TUCA PUC 1977
EU QUASE QUE NADA SEI. MAS DESCONFIO DE MUITA COISA. GUIMARÃES ROSA.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

para 2011


Meus alunos me deram 6 CDs; todos do mesmos cantores sertanejos industrializados. Provocação pura! A jornada com os alunos da graduação foi singular. Meninada bacana.
Em 2011 mudo, mas não muda.
Quero:
1- guardar dinheiro para viajar para Madrid, Lisboa...
2 - dar menos aulas. Será possível? Quero mudar de turmas.
3 - quero mudar-me de universidade, de cidade, de país...
E muita terapia. É a única coisa que nos salva (pelo menos nesse momento).

De saltos altos...


... para 2011. Com rendas, beleza e finesse....

...


El bulevar de los sueños rotos...




Chavela nasceu em Costa Rica. 17 de abril de 1919. Seus pais a rejeitaram. Foi abusada pelos tios. Mais tarde, por sua homossexualidade, foi expulsa do país. Singularíssima. Andava armada. Sempre bebeu muito. Essa biografia me encanta. Cantora que alguns chamam de rancheira, ela canta com sangue, suor e muita voz. Foi acolhida pelo México. Um dos amores de Frida Khalo. Com quase 80 anos foi redescoberta por Almodovar. E daí para cá, os mais jovens, puderam conhecê-la. Os seus discos podem ser comprados no México. No Brasil está difícil. Encontrei dois discos seus. Esgotados.

VEJA
AQUI O SITE DE CHAVELA

*****
O que dice Chavela:

Ya es hora de descansar

Sobrevivió al machismo, al alcohol, al desamor, a la homofobia y al abandono. Y aunque hoy no monta caballo en pelo, todavía hace llorar desde su silla de ruedas. “Las montañas me dicen que prepare mi partida”, dice en exclusiva para LCD la artista que acaba de cumplir 90 años.

por Gabriela García


Escuchar a Chavela Vargas es arriesgarse a llorar toda la tristeza que tenemos pendiente. Perita en despedidas, la vaquera amiga de Pedro Almodóvar y Joaquín Sabina cumplió noventa años y parece que ahora "se va de veras", como punza su ranchera "El último trago".

"La montaña me dice que prepare mi partida", cuenta al teléfono desde su quinta de Tepoztlán, refugio que ella compara con el Macondo de su cuate Gabriel García Márquez.

"Vivo en una casa muy bonita junto a la naturaleza. Aquí medito. Ahorita he vuelto a leer ‘Cien años de soledad’", dice como si ese título recorriera la espina dorsal de su vida.

Así fue desde que nació en Costa Rica y su padre mujeriego escribió la separación de la familia. Chavelita quedó encargada a unos tíos que le tenían alergia a la caricia y a quienes ella desea ver en el infierno.

Media ciega y golpeada por la poliomielitis
, a la Vargas le iban a secar los ojos con nitrato de plata unos doctores chingones. Pero unos curanderos indígenas la salvaron.

"Soy Chamala. Ellos me pusieron así. Una mezcla de chamana y Chavela", recuerda ahora. Cansada de arrear vacas y fregar ropa, huyó. Tenía 14 años y sangre india corriendo por las venas. Llegó al mero México pistola al cinto, con sed de tequila y sueños rotos.


AMAR DUELE

En el DF primero se ganó los frijoles como empleada doméstica. Luego cantando en las calles con su eterno poncho rojo, su voz se empezó a colar en los huesos de los trasnochadores como un vendaval.

Por eso llueve tanto bajo su jorongo (manta). "La tristeza es la muerte lenta de las simples cosas", recita esta leyenda de la canción de Iberoamérica.

Como si fuera una hechicera, podría decirse que la artista no canta. Susurra, grita, maldice y revela apretando los dientes, las verdades más ásperas sobre la soledad humana.

"Que la gente llore conmigo es un misterio dígame usted por qué... pero lo voy a seguir haciendo para recordarles que pueden sentir", revela con voz temblorosa.

Y es que ver a la cantante es como presenciar una declaración de amor. "Nadie excepto Cristo abre los brazos como Chavela Vargas", suele decir Almodóvar de la voz que ha utilizado en películas como "Tacones lejanos".

Desde hace un mes y medio, y producto de su delicada salud, la dama del poncho rojo ha sido visitada por una larga lista de amigos que quieren despedirse.

"Se sentía bien malita pero el cuento del homenaje le fue dando vida. Saber que venía Julieta Venegas, Lila Downs o artistas como Eugenia León, fue algo impresionante", apunta su amiga María Cortina, organizadora del evento en el cual el gobierno mexicano le entregó el 21 de abril pasado la Medalla al Ciudadano Distinguido y celebró las nueve décadas de la reina de la ranchera, el bolero y la cultura popular mexicana.

En la fiesta, la Vargas apareció con gafas oscuras. Rodeada de artistas y seguidores, incluso cantó una canción ("Volver, volver").

"Fue sobre todo un homenaje muy emotivo e importante para ella porque como saben todos, Chavela ha llevado a México casi como un hilo de su jorongo", dice Cortina mientras la tarde cae en la tierra de Juan Rulfo.

La artista digiere la fiesta, sin embargo, con distancia de viajero. "Me sentí muy bien, muy contenta", confiesa con voz de luna, "canté rodeada de amigos pero ya es hora de descansar. Así es la cosa", dice .

PISTOLAS Y TEQUILA

"México me enseñó a ser mujer. Pero no dulcemente sino a patadas. Me dijo, ¿quieres cantar? Entonces aguanta", confiesa la Vargas en su autobiografía "Y si quieres saber de mi pasado" (Editorial Aguilar, 2002).

Usando pantalones, fumando puros y dedicándole temas a las mujeres, esta señora se transformó en un bicho raro para la sociedad mexicana, acaso la más machista de la galaxia.

Y ella alimentaba el mito. Defendía su lesbianismo con coraje ("Lo que duele no es ser homosexual, sino que lo echen en cara como si fuera una peste", escribió), y según la leyenda, con poncho secuestraba mujeres en su caballo y a mano armada. "Ahora ando vestida de civil.

De pantalón de mezclilla. Ya no ando con pistola. Según yo, inspiraba respeto pero la dejé por la paz", reconoce hoy Isabel Vargas Lizano.

Guerrera y despechada, si no fuera por José Alfredo Jiménez, jamás habríamos conocido a la charra que canta triste. Al mariachi lo conoció a mediados de los ’50 en la barra de un bar y en 1961, éste apadrinó el primero de sus 80 discos.

Chavela empezaba así una carrera que se curtió con serenatas a pedido y siguió en escenarios como el Carnegie Hall de Nueva York o la boda de Elizabeth Taylor, de quien se hizo tan amiga como de Ava Gardner o de Diego Rivera (vivió en Coyoacán con el pintor y su "Friducha" durante dos años).

Cerrando las puertas de "El Tenampa", cantina de la Plaza Garibaldi, "la dama de los cuarenta y cinco mil litros de tequila" (su hermano calculó en esa cifra la cantidad de tragos chupados) bailó con la bohemia y los excesos durante años.

"Me emborrachaba y me iba a cantar por las calles. Todo me lo tomé", ha contado la artista.

Ese suicidio etílico se radicalizó en 1979 cuando decide dejar de cantar y entregarse a la botella. Bebió durante 15 años encerrada y convocando al diablo en una pieza en las afueras de Cuernavaca, desde donde recordaba la casona de piso de arena que había comprado en sus tiempos de gloria (si alguien se caía borracho podía dormir la mona tranquilamente sobre esa suerte de playa con techo) y que Sabina bautizó como el boulevard de los sueños rotos en una canción.

