TUCA PUC 1977
EU QUASE QUE NADA SEI. MAS DESCONFIO DE MUITA COISA. GUIMARÃES ROSA.

sábado, 30 de abril de 2011

Liberdade...




Viola Enluarada.


Da época em que era o gado que comia capim e não o capim comia o gado.

Sublime....




San Vicente... 1974 Milton Nascimento

Street art utopia



Joga pedra na Geni!




Para as Genis, uma salva de palmas! Uma ova para os perversões! Chico Buarque


Gente decente...




Milton Nascimento, Milagre dos peixes (repeteco)

Otoridades: fi-lo porque qui-lo!





Mágoas passadas não movem moinhos?
Publicado em 30/04/2011 por Solda
Macaco Solda na interpretação de “Macacos me mordam!” Foto de Maringas Maciel feita em dezembro de 2010

Solda, Censura e Neoliberalismo, ou “El presidente y los macaquitos”.




Quando afirmo que há menos liberdade hoje do que no tempo da ditadura militar, sempre há quem me chame de pessimista, entre outros adjetivos bem mais pesados.

No entanto, aí está o “Caso Solda” prá mostrar que tenho razão. O que os militares faziam prendendo e arrebentando – na expressão consagrada de um deles, que já esqueci quem era – agora se faz por procedimentos jurídicos e econômicos, sacaneando quem ousa extrapolar da passividade generalizada, com demissão.

Não lembro se o Solda foi censurado durante as quase três décadas de regime ditatorial – para agora ser vitimado, em pleno século XXI, pela mais tosca e safada das pressões: aquela que atinge o indivíduo em seu sustento.

Nos anos setenta, Umberto Eco, um dos “professores da modernidade”, escreveu uma de suas muitas obras-primas que abriram a cabeça do mundo para os fenômenos da contemporaneidade. Em “Obra Aberta”, ele assinala que as obras mais importantes da História da Arte são ambíguas em seu recado. O sorriso da Gioconda, um edifício de Mies van der Rohe, um filme de Godard (exemplos meus): quem vê, conhece, assiste, atribui à obra significados que não estão necessariamente na intenção do autor, mas em grande parte – variando de zero a cem por cento – no repertório cultural, nos valores do leitor.

Para além da excepcional qualidade do desenho inconfundível do Solda, que o coloca entre os maiores cartunistas brasileiros de todos os tempos, o cartum censurado contém ambigüidades, como deve ser uma obra não fechada e não hermética. E portanto, na ótica de um pensador acima de qualquer suspeita como Eco, tem a qualidade de permitir que os leitores vejam nela significados em que o próprio Solda não pensou nem poderia ter pensado, visto que dependem do acervo do leitor. A legenda, que remete ao gesto do macaco, participa dessa ambigüidade.

As acusações contra o Solda são de racismo e abuso da liberdade de expressão. As duas são ridículas: liberdade de expressão, como qualquer outra liberdade, existe ou não existe; se existe é para ser usada. Lá nos tempos ditatoriais, Millôr Fernandes disse que “só jornais mentirosos, escandalosos, corruptos e caluniadores nos dão a medida da nossa liberdade de imprensa”. Quer dizer: se há limites, não há liberdade.

Quanto à acusação de racismo, ai que cansaço: o Solda, se tem alguma intolerância, é contra qualquer tipo de preconceito. Acusá-lo disso é apenas mais um imbecilismo do “politicamente correto”, uma farsa, destinada a gerar causas e processos e deixar tudo igual. Ou pior.

Qualquer macaco velho com a folha de serviços do Solda, sempre batalhando por uma Justiça de verdade, sabe que levar porrada faz parte do ofício de quem ousa ser contra a subserviência ao autoritarismo. Humor a favor não existe, a não ser como piada. A própria atitude do jornal, não dando explicações, é no melhor estilo autoritário, “fi-lo porque qui-lo”

Ninguém se refere ao tema do cartum, que é a revolta planetária contra a facilidade com que o xerife saca seus mísseis e mariners contra os mais fracos – entre os quais nós, bananeiros. Pelo menos os que não acreditamos nessa conversa prá macaco dormir de “sétima economia do mundo”. Pensando bem, sete é mesmo conta de mentiroso…

