisa dizer não”.
Ao longo da semana, Aécio desmentiu mais de uma vez qualquer envolvimento com o episódio. “Repudio com veemência e indignação a tentativa de vinculação do meu nome às graves ações envolvendo o PT e o senhor Amaury Ribeiro Jr., a quem não conheço e com quem jamais mantive qualquer tipo de relação”, afirmou. O senador recém-eleito disse ainda que o Brasil sabe quem tem o DNA dos dossiês, em referência ao PT.
Itagiba, derrotado nas últimas eleições, também refutou as acusações de que teria comandado um grupo de espionagem com o intuito de atingir Aécio Neves, no meio da briga pela realização de prévias no PSDB. “Não sou araponga. Quando fui delegado fazia investigação em inquérito aberto, não espionagem, para pôr na cadeia criminosos do calibre desses sujeitos que formam essa camarilha inscrustada no PT.”

Leandro Fortes
Leandro Fortes é jornalista, professor e escritor, autor dos livros Jornalismo Investigativo, Cayman: o dossiê do medo e Fragmentos da Grande Guerra, entre outros. Mantém um blog chamado Brasília eu Vi. http://brasiliaeuvi.wordpress.com

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Uau!


Minha homenagem à colega Catarina, da assistência social, da Universidade Estadual de Maringá. Graças ao seu trabalho na Universidade e de mais pessoas que se preocupam com o caráter social das instituições de ensino, soubemos, ontem, pela TV e jornal, que alunos ricos estão entrando pelas cotas sociais na UEM.
Sei que a atitude é também passível de punição. Quem se manifesta contra a grande corrente, se ferra. Faremos uma carta de apoio à Catarina!

Braziu!

Braziu!

Arquivo do blog

Marcadores