Compleja como la patria que la adoptó, la artista desapareció tanto que la dieron por muerta. Mala broma que terminó en los ’90, cuando la actriz Jesusa Rodríguez la encontró bebiendo una copa en la penumbra de su bar "El Hábito", y la invitó a volver al ruedo, resucitando ese día la voz de las penas más amargas. "Salí de los infiernos y salí cantando", dijo la intérprete de "Luz de luna".


PALOMA NEGRA

Después de ese retorno, a la Vargas se le vio debutando en cine bajo el lente de Werner Herzog, quien la incluyó en la película "Grito de piedra" (allí interpretó el papel de una indígena de la Patagonia). Iniciativa que continuaron, además de Almodóvar, Alejandro González Iñarritu ("Babel") y la estadounidense Julie Taymor ("Frida"), donde Chavela aparece entonando "La llorona".

"Pelo de plata y carne morena" como dice Sabina, Chavela hoy no monta caballos sino una silla de ruedas. Desde ahí espera la muerte y hasta ha escrito su epitafio ("Aquí yace quien en la vida fue quien fue").

"Ya está empacando dice, pero por momentos también piensa que va a cumplir los cien. Yo quisiera tener Chavela para rato", reconoce su confidente María Cortina.

Para su funeral ella sólo pidió un deseo: nada de lágrimas postreras y la canción "Las ciudades" de José Alfredo sonando a todo volumen: "Y mi alma completa se me cubrió de hielo/ Y mi cuerpo entero se llenó de frío/ Y estuve a punto, de cambiar tu mundo, / De cambiar tu mundo por el mundo mío".

-Cuando vivía en Veracruz decía que hablaba con las sirenas. ¿Ahora con quién se desahoga?

-Yo sabía que las sirenas venían a visitarme porque amanecían escamas en las ventanas. Ahora hablo con la montaña. Y me dice que me prepare para irme, que ya luego va a decirme para dónde.

-¿Y cómo se imagina esa próxima parada?

-Bonita, para mí va a ser muy bella.

-Hay gente que le teme a la muerte. ¿Usted no?

-Le tienen miedo porque nadie ha vuelto de allá, pero yo voy y vuelvo. Voy a volver.

-Cuando lo haga pase por Chile, que acá se le quiere mucho.

-Cómo no. Será en sueños.

********************************************************

E pra quem é de Maringa, da Má-ringa como chamo essa cidade, a Chavela canta Maringá maringá.


Cacareco sublime


Assisti, pela n vez, ao filme El Salvador, o martírio de um povo. O ator, James Wood, sempre fantástico. As cenas imitam a cruel realidade do governo apoiado pelo caubói Reagan.
Aqui o Porto do Diabo, onde milhares de crianças, mulheres e homens eram torturados, despaçados ...


... para manter uma ditadura...

Veja AQUI um portifólio sobre El Salvador nesta guerra sangrenta das ditaduras da América latina.

No Paraná...


Simpatias ...


...


Daqui não saio daqui ninguém me tira....


Bingo!


...


Na Má-ringa!


Do Blog do Angelo RIGON (da Gazeta do Povo)

Soy

do Blog EUFORIA CORPORAL aqui

O final do governo...

Pois é. E nós ainda não tínhamos ouvido essa.
Lula é um molusco.


Lula não é crustáceo.

É... faz falta uma boa escola. Livros também.

Como no Braziu...


Cap-tirei do Blog da Joana Lopes (aqui) essa charge. Vale para o Brasil.

Memória




Para que a memória perdure POR JOANA lOPES, BLOG ENTRE AS BRUMAS DA MEMÓRIA AQUI

Foi aqui muito perto, paredes meias com o Alentejo e o Algarve, que a Andaluzia andou a contar as fossas das vítimas do franquismo e anunciou ontem a localização de 614 (40% das quais desconhecidas até agora), em 359 povoações. Nelas estarão enterradas 47.399 pessoas.


O «Mapa de fosas de las víctimas de la Guerra Civil y la posguerra en Andalucía» resulta do trabalho conjunto de associações memorialistas e de universidades, através do Comissariado para a Memória Histórica da Andaluzia, e nele se detalham, para cada uma das fossas localizadas, o seu contexto histórico, assassinatos, violações, escravatura e muitas outras formas de repressão.


Em resumo, «El objetivo del trabajo es claro, evitar que el miedo, la represión o la autocensura dejen ocultos episodios clave para conocer un conflicto que, según el estudio que acompaña el mapa, "se convirtió en un deliberado y metódico exterminio del enemigo político (...) que se sirvió de la guerra como contexto y pretexto (...) y dejó un legado de miles de víctimas". En Andalucía, los represaliados por el franquismo suman 130.199.»


De uma Guerra que acabou há 71 anos.
FONTE



Célebos....


da Joana Lopes, Portugal Blog Entre as brumas da memória AQUI
Esquerda ou direita?

Ora cá está uma descoberta que poderá fazer poupar horas, dias, séculos de discussões! «Eu sou mais de esquerda do que tu?». Isso é que era bom! Mede-se a espessura da amígdala e do cingulado anterior e acaba a conversa.
Quem é de direita tem a amígdala cerebelosa mais pronunciada enquanto, à esquerda, se mostra um cérebro mais proeminente na zona do cingulado anterior.


Resta saber se «há algo na nossa atitude política que se codifica na estrutura cerebral, através da nossa experiência», ou se «há algo nesta estrutura que determina ou resulta na atitude política que preferimos».


Nem dá para imaginar o leque de aplicações de uma tal descoberta, desde utilização pela ERC para garantir pluralismos a uma análise urgente do caso Fernando Nobre. E qual seria a amplitude do espectro a obter se o PS impusesse um rastreio geral aos seus militantes?


Fiquei sem perceber se é possível a coexistência de uma amígdala pronunciada com um cingulado proeminente. Espero que sim porque daria jeito para explicar um sem número de casos que por aí circulam…


(Daqui)

***************************************************

Comentário: os neurologistas tomaram o lugar dos geneticistas. Prescrevem, agora, no século XXI, o que a genética prescreveu (e não deu certo) no século XX. Como piada está ótimo. Se fôssemos rastrear a ex-querda brasileira garanto que seria mais complexo.

E com Cavaco em Portugal


Por João Tunes, Água Lisa AQUI


O defensor do come e cala que um dia proclamou alto e bom som a insustentabilidade do país


Certeiro como é seu uso e o talento ajuda, Manuel António Pina, no JN:

O "sensato" conselho de Cavaco Silva para comermos e calarmos de modo a que "os nossos credores" não se zanguem connosco e nos castiguem com juros cada vez mais altos espelha uma cultura salazarenta de conformismo que, sendo muito mais antiga que Cavaco, ele representa na perfeição, até nos seus, só na aparência contraditórios, repentes de arrogância.

Quando Cavaco nos recomenda que amouchemos pois "se nós lhes [aos 'nossos credores'] dirigirmos palavras de insulto, a consequência será mais desemprego para Portugal", tão só repete, adaptada à actual circunstância, a "sensata" e canónica fórmula do "Manda quem pode, obedece [ no caso, cala] quem deve".

Trata-se de uma atávica cultura em que a vida é vidinha, a crítica deve sempre ser "construtiva" e colaborante, os trabalhadores, por suave milagre linguístico, se tornam "colaboradores" (e se colaboracionistas melhor ainda) e servilismo e acriticismo são alcandorados a virtudes cívicas. Porque é assim que se faz pela vidinha, de joelhos.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Cacareco sublime!

Roy Orbison

Talvez ...

Gente ...

Indicado. Preciso comprar também.

Ele chegou!

Ontem, as 9h30. Estou lendo. Magnífico!