Continuamos sendo tratados com condescendência, como macaquinhos de zoológico – nos dão umas bananinhas nanicas prá acharmos que a jaula é melhor que a floresta. Liberdade de expressão, liberdade de imprensa – banana prá quem acredita que isso existe em “democracia” neoliberal…

Key Imaguire Jr. é arquiteto e professor

28 de março, 2011 Do blog do Zé Beto


***************************************************


Solda, quando eu li este texto, chorei. Sinto tanto esta sua perseguição. Sinto mesmo! As vezes também penso que há menos liberdade hoje do que na ditadura. Mas, o que sei é que a liberdade é cantada, e a canalhice é velada. Nisso a esquerda (toda até os autodenominados anarquistas) aprendeu com a direita: vamos pisar na verdade e na liberdade. Vamos massacrar aqueles que indicam problemas. OU, COMO VOCÊ, AQUELES QUE TÊM TALENTO E HUMOR.


Aqui onde trabalho não fiz nenhuma charge. Mas, há o ditado FI-LO PORQUE QUI-LO.


e dá-nos BANANINHAS PARA COMER E NÃO FALAR. DEIXAR A BOCA OCUPADA.


Do Blog do SOLDA.
Também fiz um rai kai, Solda:


Hi, boss*

basta

de tanta

bosta

* Boss - big chiefs


Ainda bem que o Delúbio voltou para o PT. Já pensou se voltasse a dar aulas? Pobres crianças. Já pensou se viesse trabalhar na Universidade onde trabalho? Uia! Está no partido, como o partido é deles, eles que se f*.


solda

Sequiço por Solda



Foto de Furnaius Rufus do Solda Corra ao novo endereço do Blog dele:




Os gambás se suicidam cheirando um lenço embebido em perfume francês falsificado ao perceberem que a impotência está a duas quadras de distância.

As samambaias do litoral são as únicas plantas que não sentem atração nenhuma por cadeiras coloniais, mas são capazes de amar intensamente qualquer frasco de água de colônia.

As focas, ao chegarem à praia, dão uma rápida reboladinha e se mandam para a Nigéria, que é o local mais indicado para elas, nesses momentos de intenso prazer.

As vacas argentinas, ao serem curradas pelos touros uruguaios, sentem na carne a opulência do macho, a não ser que ele esteja do outro lado da cerca.

Os contos eróticos noruegueses, depois das cinco da tarde, perdem completamente a noção do tempo.

Um jacaré, por mais experiente que seja, não sabe o que é um peitinho intumescido.

Os lagartos hipocondríacos não sabem distinguir um maço de salsão de um espanador.

O cão pequinês, ao sentar num rolo de arame farpado, torna-se irreverente e petulante e imediatamente começa a pronunciar palavras de baixo calão, esfregando a orelha num frenesi incontrolável.

Os pintores renascentistas, ao descobrirem os marsupiais, acabavam com a vida em rápidas pinceladas.

Depois do terceiro uísque o javali é um animal insuportável.

O óleo de fígado de bacalhau é o afrodisíaco mais usado pelos macacos da esquerda radical, na África.

As colheres, ao contrário do que se pensa, não têm uma vida sexual ativa. Quando muito, conseguem obter orgasmo apenas três vezes durante a vida, dois deles dentro de pratos de sopa requentada.

Os grilos machos, no verão, permanecem em silêncio e com a luzinha apagada a noite toda, com a finalidade de atrair a parceira que se encontra a milhares de km de distância e não sabe que o macho apagou a luz mas ainda não foi dormir.

Solda (Prof. Thimpor)

Street art utopia



Assassinatos cotidianos!

Foto: assassinato de uma mulher no Irã, em 2004.


Li, há muito tempo as confissões de Rousseau. Procurei há dias a Confissão de Santo Agostinho (354-430). Suas Confissões são consideradas autográficas. Assisti ao documentário de Noan Chomsky, A fabricação do consenso. Neste, faz uma confissão. Quando era criança, um menino gordinho, em sua escola, ficava sempre perto dele (Chomsky). Acompanhava-o em todo lugar. Um dia, esse menino foi cercado por um grupo de adolescentes "pugilistas" e Chomsky, com medo, acovardou-se e deixou o amigo sozinho. Nunca se esqueceu disso, diz o linguista.


Bem, eu também cometi um "pecado". Em 2006, uma colega secretária de um lugar foi assediada sexualmente. Eu soube. Soube e não a ajudei. Bella roba, diria meu pai. Ou seja, bela bosta, Marta, você foi. Eu me sinto uma grande idiota. Sacana. Falei disso a um advogado há pouco tempo. O crime prescreveu. Os criminosos, inclusive eu, não. Todos os chefes souberam disso. Ninguém confessou: EU SEI! VAMOS LHE AJUDAR!

Fina Estampa




Caetano Veloso


Fina Estampa, porque hoje é sábado!

Costumes do Brasil: dar pequenos e grandes golpes ou delubismo!



Do Blog de ROBERTO ROMANO:


PROFESSOR ROMANO: SE EU LHE CONTO DO BULLYINNG NA UNIVERSIDADE ...


Atualizado em 29/04/2011 - 15:15
O bullying do Senado


RUTH DE AQUINO
é colunista de ÉPOCA
raquino@edglobo.com.br


Somos vítimas de bullying político, moral e cívico. E nada fazemos. O país parece anestesiado pela overdose real de William e Kate naquela ilha ao norte do Equador. Ao sul, em nossa república tropicalista, assistimos passivamente a uma das cerimônias mais vergonhosas do Senado. Renan Calheiros acaba de entrar para a Comissão de Ética. Roberto Requião arranca gravador de repórter para apagar sua própria entrevista. Tudo com o beneplácito do padrinho-mor José Sarney.

Tapa na cara, bofetada na nação, cinismo institucional. Assim cientistas políticos e especialistas em ética classificaram as últimas ações do Senado. Roberto Romano, da Unicamp, declarou: “Se o Senado fechar amanhã, ninguém vai sentir falta, salvo os lobistas e os políticos que querem atingir o Tesouro Nacional por meio da troca de favores”. Claudio Abramo, diretor da ONG Transparência Brasil, foi além: “O Senado não precisa existir, não tem função. Não há nada que ele faça que a Câmara não possa fazer. Pode desaparecer sem prejuízo e seria até mais barato”.

Essas reações podem parecer destemperadas numa democracia que atribui seu equilíbrio à existência de duas Casas: a Câmara e o Senado. Mas respeito e credibilidade não são automáticos. Oito senadores indicados para a Comissão de Ética respondem a inquéritos ou processos no Supremo Tribunal Federal. A missão desse grupo “seleto” é vigiar e garantir o decoro dos 81 senadores. No novo conselho, muitos são amigos íntimos, alguns conterrâneos, do maranhense Sarney. O próprio Sarney esteve envolvido em 11 processos no ano passado – mas foi entronizado como “homem não comum” pelo ex-presidente Lula.

O presidente da Comissão de Ética, João Alberto, do PMDB, governou o Maranhão em 1990. Nesse ano, uma lei estadual doou um prédio histórico à família Sarney. Quem é João Alberto para ser o guardião do decoro do Senado? Quais são suas credenciais para o país acreditar em seu slogan “Vamos cortar na nossa própria carne”? Nas três vezes em que ocupou o mesmo cargo, João Alberto engavetou todos os processos abertos na Comissão de Ética. No Brasil de hoje, “formação de quadrilha” deixou de ser acusação.

Mais escandaloso é o resgate do líder do PMDB, o alagoano Renan Calheiros. O conselho aprovou em 2007 sua cassação, rejeitada pelo plenário. Calheiros enfrentou denúncias de quebra de decoro, corrupção, desvio de dinheiro público, sonegação de bens, uso de laranjas. Renunciou à presidência do Senado e foi absolvido pelos pares.

Oito senadores indicados para a Comissão de Ética estão enrolados na Justiça. É um tapa na cara da nação
A denúncia mais ruidosa contra Calheiros foi a de usar o lobista de uma construtora para pagar uma pensão mensal a Mônica Veloso, com quem teve uma filha fora do casamento. Ele alegou que alimentava a menina com a venda de bois nas suas fazendas. As notas fiscais estavam irregulares.

Mônica teve seus 15 minutos de fama, posou nua e hoje apresenta um programa de carros, Vrum, na televisão mineira.