Há um verso de um poeta alemão que diz:- Olha para as tuas convicções e vê: estão velhas. Os jornais que lemos também envelheceram, quando, como foi o caso, os deixamos de ler mesmo que por um breve período.
Como estão os comentadores, os críticos, os jornalistas. Ponto de exclamação. Como envelheceram mal. Mesmo os criadores... ler na íntegra aqui (Blog A natureza do mal).

Passeantes de dezembro...


Passeantes de Dezembro por João ventura, Blog O LEITOR SEM QUALIDADES, Portugal AQUI


Herisau, dia de Natal de 1956. Entre faias e abetos, na ladeira que desce do Schochenberg, um homem jaz no chão confundindo-se com o deserto branco que o rodeia. A neve é o mais perfeito esconderijo. Depois de ter almoçado no sanatório, errara durante horas até ao coração do bosque, perdido. Ao longe, talvez, o toque lamentoso de um sino. A cabeça está apoiada sobre a raiz de um abeto que emerge da neve. Não há tristeza no seu rosto. Apenas a réstia de um olhar eternamente extasiado perante a neve pura, com o espanto de quem descobre, finalmente, o mais secreto dos desejos. Daqui a pouco, um grupo de crianças encontrará um corpo num bosque gelado e saberemos tratar-se de Robert Walser, o «poeta mais escondido que alguma vez existiu», como escreveu Elias Canetti. E que num nos dos seus romances, Os irmãos Tanner, pusera premonitoriamente na boca de um personagem uma elegia a Sebastião, o poeta encontrado morto na neve: «Com que nobreza escolheu a sua tumba! Jaz no meio de esplêndidos abetos verdes, cobertos pela neve. Não quero avisar ninguém. A natureza inclina-se a contemplar o seu morto, as estrelas cantam suavemente à volta da sua cabeça e as aves nocturnas grasnam: é a melhor música para alguém que não tem ouvido nem sensações».

No mesmo dia de Natal, em 1956, há cinquenta e três anos, portanto, morria o avô de W. G. Sebald - o escritor passeante através de paisagens solitárias, que morreu como o seu avô e como Walser, também, num dia Dezembro de 2002 – que tinha saído de sua casa para dar um passeio pela neve e tombou sobre ela quase à mesma hora em que o outro passeante, Robert Walser, caía, também, fulminado sobre a neve, numa paisagem de faias e abetos.

Neste Natal de 2010, recordo não os silêncios dos passeantes mortos em Dezembro, mas as palavras que nos legaram entre ruínas de um passado que remete para a totalidade do mundo. E olhando à minha volta, enquanto se fazem os preparativos para o fogo de artifício que há-de incendiar a noite da passagem do novo ano que aí vem com os seus relâmpagos e fulgores luminosos efémeros, retenho da leitura daqueles passeantes de Dezembro que partiram no mesmo ano em que eu cheguei, a sua esterilidade sentimental em relação às festividades natalícias.

Em Portimão não neva, por isso não haverá o perigo de me perder na neve no dia de Natal. Tão pouco sou um passeante através de paisagens solitárias. Já o escrevi aqui, sou antes um flâneur urbano que não se deixa bafejar pela secura do coração daqueles passeantes em relação ao Natal. Até porque, embora seja avesso a toda a retórica que transforma a época natalícia numa época do mais seco mercantilismo envolto em falsas roupagens de fraternidade e solidariedade, conforta-me a reunião da família, a exposição da minha pequena colecção presépios do mundo, a estética do fogo da lareira, os sabores, os cheiros, o aflorar do passado trazido sempre pelos mais velhos. Por isso, neste Natal continuarei a criar com os amigos e a família uma realidade distinta a partir da realidade inquietante, empobrecida, envolta em papéis cintilantes que serão rasgados no momento da troca de presentes. Porque se ainda é possível um verdadeiro espírito de Natal, ele só poderá ser encontrado se formos capazes de ver os outros no meio da bruma que anda por aí.

Aproveitar, então, o Natal, não para desaparecer na neve comoo passeante Walser, muito menos para nos perdermos nos labirintos do mercantilismo contradidório que nestes tempos de crise anda por aí, mas para, no meio de uma estética de ciprestes, pinheiros, zimbro e coloridas velas trémulas com cheiros que compoêm a paisagem doméstica destes dias, continuarmos a explorar, como passeantes de Dezembro, outras possibilidades para o mundo.

Síndrome ....


Poizé, Roque. O Lula nesses dias que antecedem seu final de governo está sentindo aquilo que nós sentimos em 2003. Ficamos sós. Votamos e fomos traídos. Isto me lembra NINGUÉM ESCREVE AO CORONEL. Bom livro.

Salário ínfimo e salário exorbitante


É cruel, enojante o nosso silêncio, o seu, o deles, sobre o aumento dos salários dos deputados e senadores. E o boys nem fazem greve!

Manifesto dos economistas aterrorizados


Manifesto dos economistas aterrorizados do BLOG ARRASTÃO aqui

por João Rodrigues


A Associação Francesa de Economia Política lançou um “manifesto dos economistas aterrorizados”, um excelente documento de análise e de proposta para sairmos da crise europeia causada pelo neoliberalismo. Graças à generosidade do Nuno Serra, temos agora uma tradução portuguesa. Para abrir o apetite, deixo um excerto. Para lerem o manifesto na íntegra é só optar pelo “continue a ler”.

“A lógica neoliberal é sempre a única que se reconhece como legítima, apesar dos seus evidentes fracassos. Fundada na hipótese da eficiência dos mercados financeiros, preconiza a redução da despesa pública, a privatização dos serviços públicos, a flexibilização do mercado de trabalho, a liberalização do comércio, dos serviços financeiros e dos mercados de capital, por forma a aumentar a concorrência em todos os domínios e em toda a parte…

Enquanto economistas, aterroriza-nos constatar que estas políticas continuam a estar na ordem do dia e que os seus fundamentos teóricos não sejam postos em causa. Mas os factos trataram de questionar os argumentos utilizados desde há trinta anos para orientar as opções das políticas económicas europeias. A crise pôs a nu o carácter dogmático e infundado da maioria das supostas evidências, repetidas até à saciedade por aqueles que decidem e pelos seus conselheiros. Quer se trate da eficiência e da racionalidade dos mercados financeiros, da necessidade de cortar nas despesas para reduzir a dívida pública, quer se trate de reforçar o “pacto de estabilidade”, é imperioso questionar estas falsas evidências e mostrar a pluralidade de opções possíveis em matéria de política económica. Outras escolhas são possíveis e desejáveis, com a condição de libertar, desde já, o garrote imposto pela indústria financeira às políticas públicas.”



Associação Francesa de Economia Política (AEFP)

Manifesto dos economistas aterrorizados

Crise e Dívida na Europa:

10 falsas evidências, 22 medidas em debate para sair do impasse


Philippe Askenazy (CNRS, Ecole d'économie de Paris), Thomas Coutrot (Conselho Científico da Attac), André Orléan (CNRS, EHESS, Presidente da AFEP), Henri Sterdyniak (OFCE)



(Tradução de Nuno Serra; Revisão de João Rodrigues)


Introdução

A retoma económica mundial, que foi possível graças a uma injecção colossal de fundos públicos no circuito económico (desde os Estados Unidos à China) é frágil, mas real. Apenas um continente continua em retracção, a Europa. Reencontrar o caminho do crescimento económico deixou de ser a sua prioridade política. A Europa decidiu enveredar por outra via, a da luta contra os défices públicos.

LER TEXTO INTEGRAL AQUI

Oh, GOD, "soberania judicial"


Liu Xiaobo: mais um aniversário na prisão por João Tunes, Blog Água Lisa AQUI

O Prémio Nobel da Paz 2010 passou o seu 55º aniversário numa prisão do nordeste da China, enquanto activistas dos Direitos Humanos renovaram os apelos para a libertação do dissidente.