Ela deixou imortalizada em seu livro uma descrição humana do amante. Segundo Mônica, Renan fingia que ia se separar. “No início do namoro, ele estava meio gordinho, mas fez dieta.” O casalzinho ia a festas, e Mônica era tratada “com deferência” no Senado. Para Renan, ela era “uma rosa única entre milhões de rosas”. O então presidente do Senado cantarolava “Eu sei que vou te amar” de noite ao telefone, e queria pular Carnaval de rua com ela na Bahia. Mônica chamava Renan de “docinho”, “de tão meigo que ele era”, mas ele entrou em pânico quando ela disse estar grávida.

Tudo o que Calheiros possa ter de “docinho”, seu colega de Senado Roberto Requião tem de truculento. Arrancou na segunda-feira um gravador das mãos de um repórter. Irritou-se com uma pergunta procedente: ele abriria mão da aposentadoria de R$ 24.117 que recebe como ex-governador do Paraná? Requião só devolveu o gravador após apagar a entrevista. Sarney o defendeu: “Requião é um cavalheiro”. Na tribuna, o senador disse ser vítima do “bullying de uma imprensa às vezes provocadora e muitas vezes irresponsável”.

Bullying é o que os senhores, senadores, resolveram praticar contra quem paga seus subsídios

Brasil: delubismo!

O senado designa Calheiros para a Comissão de Ética. O Delúbio volta de braços abertos ao PT graças à articulação do grupo Articulação. 60 votos do PT a favor, 15 contra e 2 abstenções. Uia, que vergonha.

Conheço um caso, em outra esfera, a educacional, que o delubismo quer vigorar!

SPONHOLZ

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Até

Estou indo. Agenda cheia para um sexta.
1 - Advogadas;

2 - II Simpósio Internacional de Educação Sexual. Está sublime. Ontem apresentei meu trabalho retórica e imagens de campanhas de prevenção ao HIV/Aids. A noite show com drags queens. Maravilha!

3 - II SIES

4 - II SIES ...


Na Má-ringa!



Ivana Veraldo do Blog do Angelo Rigon, na Má-ringa


Perfil do secretário municipal de Educação



A Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) estabelece esforço no sentido de definir o perfil requerido para o exercício do cargo de secretário municipal de Educação e para isso, desenvolveu uma pesquisa em parceria com o MEC/Fundescola e concluiu que esse cargo deve ser ocupado por um gestor formulador de políticas educacionais com as seguintes características: contribuir com a criação e implantação do sistema municipal de ensino, buscando uma educação de qualidade, não-excludente; dominar os procedimentos do Saeb (Sistema de avaliação da educação básica), do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), do salário-educação, entre outros. Mas, a compreensão do Secretário sobre o financiamento da educação não pode ficar atrelada aos aspectos administrativos e sim à qualidade do ensino ofertado. Terá ainda que elaborar uma política de educação para jovens e adultos e tomar conta de toda a educação infantil do município. Em suma, segundo a Undime, o secretário terá que efetivar políticas públicas não marcadas por interesses burocráticos, partidários ou privatistas, mas a serviço da qualidade da educação e da universalização do ensino. Flávio Vicente está preparado para isso?

Ivana Veraldo



**************************************



Agora de manhã li no Blog que talvez seja a Edith Dias que, ao contrário do Flávio Vicente, é professora. Mas, e o perfil?????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

E na Inglaterra

Príncipe William, do Blog Vias de facto aqui


Espanha...

Imagem: street art

Quase 5.000.000 de desempregados do Blog de Joana Lopes, Entre as brumas da memória, Portugal aqui


Em Espanha, a «Encuesta de Población Activa» revelou agora novos números: 4,9 milhões de pessoas sem emprego, o que corresponde a 21,3% da população da população activa.


Durante o primeiro trimestre deste ano, mais 256.500 ficaram em casa. Com a actual crise, desapareceram 2,37 milhões de postos de trabalho, o que faz da Espanha o país industrializado com mais empregos destruídos desde 2008.


Um quinto dos cinco milhões de pessoas atingidas não recebe qualquer subsídio e o número de lares em que todos membros estão desempregados subiu agora para 1,38 milhões.


A crueza da situação é mais evidente quando não se mostram apenas percentagens. É meio Portugal que, mesmo aqui ao lado, vive este drama sem data de fim prevista. Como previsto não estava este terrível tropeção na história de todos nós.

(Daqui.)

..

Urban trash art em São Pulo








Dragões, carroças e outras peças com garrafas pet, ventiladores quebrados, rodas... Este é o dragão de tróia dos artistas Pado (Cleber Padovani) e Rodrigo Machado, em São Paulo, 05/2010.