Questionada sobre a situação, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Jiang Yu, respondeu que «a China é um estado de Direito» e as acções do Governo visam «salvaguardar a soberania judicial» do país.

Liu Xiaobo, um antigo professor universitário e crítico literário, foi condenado em 2009 a onze anos de prisão por «actividades subversivas».

A organização Chinese Human Rights Defenders (CHRD), com sede em Hong Kong, assinalou o 55º aniversário de Liu Xiaobo com um comunicado apelando à «imediata e incondicional libertação» do dissidente.

A CHRD pediu também o levantamento das restrições impostas à mulher do Nobel da Paz, Liu Xia, sujeita a prisão domiciliária desde que o Comité Nobel Norueguês anunciou a atribuição do prémio ao marido, em Outubro passado.

Preso na cadeia de Jinzhou, a cerca de 450 quilómetros de Pequim, Liu Xiaobo foi distinguido «pela sua longa e não violenta luta pelos direitos fundamentais na China».

Para o Governo chinês, que qualificou aquela escolha como «um insulto aos órgãos judiciais da China», Liu Xiaobo «é um criminoso condenado por violar as leis chinesas».

...


Intifada contra o neoliberalismo?


De Joana Lopes, Portugal Blog ENTRE AS BRUMAS DA MEMÓRIA AQUI


Através da Attack Espanha, cheguei a um importante artigo de Jónatham F. Moriche, significativamente intitulado 2011, ¿una intifada europea contra la dominación neoliberal?


Tentarei resumir, sobretudo através de muitas citações (demasiado longas, eu sei, mas não deu para cortar mais…) Este era o tipo de texto que, desde há algum tempo, eu esperava encontrar.


Depois da crise do mercado hipotecário nos EUA em 2008, e das respectivas consequências que contagiaram o plano económico um pouco por todo o mundo em 2009, chegou finalmente a crise política no ano que agora termina. Mas enquanto até há relativamente pouco tempo apenas foram atingidas minorias pobres e mais ou menos periféricas, as vítimas são agora «los acomodados habitantes del centro, privilegiados beneficiarios del gran pacto social posterior a la II Guerra Mundial, que mediante importantes concesiones de las élites del capital a las fuerzas del trabajo (en materia de libertades civiles, derechos laborales o servicios públicos) consolidó una asentada paz social de treinta años en el corazón del sistema-mundo capitalista.»


Perante esta realidade, Moriche estranha a apatia da população europeia perante a devastação das suas condições de vida e o descrédito das instituições políticas democráticas. E não exclui a esquerda: «La izquierda europea se interroga pasmada ante este mórbido estancamiento de la iniciativa ciudadana ante su propia depauperización económica y sojuzgamiento políticoEsquerda que, em vez de enfrentar esta crise do capitalismo, lhe responde com a sua própria crise «que es no tanto el empuje de sus adversarios como su propia debilidad, fragilidad y dispersión lo que está haciendo posible que de esta crisis esté emergiendo, no una alternativa frente al neoliberalismo, sino una reforzada y endurecida hegemonía neoliberal».


Se a Espanha se destaca na referida apatia, não está sozinha: «La abismal apatía española no sirve, afortunadamente, para retratar al conjunto de la sociedad civil y la clase trabajadora europea, pero tampoco en Grecia, Francia, Italia o el Reino Unido, donde la respuesta en la calle ha alcanzado picos de notable intensidad, la izquierda ha conseguido embridar la deriva de políticas de austeridad y recortes sociales, ni mucho menos imponer un rumbo alternativo hacia un proyecto social y económico propio. ¿Por qué? La mayor parte de las principales organizaciones de la izquierda europea permanecen ancladas en posiciones que, si es que una vez fueron válidas, en tiempos mejores de abundancia material y estabilidad institucional, ya no lo son, y difícilmente volverán a serlo en un futuro cercano».


«El completo fracaso de los líderes del ala más sensata y pactista del neoliberalismo (Barack Obama en EEUU, José Luís Rodríguez Zapatero en España, José Sócrates en Portugal…) pone en evidencia, hasta para sus más sinceros y bienintencionados defensores, la inutilidad de las estrategias de conciliación, y la “traición de la socialdemocracia” ya no es un reproche de la izquierda revolucionaria.»


Os próprios sindicatos, agrupados na sua Confederação Europeia, continuam «sin reconocer esa avanzada agonía democrática, convocando pálidas manifestaciones y disciplinados paros laborales absolutamente inofensivos, para forzar rondas negociadoras absolutamente ineficaces frente a gobiernos que casi nada pueden ya negociar porque casi nada pueden ya decidir».


Assim sendo, «sólo el salto de las grandes mayorías sociales y de sus organizaciones representativas a una dinámica abierta y decididamente insurreccional puede forzar un nuevo reparto de cartas en el titánico conflicto de clases que se pretende encubrir bajo el espeso manto de cifras de esta crisis. (…) La desobediencia y la sedición no son delitos sino obligaciones cívicas ante instituciones y gobiernos que contravienen sus propios principios fundacionales (…). No se trata, pues, de lanzar una insurrección, sino de defenderse con medios proporcionados a una opresión tirânica».


«No será como en la Inglaterra de 1642, ni como en la Francia de 1789, ni como en la Rusia de 1917, porque la Historia nunca se repite de forma idéntica a sí misma por muchas analogías parciales que podamos encontrar entre aquellas y estas circunstancias históricas.»


Não valerá a pena, julgo eu, entrarmos nas habituais querelas, para já dispensáveis porque provisoriamente inúteis, de saber se a rebelião e a revolta levarão a algo que deva mais tarde ser apelidado de «revolução» (assumindo-se que todas as revoluções começam com revoltas sem que estas desemboquem necessariamente naquelas), mas o que parece urgente é não aplaudirmos, mesmo que secretamente, a reprovável brandura dos nossos ordeiros costumes, que nos mantém confortavelmente fora da rua. E, sobretudo, tomarmos desde já partido, como muito bem lembrou o Zé Neves, numas Boas Festas que poderão ter passado despercebidas, entre o brilho das luzes natalícias e as compras do Black Friday no Corte Inglés: «E que conversa é a nossa que quando vemos confrontos políticos nas ruas de Atenas ou de Londres ou de Roma ou de Maputo nos limitamos a falar do desespero de quem se revolta e só depois tomamos (quando tomamos) partido?» Nem mais.


P.S. - Sobre Portugal, ler: "Explosão" social poderá suceder à estupefacção, por Boaventura Sousa Santos e António Barreto.

Sublime!

Quiças, quiças... Ferrer e Omara Portuondo

.... e tu e tu contestando...

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Xingú, brazil


Ikepng, os “exilados” do Xingu cap-tirado do Blog de Roberto Romano aqui
por Nilton Fukuda


No ano que vem, o Parque Indígena do Xingu, no nordeste no Mato Grosso, completa 50 anos de histórias e mitos. Com 2,6 milhões de hectares, a área foi desbravada pelos irmãos Cláudio, Orlando e Leonardo Villas Boas. O Estado visitou no início de dezembro a aldeia Moygu, dos Ikpeng, na região central do parque.

Contactados em 1964 pelos Villas Boas na região do Rio Jatobá, fora do parque, os Ikpeng foram levados para dentro da terra indígena porque corriam risco de extinção. Naquela época eram apenas 50. Hoje são cerca de 400 índios que buscam uma reparação: querem reaver a área do Jatobá, onde seus ancestrais nasceram e morreram. Lá, dizem os índios, estão suas “placentas. Leia matéria. Assista o vídeo.

Texto e fotos: Roberto Almeida

Revista Continente On Line, entrevista com Roberto Romano
aqui

“Intelectual pensa que o saber é sua propriedade”

Escrito por Fábio Lucas


O professor Roberto Romano é um crítico ferrenho da falta de crítica que grassa nas universidades brasileiras. Para o filósofo da Unicamp, autor de livros como Conservadorismo Romântico – Origem do Totalitarismo (Unesp) e O Caldeirão de Medéia (Perspectiva), o medo de avanços científicos como a clonagem decorre de uma desconfiança natural do conhecimento técnico, mas também da ausência de criticismo no ensino contemporâneo, no mais puro sentido kantiano e iluminista. Por falar em Iluminismo, Roberto Romano lamenta uma lacuna histórica no Brasil: “Não vivemos a cultura das Luzes”, diz ele. Segundo o professor, a mídia e as universidades brasileiras são instituições contra-revolucionárias: favorecem o saber elitista, não o saber democrático.

Nesta entrevista a Continente, o professor Romano, como legítimo representante da elite da Academia nacional, explica por que, apesar da enorme quantidade de informações disponíveis e das conquistas da ciência de ponta, a maioria das pessoas de nossa época não foi apresentada às bases do saber. No diagnóstico, a condenação das figuras do pedante e do especialista, cada vez mais presentes na comunidade científica. “Os intelectuais universitários têm pouca responsabilidade social”, afirma.

C: A educação não deveria atuar muito mais em nossos dias? A reação à clonagem, por parte de setores esclarecidos da sociedade, da mídia e da população em geral, dá a impressão de que estamos em plena Idade Média. Vivemos em uma época obscurantista?

RR: Todas as idades do ser humano têm a mesma distribuição de medo, esperança e desconfiança do trabalho técnico, que pretende ao mesmo tempo evocar o novo e reiterar o habitual. O ato técnico retoma algo que já existe, e por isso é possível inventar. Não existe invenção sem empréstimo anterior, não existe empréstimo sem invenção.

C: Então como dizer que há invenção de fato?

RR: Este círculo aparente foi bem descrito por André Leroi-Gourhan, um grande etnólogo que estudou as origens do fenômeno técnico. Diz ele que nunca podemos encontrar um só instrumento, que incorpore procedimentos e métodos, absolutamente original. Em nossa época, tanto o empréstimo, a circulação universal das técnicas, quanto a invenção unem-se estreitamente.

C: Como o obscurantismo se inscreve neste cenário?

RR: Pessoas obscurantistas apegam-se ao “conhecido”, ao estabelecido, e tendem a recusar o novo, por desconfiança ou medo. Existem também indivíduos imprudentes que desejam o novo, sem passar pelo aprendizado do que já existe. Alguns prendem-se, deste modo, ao passado, outros se apegam a um presente sem solidez. As três faces do tempo são fundamentais. Simultaneamente, quando pensamos e agimos, é preciso levar em conta o presente, o pretérito, o devir. Isto, no Renascimento, chamou-se “prudência”, que foi desenhada numa figura de rosto tríplice, um jovem, um homem amadurecido, um velho.


C: A dualidade produz conflito e empurra o avanço, ou o emperra. Não há como fugir dela?


RR: A dualidade existiu sempre, e vai sempre existir. Pois a natureza é infinita, e nós somos finitos. Não sabemos se a nossa espécie é infinita... Acho que não. E a certeza da mortalidade da espécie é algo que nos apresenta muita urgência. Temos receio de que um novo conhecimento técnico, em vez de ampliar nossa vida, a diminua. Daí vêm as críticas à civilização urbana: será que conseguimos viver mais tempo? Que tipo de qualidade de vida nós temos nas grandes cidades? Há o saudosismo do campo, da vida sem barulho, etc. O imaginário é preenchido por representações regressivas, as quais não ajudam a melhorar o presente, apenas levantam nuvens cinzas de pessimismo social, o que não raro termina em conservadorismo político.


C: O conservadorismo serve de escudo contra o desconhecido, ou simplesmente contra a mudança. Com tal postura defensiva, como conseguimos avançar?


RR: Os herdeiros de Rousseau têm um espólio duplo de idéias. Em primeiro lugar, a democracia e a igualdade. Mas em segundo, uma obscurantista militância contra as ciências, as técnicas, as artes, e a nostalgia de uma natureza virginal que só existe nas mentes românticas conservadoras. Ou seja, o que eles afirmam de um lado, a democracia, negam de outro, no campo efetivo da política. As questões da ciência e das artes, da política e dos valores, são todas sérias, qualquer que seja a resposta que recebam, mas elas não têm resposta única e simples. O fato é que hoje, apesar de todos os avanços científicos e técnicos, grandes massas desconhecem as bases do saber e estão alijadas do exercício artístico. Não teria medo de usar um termo gasto para descrever este traço de profunda desigualdade na distribuição dos conhecimentos: alienação.


C: E quanto mais desinformação, maior a reação à mudança?

RR: É preciso conhecer muito bem o campo científico que está sendo discutido, o âmbito social e o setor religioso. Se você os ignora, não sabe bem quem está falando, quem está com medo ou quem está vivendo a esperança. Um teólogo dedicado ao estudo da ética no campo da pesquisa biológica deve ter, obrigatoriamente, uma formação rigorosa em biologia de ponta.

C: Jamais houve tanta informação e tanta liberdade formal no mundo. Mesmo assim, a defasagem educacional parece alcançar a maioria da população. Será que tanta informação e tanta liberdade não deveriam ter facilitado a educação? O saber não poderia ter ajudado a formar uma sociedade muito melhor do que a nossa?

RR: Justamente por isso, o ensino enquanto crítica é mais atual do que nunca. A crítica se exerce sobre determinado saber. Ninguém critica sem conhecer algo do setor estudado. Houve um erro aqui no Brasil, por exemplo, o de se ensinar a crítica sem expor os conteúdos. Você critica aquilo que sabe. Quando Kant escreveu a Crítica da Razão Pura, ele já sabia a física de Newton. A crítica é tentar entender como funciona a produção do conhecimento, no sujeito e nos objetos. A palavra grega que originou a crítica significa escolher, triar, comparar, julgar. Só é possível efetuar estas operações com algum conhecimento, pelo menos parcial. Criticar a partir de um suposto nada de consciência é falta de sentido. Toda consciência é consciência de alguma coisa. Este é um lado do problema.

C: E qual o outro lado?

RR: O outro, o seu oposto, é a concepção apenas conteudística do saber, como acúmulo erudito de fórmulas, de citações, de procedimentos “consagrados”. Francis Bacon, o pai da ciência experimental, repete uma anedota sobre o pedante que se insurgia contra o uso livre da cultura latina, e se dedicava ao culto quase religioso de Cícero, copiando servilmente o orador romano. Levei dez anos estudando Cícero!”, dizia o pedante em bom latim. “Asno”, repetia o seu crítico, em irreverente grego. Ou seja: os modelos devem ser seguidos, mas eles não são únicos, e devem ser encarados apenas como paradigmas, não como motivo de cópia servil.


C: O pedantismo é uma praga para o saber?

RR: Sim. Quantos pedantes existem no mundo intelectual, como os que “seguem” servilmente este ou aquele teórico! Existem muitos “ismos”, “istas” e “anos” no mundo acadêmico. Esta é uma força que paralisa o pensamento nos campi. O pedante, segundo os seus críticos renascentistas, lia todos os livros, em muitas línguas, mas não entendia nenhum deles. Kant assim define o indivíduo que sabe de cor tudo o que se escreveu sobre um assunto, mas não consegue pensar os conceitos implicados, e não sabe ir do geral ao particular. Se lhe perguntam o que é isto, ou aquilo, diz que “isto é assim segundo...”. Aristóteles ou Platão, ou qualquer outro mestre. “E você, o que pensa do objeto?”. A resposta é o silêncio. Pois bem, este é o idiota, no entender de Immanuel Kant!


C: Qual seria sua configuração atual?