Street art utopia



Sublime!

Vá lá!



Vá ao novo Blog do SOLDA




Quem chegar por último é mulher do sapo.

Uiaaaa

Roque Sponholz

Uia!




Do Blog de Roberto Romano

Coluna Pinga Fogo, Jornal do Commercio de Recife. Que capa!
Que capa!
Publicado em 28/04/2011, Às 11:32
Do jornal Diário do Comércio (SP) que tem o vice-governador de Geraldo Alckmin como conselheiro.

Rá rá estou rindo a toa!




Amigos: coisa boa é cantar: rá, rá, rá estou rindo a toa......

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Alegria, alegria......




Hoje recebi uma boaaaaaaaaaaaaaaaaa notícia. A gente também tem direito a certas alegrias!

O país das boquinhas ...

Do Millôr, historiador

O verdadeiro milagre brasileiro; uma democracia completamente isenta de democratas.

********************************************

Comentário pós Millôr:


Onde trabalho espero que as informações de duas sindicâncias sejam democratizadas. Eu não sei o resultado formal. Democracia?? Só pagando advogadas. E vou pagar para ver.
Imagem: Millôr

CRISTO REDENTOR, SALVE AS CRIANÇAS DO RIO DE JANEIRO E DO BRASIL. Por Cremilda Teixeira, São Paulo




A Rederecord no programa SP Record apresenta a conduta da Policia Militar na escola pública do Rio de Janeiro que está dando certo.
Certo para quem ????
A Policia entra na escola em grupos. Entram na sala de aula, brincam com os alunos, colocam a boina na cabeça deles que riem satisfeitos. Ganham a confiança dos alunos que contam então, o que se passa na escola e fora dela.



Alunos pequenos, ensino fundamental, que adolescente não entra nessa de caguetar morador para a policia.
A lei do silêncio é imperativa em comunidades pobres e periferia, é a lei da sobrevivência.
Os moradores sabem quem é bandido e onde tem ponto de venda de droga. Para garantir a sobrevivência e evitar vingança, ninguém fala nada.
Criança também sabe. Seduzida pela policia e pela professora e para agradar, ela vai e conta o que sabe ????
A Record mostrou um monte de alunos pequenos, nessa situação.
Se amanhã tiver ponto de droga detonado, bandido preso, quem garante que esse mesmo bandido nao vai dar um jeito de se vingar de quem o delatou ?
Começarão a morrer crianças aos montes ? Quem se preocupa com elas ?
Num pais que é o quinto que mais mata jovem no mundo, será os primeiros em morte de criança ?
Afinal são apenas alunos de escola pública…Aluno pobre de periferia…
O que dá um frio na espinha é pensar que a Policia Militar de São Paulo pode copiar a conduta e começar a entrar na escola de ensino fundamental e interrogar os alunos para descobrir o “que se passa ” na região onde o aluno mora. Tudo com as bênçãos da Rederecord de Televisão.
Tornaremos alunos de escola pública delatores da policia hoje e amanhã um morador definitivo em qualquer vala comum de algum cemitério público
O desrespeito ao aluno de escola pública chegado ao extremo.
Quando pensamos que a violência o desrespeito ao aluno de escola pública chegou ao limite, aparecem com mais uma.
Quando pensamos que já vimos tudo em relaçao a violência contra aluno de escola pública, as autoridades aparecem com mais uma.


Roque Sponholz


Roque:

aqui tb se negocia.....


Diz com que pernas eu devo seguir....





... se na bagunça do seu coração meu sangue se perdeu...

Hoje acordei TOM....




Por Saudek


O pensador por Singer

Street art utopia





Não tenho os créditos, mas há um site Street art utopia em que encontramos essa linda arte de rua.


Arte ...

Sorry. Não tenho os créditos da imagem.

Do Solda

com novo endereço: http://cartunistasolda.com.br



Em Curitiba!



Uia!



Paixão

Ai!

Marco Jacobsen, Folha de Londrina

Brasil: é dando que se recebe!