RR: Hoje, podemos ter o pedante da Internet: a individualidade que sabe todos os sites, conhece todas as notícias, mas não pensa nenhuma delas. Com a Internet, nunca tanta informação útil foi veiculada no globo terrestre. E nunca tanta informação inútil foi veiculada no globo terrestre.


C: Como separar o joio do trigo numa massa de informações desse porte?


RR: O processo de produzir a mente crítica é fundamentalmente o do ensino formal, no primeiro e no segundo graus, e o da Universidade. É preciso formar pessoas que saibam interpretar os dados. Saber o que perguntam, inclusive. Hoje existem sites de busca, como o Projeto Perseus, que realizam em algumas horas aquilo que um pesquisador em Filosofia antiga levava 30, 50 anos. Mas é necessário que o sujeito saiba o que é Filosofia, que perguntas filosóficas é preciso fazer. O Projeto Perseus sublinha cada palavra de cada texto filosófico ou literário grego. Mas é preciso saber minimamente o que é um caso, um gênero, a semântica dos termos, além dos conceitos filosóficos, dos problemas da tragédia ou da comédia, dos assuntos políticos, dos jurídicos, etc.


C: A figura do mestre ainda é indispensável, na sua opinião?


RR: A educação formal não está e não será superada. É balela dizer que se vai superar, através de meios de educação a distância, essa forma de educar face a face. Computadores dentro de uma escola formal ajudam enormemente a tarefa de ensinar – como os livros antigamente ajudavam muito. Mas é preciso que os estudantes saibam interpretar, discutir, analisar e, sobretudo, desconfiar.


C: A universalização do saber crítico ajudaria a resolver o impasse atual do sistema democrático?


RR: Essa foi a grande esperança do século 18, o das Luzes, que levou à instauração da democracia francesa e da democracia moderna. Mesmo nos EUA, o sistema resulta dessa longa luta que veio do século 16 e culminou no século 18, em defesa da mais ampla distribuição de saber pela população. Aqui no Brasil, vivemos sob o signo da contra-revolução francesa.


C: Em que momento os brasileiros foram iluministas?


RR: Quando se fala dos inconfidentes mineiros, por exemplo, não se menciona que a primeira coisa que os inconfidentes queriam, a partir da leitura de Bacon, de Rousseau, de Diderot, de Condorcet, era produzir uma Universidade aqui. Dentro de um Estado liberal. O que aconteceu? A Insurreição Mineira foi vencida, como todas as insurreições liberais, inclusive em Pernambuco, na ponta da espada dos exércitos de Caxias, com as bênçãos da Igreja e dos positivistas. Não tivemos entre nós o desenvolvimento daquilo que existiu no século 18. Lembre-se de que Portugal proibia a circulação de livros, até de piedade, aqui. Não tivemos, portanto, a cultura das Luzes.


C: Quais as conseqüências disso para o país?


RR: Isso naturalmente se reflete no estilo de distribuição desigual de saberes que temos hoje. A USP, por exemplo, foi fundada para as elites. Nos textos do professor Fernando de Azevedo, dos fundadores da USP, do jornal O Estado de S. Paulo, vemos como todos tinham a idéia de que a USP era uma universidade para a elite – e se possível, que nela não entrasse nenhum negro. Há um livro de Júlio de Mesquita Filho, chamado A crise nacional – reflexões em torno de uma data, de 1929, em que ele lamenta a existência, no Brasil (pode pôr entre aspas, que é uma coisa que vou lembrar até o fim da vida), da “massa impura e formidável de dois milhões de negros, subitamente investidos de prerrogativas constitucionais, fazendo descer o nível da nacionalidade, na mesma proporção da mescla operada”. Fecha aspas. É esse pessoal que criou a USP. Não é de admirar que se encontre, nas universidades brasileiras, a inexistência ponderável do elemento negro, que é o elemento pobre.


C: O que torna a tese iluminista tão ameaçadora?


RR: No século 18, em Minas, a Enciclopédia de Diderot era lida pelo povo nas bibliotecas. As bibliotecas foram fechadas e as pessoas, presas. Diderot dizia que nunca será preenchida a separação entre o cientista e o povo, por mais educado que seja esse povo. Por quê? Porque o cientista está sempre na ponta dos saberes. Mas é preciso diminuir ao máximo tal distância, e esse é o alvo da educação pública.


C: Por que o óbvio demora tanto a ser visto?


RR: Porque intelectual é um bicho muito estranho. Os intelectuais universitários, sobretudo, têm pouca responsabilidade social. Alexandre Kojève, descrevendo a “comunidade” acadêmica a partir de Hegel, diz que o mundo intelectual é o dos “ladrões roubados”. Cada um, a partir do acúmulo de saberes, apropriados como se fossem descoberta pessoal, produz conceitos, fórmulas, técnicas, que julga sua propriedade. Mas se todos agem assim, todos imaginam que seu saber é propriedade privada.
**************************************************************

PROFESSOR ROMANO:

AGORA A PIADA QUE UMA AMIGA ME CONTA:

Nós, nas universidades, fomos pegos pela SÍNDROME GABRIEL CHALITA, publicamos 3 a 6 livros por ano para a cultura lattes com nossas receitas.

E em Brasília, Braziu!


Agora, agorinha, 50 estudantes fizeram protesto contra o espúrio aumento de "salários" dos deputados e senadores deçe páis chamado Braziu. Que mais e mais se reunam contra eça vergonha. E pensar que esses políticos nem fazem greve. Mas são contra a greve dos outros, os que trabalham.

Repeteco no cacareco: Chavela!

Luz de luna

A cantora, em Madrid, numa tarde, numa praça... que comunidade linda. Ela, com 90 anos, eles, jovens... Luz de luna siempre...

Luz De Luna

Luis Miguel

yo quiero luz de luna
para mi noche triste
para pensar divina
la ilusión que me trajiste
para sentirte mía
mía tú como ninguna
pues desde que te fuiste
no he tenido luz de luna.
yo siento tus amarras
como garfios, como garras
que me ahogan en la playa
de la farra y el dolor.
y llevo tus cadenas a rastras
en la noche callada,
que sea plenilunada,
azul como ninguna
pues desde que te fuiste
no he tenido luz de luna
pues desde que te fuiste
no he tenido luz de luna
si ya no vuelves nunca
provincianita mía
a mi selva querida
que está triste y está fría
que al menos tu recuerdo
ponga luz sobre mi bruma,
pues desde que te fuiste
no he tenido luz de luna.
pues desde que te fuiste
no he tenido luz de luna

Luz De Luna (tradução) Luis Miguel

LUZ DA LUA

Eu quero a luz da lua, para a minha noite triste
Para pensar divinamente
Na ilusão que me trouxestes

Para sentir-te minha
Minha você, como nenhuma
Pois desde que fostes
Eis que não tenho, a luz da lua

Eu sinto tuas amarras
Como garfos, como garras
Que me afogam na praia, da farra e da dor

Eu levo suas correntes a rasto
Na noite silenciosa
Que está enluarada, azul como nenhuma

Pois desde que fostes
Eis que não tenho, a luz da lua
Pois desde que fostes
Eis que não tenho, a luz da lua

Se já não volta nunca
Caboclinha minha, à minha selva querida
Que está triste, e está fria

Que ao menos sua recordação
Ilumine meu nevoeiro
Pois desde que fostes
Eis que não tenho, a luz da lua

Eu sinto tuas amarras
Como garfos, como garras
Que me afogam na praia, da farra e da dor

Eu levo suas correntes a rastro
Na noite silenciosa
Que está enluarada, azul como nenhuma

Pois desde que fostes
Eis que não tenho, a luz da lua
Pois desde que fostes
Eis que não tenho, a luz da lua...

2010: antes tarde do que nunca!

XÔ! FORA! OUT! Xu, xabú!
Do Solda. aqui

Cacareco bom

Joan Baez, De colores

Sublime...

Currículossss....


Para as amigas Cremilda e Glória. Divirtam-se!



Um coelho, um pássaro, peixe, esquilo, pato etc resolveram fundar uma escola. Todos se sentaram para escrever o currículo. O coelho insistiu para que a corrida figurasse no currículo. O pássaro insistiu para que o vôo constasse do currículo. O peixe insisitiu pela natação no currículo. O esquilo insistiu para que a escalada perpendicular das árvores figurasse no currículo. Todos os outros animais queriam que suas especialidades também figurassem no currículo de modo que incliuiram tudo e depois cometeram o erro glorioso de insistirem para que todos os animais fizessem todos os cursos. O coelho foi magnífico na corrida; ninguém sabia correr como o coleho. Mas insistiram em dizer que era uma boa disciplina intelectual e emocional ensinar o coelho a voar. Assim, insistiram para que o coelho aprendesse a voar e o puseram num galho e disseram: VOA, COELHO! E o pobre coitado saltou, quebrou a perna, fraturou o crânio. Teve uma lesão no cérebro e depois não conseguia mais correr muito bem. Assim, em vez de ter um A na corrida teve C. E teve D no vôo, porque estava tentando. E a comissão do currículo ficou satisfeita. O mesmo se deu com o pássaro - voava como um louco por toda a parte, dando voltas e reviravoltas, e ia ganhar um A. mas insistiram para que o pássaro fizesse buracos no chão como uma toupeira. Claro que ele quebrou o bico e as asas e tudo o maisa aí não sabia mais voar. Mas ficaram muito satisfeitos ao lhe darem um C no vôo e, assim por diante. E sabem quem foi o melhor aluno daquela turma, quando se formou? Uma enguia retardada que sabia fazer tudo razoavelmente. A coruja abandonou os estudos e agora vota contra todos os impostos que tenham a ver com escola.


Leo Buscaglia. Vivendo, amando e aprendendo. Rio de Janeiro: Editora Record, 1999

O salário ínfimo!


« José, Maria e a morte de sua criança no sertão nordestino do SAKAMOTO AQUI


O debate (e as desculpas) contra o aumento do salário mínimo
» Estamos em plena discussão sobre o valor do salário mínimo em 2011. A área econômica do governo (deste e do próximo) briga por R$ 540,00 enquanto o ministro do Trabalho quer R$ 560,00 e as centrais sindicais defendem R$ 580,00.

Enquanto isso, “especialistas” descabelam-se na mídia com o impacto desse aumento nas contas públicas. Abaixo, posto pérolas desses especialistas reunidas do material deste blog. Muitas vezes essas análises são produzidas em uma linguagem que poucos conseguem entender, ou seja, em código para atingir aqueles que sabem decodificá-lo, ou seja, um grupo economicamente seleto. Ou, por outro lado, podem ser colocadas de forma a parecerem proposições tão claras e óbvias que ir contra elas é um atentado à razão. Em outras palavra, “só um idiota não concordaria com isso”.

“O governo deve desvincular a Previdência do aumento do salário mínimo. Os aposentados não podem receber aumentos na mesma progressão que a população economicamente ativa.”
Em outras palavras, quem pode vender sua força de trabalho merece comer, pagar aluguel, comprar remédios. O governo tem que se preocupar em garantir a manutenção da mão-de-obra para o capital – o resto que se dane. Para que gastar com quem já não é útil à sociedade com tanta dívida pública para ser paga? Melhor seria instituir de vez que, chegando a tal idade, os idosos pobres deveriam se destinar a instituições parecidas com aquelas do livro “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley, para serem reciclados. Mais rápido e limpo.

“Cada real a mais de salário mínimo representa um aumento de milhões no prejuízo do governo federal”
Primeiro, se fossem efetivamente cobradas as grandes empresas sonegadoras da Previdência, o “rombo” não seria desse tamanho. Mas isso é de interesse de quem? Dos representantes políticos que receberam doações de campanhas dessas mesmas empresas? Além disso, constata-se que a cada aumento no salário mínimo ocorre um aquecimento na economia de locais de baixa renda, o que gera empregos e melhora a qualidade de vida de milhões de pessoas. Então, seria interessante o especialista definir melhor o que é “prejuízo” antes de usar o termo.

“É importante aumentar o mínimo? Sim. Mas a população tem que entender que não é o aumento do mínimo que vai distribuir renda e sim o crescimento da economia.”
Os economistas da ditadura militar falavam a mesma coisa, mas de uma forma diferente, algo como “é preciso primeiro fazer o bolo crescer, para depois distribui-lo”. Por isso, apesar de você ter ajudado a produzir o doce tira a mão dele que não é hora de você consumi-lo. Hoje, são alguns que vão comer. Vai chegar a sua vez de provar do bom e do melhor. Enquanto isso, vai sorvendo este mingau.

Considerando que nossa concentração de riqueza é uma das mais altas do mundo, percebe-se o tipo de resultado que dá essa fórmula. Além do mais, salário mínimo não é programa de distribuição de renda, é uma remuneração mínima – e insuficiente – por um trabalho. Não é caridade e sim uma garantia institucional de um mínimo de pudor por parte dos empregadores e do governo. O melhor de tudo é o tom professoral de “A população tem que entender”, como se o especialista que disse isso fosse um ser iluminado dirigindo-se para o povo, bruto e rude, para explicar que aquilo que eles sentem não é fome. Mas sim sua contribuição com a geração de um superávit primário para que sejam honrados os compromissos internacionais do país.

“Já houve um bom aumento do mínimo nos últimos anos. Agora, o governo deve diminuir o ritmo de aumento para não prejudicar o país
De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (Dieese), o salário mínimo mensal necessário para manter dois adultos e duas crianças deveria ser de R$ 2.222,99 – em valores de novembro de 2010. Hoje, é de 510 mangos. O Dieese considera o salário mínimo “de acordo com o preceito constitucional ‘salário mínimo fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas e às de sua família, como moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, reajustado periodicamente, de modo a preservar o poder aquisitivo, vedada sua vinculação para qualquer fim’ (Constituição da República Federativa do Brasil, capítulo II, Dos Direitos Sociais, artigo 7º, inciso IV)”.

No acordo que estabeleceu com as centrais sindicais, o governo federal atrelou o ritmo de crescimento do PIB ao do salário mínimo, na tentativa de resgatar seu poder de compra. O combinado prevê reajustes baseados na soma entre a inflação do ano anterior e a variação do PIB de dois anos anteriores. Como o PIB foi ligeiramente negativo em 2009 devido à crise econômica internacional, haveria apenas reposição das perdas inflacionárias. OK, se o mínimo fosse o valor do Dieese, vá lá. Mas estamos longe de garantir dignidade com esse “mínimo de brinquedo”, portanto é inaceitável que seu valor real permaneça o mesmo. Ainda mais com o crescimento alto que teremos este ano. Uma alternativa é puxar parte do crescimento do mínimo do ano que vem para este.

O debate está duro. É claro que ninguém está pregando aqui a irresponsabilidade fiscal geral e irrestrita, mas o aumento do salário mínimo é uma das ações mais importantes para garantir qualidade de vida ao andar de baixo. Deveria haver mais empenho por parte de governo e oposição (que também está defendendo um aumento alto mas sem mostrar com precisão de onde virão os recursos) para procurar alternativas.

Vale lembrar que a Câmara dos Deputados e o Senado Federal aprovaram o aumento dos vencimentos de deputados federais, senadores, presidente, vice-presidente e ministros para R$ 26.700,00 mensais a toque de caixa. Esse valor representa mais de 52 salários mínimos/mês. O impacto total no Tesouro é menor que o aumento do mínimo, claro. Mas é tão simbólico o desenrolar desses dois processos que me dá paúra no estômago.