Claudio Weber Abramo
Romano



David Fleischer





Uol notícias. do Blog de Roberto Romano

27/04/2011 - 16h17 / Atualizada 27/04/2011 - 17h47
A
nálise: Conselho de Ética com Renan e aliados é "tapa na cara da sociedade"(Roberto Romano)

Guilherme Balza
Do UOL Notícias
Em São Paulo Comentários [55]

LEIA MAIS
Representação contra Requião vai para o advogado-geral do Senado
Comportamento hostil de Requião com jornalistas é antigo e já teve agressão física
Após caso Requião, Senado escolhe novo corregedor-geral
Mais em UOL Notícias


Pelo menos seis dos 15 senadores indicados nessa terça-feira (26) pelos respectivos partidos para compor o Conselho de Ética do Senado respondem ou já responderam processos na Justiça ou na própria Casa. A maioria dos indicados processados pertence ao grupo de José Sarney (PMDB-AP), presidente do Senado.
Entre os indicados está Renan Calheiros (PMDB-AL), que em 2007 foi alvo de cinco representações por quebra de decoro, sob acusação de que um lobista de uma construtora estava pagando a pensão de seu filho. Na época, o plenário votou contra a cassação de Calheiros, mas o senador renunciou à presidência do Senado.

Também foi indicado Edison Lobão Filho (PMDB-MA), que foi denunciado no Conselho de Ética em 2007, acusado de ser sócio oculto de uma distribuidora de bebidas suspeita de sonegar R$ 42 milhões em oito anos. O processo foi arquivado. Outro peemedebista, Romero Jucá (RR), foi escolhido pelo partido para o conselho. Em 2005, ele deixou o Ministério da Previdência após suspeitas que utilizou fazendas inexistentes para garantir empréstimos.

Investigados integram Conselho de Ética
Ex-investigados integram Conselho de Ética do Senado


Valdir Raupp (PMDB), acusado de desvio de recursos quando governou Rondônia entre 1995 e 1998, também está entre os indicados, assim como Gim Argello (PTB-DF), que responde no STF (Supremo Tribunal Federal) pelos crimes de peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Hoje, João Alberto (PMDB-MA), amigo de Sarney, foi eleito para a presidência do conselho. Quando governou o Maranhão, Alberto transferiu à família Sarney, por meio de uma lei, um prédio histórico de São Luís.

O UOL Notícias entrevistou três analistas políticos ainda sob o impacto das indicações para o Conselho de Ética. Na avaliação dos três, o órgão, que estava praticamente desativado desde 2009, não terá qualquer credibilidade e servirá para atender aos interesses do grupo de Sarney.

O que acharam das indicações para o Conselho de Ética do Senado?

David Fleischer
As indicações seguem o caminho que foi traçado em 2007, quando o conselho aliviou a barra do próprio Renan. O conselho está igual à Comissão de Reforma Política, conhecida também como a “Comissão Sarney”. O conselho é do Sarney. Todos da confiança dele, inclusive o Requião, estarão protegidos. Eu não fiquei surpreso com as indicações. Enquanto o Sarney mandar e desmandar, vai continuar assim.

Roberto Romano Eu recebi a notícia com tristeza, como todo cidadão que percebe que a classe política trata as questões com escárnio puro e simples. A escolha desses senhores mostra que o padrão moral e ético do Senado é extremamente heterodoxo. É um tapa na cara da cidadania.

Cláudio Weber Abramo Fiquei arrepiado. Parece que fazem de propósito. É uma bofetada, um desprezo pela expectativa que se tem pelo funcionamento desse tipo de instituição. Eu diria até que foi um ato de cinismo institucional.

O novo Conselho de Ética terá alguma credibilidade?

David Fleischer Não, diferente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, que é mais sério.

Roberto Romano É como colocar o cão para cuidar das salsichas. Só mostra que efetivamente o nível de representação no Senado desceu vertiginosamente sob a batuta do Sarney.

Cláudio Weber Abramo Nenhuma. Nada que tenha a figura de Calheiros tem credibilidade.

Como o Conselho de Ética deveria ser eleito para ter sua importância reativada?

David Fleischer
As indicações são o melhor método para escolher os integrantes do Conselho? Sim, só que deveria existir uma regra para impedir a indicação de quem respondeu ou ao menos responde processos. Mas daí teria pouca gente disponível.

Roberto Romano Quanto mais impessoal for a indicação, melhor. Se houvesse um sorteio e o Renan fosse escolhido, por exemplo, não seria assustador. Agora, o problema maior por trás de tudo isso é a eterna questão da governabilidade. O governo federal precisa ter maioria no Senado e na Câmara, e, para isso, precisa ter operadores confiáveis para negociar. O PMDB tem se mostrado grande negociador, e dentro do PMDB o Sarney é um dos grandes capitães. Enquanto não for mudada a relação da Presidência com o Congresso, dominada pela pauta é “dando que se recebe”, não teremos mudanças significativas dentro do Congresso.

Cláudio Weber Abramo Não vejo outra forma que não seja as indicações. É um órgão interno da Casa. O problema é que os partidos não levam a sério.

O Senado é um órgão necessário para a democracia brasileira?

David Fleischer
Sim. O Senado possibilita o equilíbrio federativo. O bicameralismo é importante, apesar de tudo.

Roberto Romano É fundamental que haja um trato legal, jurídico, de igualdade entre os Estados da Federação. O Senado é fundamental, porque ele é a representação de cada Estado. Agora, do que jeito que está, é uma inutilidade absoluta. Se fechar amanhã, ninguém vai sentir falta, salvo os lobistas e os políticos que querem atingir o tesouro nacional por meio da troca de favores.

Cláudio Weber Abramo Não. O Senado não precisa existir, não tem função. Não há nada que ele faça que a Câmara não possa fazer. Pode desaparecer sem prejuízo e seria até mais barato.

Os entrevistados

David Fleischer
Cientista político e professor da UnB
Roberto Romano
Professor de Ética e Filosofia da Unicamp
Cláudio Weber Abramo
Diretor da ONG Transparência Brasil

E na Inglaterra



De Roberto Romano: Donde se conclui: os clientes e o dono do PUB ou nasceram das pedras, ou são filhos da puta.
27/04/2011 - 13h45


Mulher é expulsa de pub londrino por amamentar filha em público

Da EFE
Em Londres
Comentários [42]


Lauren Beaman cogita fazer um protesto

A terapeuta britânica Lauren Beaman, de 25 anos foi expulsa do pub londrino King William IV, no bairro de Hampstead, por amamentar em público sua filha de sete meses, e declarou que quer processar o estabelecimento.

Segundo explicou ao jornal londrino "Evening Standard", alguns clientes a assediaram enquanto amamentava seu bebê e outros a aconselhavam que amamentasse no banheiro.

"Vocês gostariam de jantar em um banheiro?", replicou Lauren, a dona do local que a obrigou a abandonar o pub junto com uma amiga que está grávida.

Pela lei de igualdade, em vigor desde o ano passado, um estabelecimento não pode proibir uma mãe de amamentar seu filho em público, mas o proprietário de um local tem direito legal de expulsar qualquer pessoa do local.

De acordo com a dona do pub, alguns clientes se queixaram que a mãe mostrasse o peito, enquanto outros expressaram seu temor que a moça fosse trocar as fraldas da criança ali mesmo.

A mãe cogita a possibilidade de protestar junto com outras mulheres grávidas para realizar uma "amamentação coletiva".

Seria uma ação similar ao "beijo coletivo" criado por um grupo de homossexuais que protestaram recentemente no bairro londrino Soho pela expulsão de dois homens que tinham se beijado em público.

*******************************************

Comentário:


Essas situações sempre me levam a afirmar: Que medo têm essas pessoas de umas tetas? Qal a ameaça das tetas?

Uia!



quarta-feira, 27 de abril de 2011

Adelina....



O texto é da Adelina. Adelina Khul. Adelina é uma pessoa muito bacana. Foi minha aluna no Curso de Biologia. É poetisa. Muito querida. Faz tempo que se formou e a gente ainda conversa sobre suas palavras. Grata, Adelina!



Receita

Me disseram uma vez que pra fazer poesia você precisa esconder as palavras. Sim. Esconder as palavras atrás de outras palavras. É como brincar de esconde-esconde. Você se esconde em algum lugar, aí espera alguém achar. Também falaram que você precisa usar palavras difíceis. Palavras que ficam escondidas também. Já achei uma palavra uma vez no vão do sofá. Outra dentro de um sobretudo cinza. E tantas outras nas frestas de uma casa de madeira. Porém, não pude usá-las pra fazer poesia. As palavras que eu deveria usar tinham que estar escondidas nos dicionários, e só lá. São as normas. Não posso fazer nada. Por fim, um rapaz graduado me disse que pra fazer poesia você precisa rimar as palavras, e com elas formar bloquinhos compactos com nomes como ode, soneto. Parei. Pensei. Analisei as condições. Confesso que demorei bastante nesse processo. Então voltei ao que estava fazendo. Peguei a casca da batata. Admirei sua beleza. Gostava da água leitosa que saia dela. De como ela era boa de sentir na mão. Tão geladinha. Tão sedosa. Pensei naquele momento como seria bom ter as palavras certas, aquelas, as escondidas. Queria saber fazer poesia. Fiquei muito triste.