Em 2011 ...

... antes de pedir empréstimo, tirar mais um cartão de crédito...lembre-se! Você está em um país de fachada.

Rumo a 2011

Imagem: Guto Cassiano
Após 8 anos de governo Lula muita coisa mudou. Antes de mais nada: concordo com Chico de Oliveira que Lula mostrou que o capitalismo é viável no Brasil. Num texto lúcido escrito na década de 1980, Florestan Fernandes descreve 1930 no Brasil. Tratando da destroçada educação brasileira mostra que as propostas dos escolanovistas - propostas em parte liberais - não vingaram no Braziu porque a no$$a burguesia era muito atrasada. Tão retrógada que esperamos até 2003 o governo do partido dos trabalhadores para mostrar como se faz um país capitalista.

No plano das ideias, das novas definições passamos por momentos interessantes: a direita em alguns casos deixou de ser direita e tornou- se aliados da primeira hora. Amigos. Sem qualquer conotação ideológica. A imagem símbolo do beijo da ex-senadora Idely Salvati no também senador Sarney é o marco dessa amizade sem ideologia. Delfim Neto, aquele mesmo Delfim da ditadura militar, passou a ser elogiado pelos principais petistas da cena política. A esquerda petista deixou de ser esquerda e tornou-se lulista. Quem é a favor de Lula quem é contra. Conhecemos uma república de cargos oferecidos a sindicalistas. República dos sindicalistas. Em 2003 esses sindicalistas mostraram o peito e a cara: meteram-nos uma reforma da previdência. O petista Professor Luizinho bateu em colegas. Foi chamado de cabo Anselmo da previdência. Ao lado do Luizinho, tivemos os Huguinhos e Zezinhos. Estes camaradas mudaram a palavra ética. Ética passou a ser uma marca abstrata de camisa e camisolas. Em nosso dicionário ética passou a ser étitica. Em qualquer eleição (para governos, universidades,e scolas, sindicatos) a esquerda, ou ex-querda, põe sua colher de pau e etitica. Aquele máxima do Guiseppe de Lampedusa ALGO TEM QUE MUDAR PARA QUE TUDO FIQUE NA MESMA - é a capa de todos os manuais de eleições no Braziu. Acabou a época de denúncias de roubos da coisa pública, de cuidados com a educação, de preocupações com a s gerações ... hoje se você critica a ex-querda você é liberal ou liberal tucano ou liberal neo. Pode escolher. O professor Roberto Romano foi chamado de liberal tucano, conta em seu Blog. Há o liberal para tudo. Liberal tucano, liberal leão, liberal mosca...

Sugiro que façamos um dicionáriopara a ex-querda: ex-querda camelo, para aqueles que continuam trabalhando para o partido, dão sua cota de contribuição sempre; ex-querda hiena, ri sempre, ri de nossa desgraça, mas ri. Ex-querda leão, come a carne dos companheiros, dos amigos e inimigos. Ex-querda ofídica, ajuda o leão. Dá os botes, esconde-se e envenena a área. Ex-querda dengue, deixa a gente doente de tanta picada. Ex-querda-rato, esguia, ágil e faceira. Critica a direita (não sei qual, dá aulas sobre Karl Marx, critica o neoliberalismo) e ri de sua boa habilidade; ex-querda coelho, corre para todo lado, fala, fala e divulga seu governo.

O resultado de tudo isso, é que a etica ôps, etitica vigora. Em todo canto, em toda instituição, em todo lar. É o custo de ser capitalista a qualquer preço.

Sublime!

Da UOL. O humorista Fernando Muylaert decora sua casa com brinquedos. Adorei! Amo esse gato da Alice!

domingo, 26 de dezembro de 2010

Sem comentários


Presente....


O sorteado para ganhar o livro Cobras criadas foi ... Wilson Resende. Por favor, envie-me de novo seu endereço.


Abraços!

Temple


TEMPLE GRANDIN
É um filme que assisti há um mês. Foi produzido pelo HBO e lançado em 2010. Hoje a HBO passou novamente este filme sobre a vida de Temple Grandin, autista e de sua mãe que não desistiu de descobrir como educá-la. Baseado em fatos reais é um boa película. Sublime e deliciosa.


Para o download ver:
Temple Grandin [2010].rar

Bye, bye Braziu....

Roberto Menescal, Wanda de Sá...

AVE MARIA por Jorge Aragão: sublime!

Para Dona Rosinha, minha canoa....

Aleluia aos queridos amigos!

Queridos, vocês fazem a diferença! Toda a diferença!


Juju e o pai, Jão!

Noelizadas!

Me and Juju!

...o direito à resistência


Homo Seditiosus
de Rui Bebiano, Portugal, Blog A terceira noite AQUI
Em Roma sê romano.

Em «La rivoluzione è finita. Inizia l’età della rivolta», publicado no La Stampa do passado dia 16, o italiano Marco Belpoliti, escritor, crítico literário e professor de sociologia da literatura, confronta-nos com uma situação que não podemos ignorar. De Clichy-sous-Bois, nos arredores de Paris, em 2005, aos motins estudantis de Londres e de Roma em 2010, passando por Atenas em 2008, a revolta pura e dura parece ter ocupado o antigo lugar da revolução. Sem um programa ou objectivos políticos claros, sem um ideal a perseguir desenhado no horizonte, ela não se projecta no futuro mas antes no imediato.

A Ocidente como a Leste, em Nova Iorque como em Xangai, o estado de revolta «suspende o tempo histórico e cria o instantâneo», assegurando a aparente vitória do presente sobre o futuro. Este vive do instante e é no instante que se constrói. Belpoliti recorre a uma evocação de Walter Benjamin a propósito da forma como durante a Comuna de Paris os communards disparavam furiosamente sobre os relógios. Queriam que o tempo parasse ali mesmo, sem remissão, numa vitória efémera que durasse para sempre e pusesse termos às cadências opressivas da vida e do trabalho. Foi assim também muito tempo antes, durante os grandes levantamentos anti-senhoriais do século XIV, ou enquanto durou a Guerra dos Camponeses na Alemanha do século XVI. Prestes a serem massacrados na batalha de Mauthausen, os sublevados recusaram-se a aceitar a superioridade militar dos poderosos, pois esperavam que Cristo em pessoa entrasse no terreno de luta para suspender os factos e consagrar a vitória definitiva dos crentes e dos espoliados.

Nada disto tem já a ver com a «guerra civil», conduzida por gangs de delinquentes ou grupos de extrema-direita, que segundo Hans Magnus Enzensberger pelos finais dos anos oitenta pareciam preparar-se para tomar para si as ruas dos «bairros problemáticos» das grandes metrópoles do mundo industrializado. Esta é uma outra forma de violência, que parece antes uma resposta estrutural à ausência de perspectivas de uma mudança revolucionária. Combate-se nas ruas como Robin Wood e os seus se batiam nos arrabaldes de Nottingham, como um Zorro ficcional lutava em nome dos fracos e dos oprimidos: procurando mitigar a injustiça e exercendo por vezes o direito de vendetta. Sigo ainda Belpoliti: «Devemos preparar-nos para viver uma época diferente daquela que marcou a vida dos nossos pais e dos nossos avós, uma época que não possui um sentido único, ou pelo menos um destino preestabelecido.» Neste tempo, o homo seditiosus, o homem sublevado, apresenta-se como o campeão de uma humanidade que desce à rua. Hoje, mas igualmente amanhã, e depois de amanhã, para realizar «uma arte sem obra» determinada pelo direito à resistência. Uma perspectiva sobre a qual vale a pena ir meditando nos intervalos da acção.

Braziu!

Braziu!

Arquivo do blog

Marcadores