Street art utopia

Há um lugar para os mais velhos....

Não sei de quem é a foto. Mas guardei-a na pasta Sofrer.





Entre por essa porta agora E diga que me adora Você tem meia hora P'ra mudar a minha vida Vem vambora Que o que você demora É o que o tempo leva Ainda tem o seu perfume pela casa Ainda tem você na sala Porque meu coração dispara Quando tem o seu cheiro Dentro de um livro Dentro da noite veloz Ainda tem o seu perfume pela casa Ainda tem você na sala Porque meu coração dispara Quando tem o seu cheiro Dentro de um livro Na cinza das horas

Uia



Arte do SOLDA

Magia...

HOUSE por HUNDERTWASSEN



Cap-tirado do Blog AMIGOS DO FREUD






Versão acadêmica dos ditados populares
1. É melhor um artigo publicado do que dois no prelo.
2. Antes só do que mal orientado.
3. A pressa é inimiga da pesquisa-ação.
4. Recurso aprovado não se olha a fonte.
5. Diga-me com quem publicas que eu te direi quem és.
6. Para bom pesquisador meia referência basta.
7. Não adianta chorar sobre o edital vencido.
8. Em terra de mestres quem tem doutorado é rei.
9. As capas das teses enganam.
10. A ocasião faz a comissão.
11. O laboratório do vizinho é sempre melhor equipado.
12. O ofício (protocolado) é o pai de todos os vícios.
13. Antes tarde do que nunca (este vale para submissões de artigos, depósito de dissertações e teses, apresentação de projetos de pesquisa etc.).
14. As más notícias chegam via protocolo.
15. Azar no CNPq, sorte na Iniciação Científica da instituição.
16. Projeto fraco em editais duros tanto se envia até que é aprovado.
17. Artigos passados não movem o Lattes.
18. Amigos, amigos, bolsas à parte.

Roque e Romano conversam...



...

Na Má-ringa



Akino »
A “ingenuidade” do Bravin
Falando na sessão de ontem, o vereador Bravin agradeceu a todos que o ajudaram a distribuir 8.000 ovos de Páscoa. Disse que foi ajudado pelo seu Wilson, pai do Evandro, pelo dr. Heine, Ricardo Barros e Cida
. Disse que só foi junto, mas não entregou nenhum para não ter problemas. Chamou dr. Heine, mas ele não foi. Foi o Negrão Sorriso, que fez até discurso. Disse Bravin que o ano que vem vai ser maior ainda a distribuição.
Gozador, o presidente Hossokawa disse que, se o dr. Heine tivesse ido, iria vestido de coelho. Foi uma risada só, e bem humorado o líder disse: ‘ não levanta a lebre’. Foi hilariante.



Meu comentário: Interessante, além da parte humorística, foi a “ingenuidade” do Bravin em dizer que não distribuiu os ovos para não ter problemas (seria com a Justiça Eleitoral), mas conversou com muitas crianças. E mais, disse que ano que vem (ano eleitoral) fará uma distribuição maior. Não seria isto compra de votos? Talvez ele diga que as crianças não votam.

Akino Maringá, colaborador do BLOG DO RIGON AQUI


************************************************************

Akino:

Graham Greene em seu livro O americano tranquilo tem uma epígrafe: A ingenuidade é uma forma de insanidade.


Tiago Recchia
Recordar, rememorar: Jean Charles de Menezes, assassinado na Inglaterra
Do SOLDA aqui

Brasileiro morto por engano pela polícia em Londres
levou oito tiros. 25/07/2005

Por engano!

Sobre 25 de abril de 1974 em Portugal



Ver o Blog de Joana Lopes. Portugal, Entre as brumas da memória aqui

Braziu!

Braziu!

Arquivo do blog

Marcadores