TUCA PUC 1977
EU QUASE QUE NADA SEI. MAS DESCONFIO DE MUITA COISA. GUIMARÃES ROSA.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Eu tenho o puder (aspas)...



Ontem assisti à palestra de Laurindo Leal Filho. Veio à Universidade Estadual de Maringá para a aula inaugural do Curso de Comunicação e Multimeios, primeira turma. Fazia tempo que não ouvia um discurso mais a esquerda. Mais crítico. Na mesa, o professor que representava o Reitor convocou os alunos à pesquisa. Certo. Esqueceu de falar do engajamento dos alunos à extensão. Em nome da pesquisa produtiva (aspas), a extensão vai pro brejo. Hoje encapsulamos os alunos nas salas de pesquisa. Que vida social, que nada!


A Aula inugural foi excelente. Lalo lembrou que a Universidade é um espaço crítico. Lembrou, eu disse. Lembranças. Eu não disse nada. A aula era para os jovens do Curso de Comunicação. Fiquei na minha. A Universidade deixou de ser um espaço crítico. Faz tempo. Hoje a Universidade pública é espaço da produção. A geração mais velha também aderiu ao produtivismo e leva o jovem a ter sonhos rasos. Sonhos baixos: um Lattes com muitos artigos, vários capitulos (escritos sem muito pensar, sem muito estudar), ter um emprego público, uma família, estabilidade e aposentadoria.... Passear no Parque do Ingá, dar pipocas aos macacos, ir ao cinema no Shoppping aos domingos....


Sonhos assim: para subir na carreira, publicar com colegas do mesmo grupo, por os nomes de todos os colegas do grupo, fazer um discurso de esquerda (na educação usando e abusando de teorias marxistas), para ficar de bem com todos os grupos e frentes, aprendemos a discursar para não desagradar ninguém.... Não grite, não desafie o status quo, não brigue... Se puder diga sim a todo mundo. Talvez passe no concurso com a banca seleta. Afinal, um jogo hipócrita ajuda a sobrevivência do mais apto, do mais esperto.


No final ensinamos os jovens a serem hipócritas. Como hienas que riem dos ideais, levamos nossos alunos aos eventos cheios de artifícios para defender textos sem cheiro. Textos vazios. Pó.


Murchamos uma geração inteira com a promessa de que a neutralidade existe; com essa neutralidade conversamos com fascistas sem brigar... adoramos o totem ANAIS, revistas e livros. Pó.





Roque Sponholz

Com Sarney e Tiririca ninguém tisca!



SOLDA

Circus brazilis



Logo de manhã, ouço a rádio CBN nacional. Ouço o senATOR Jose SIR Ney, do Maranhão, o estado mais miserável do país junto com o Piauí (na décade de 1970 falava-se em unir esses dois estados e teríamos o PIORÃO). O senATOR Sir Ney, ou Sarney para os íntimos, reinaugurou o túnel do tempo da CASA, ou sejam, do Senado. Nesse túnel ou buraco há uma decoração histórica do Braziu. Decoração mesmo! No decór sarneiano vê-se auto elogios e, pasmem, omissão do impeachment de Collor, em 1992. Historiador Sarney disse que não foi omissão, afinal o impechment foi algo "sem importância", não foi marcante (ASPAS). O historiador Sarney, também escritor de Marimbondos de Fogo, o sensacional romance do acadêmico de Letras, omitiu a cassação de Luiz Estevão, em 2001 e as inúmeras CPIs. Depois de Marimbondos de Fogo ele escreverá o Buraco das Cinzas ou Túnel dos cegos.

O único problema que não consigo resolver em meu íntimo é o ESCÁRNIO. Como nossos políticos são caras de pau!

Daniel Innerarity



heterodoxias21intervenções, leituras e pensamento crítico AQUI
--------------------------------------------------------------------------------

Por uma nova gramática do bem comum
Publicado por Rui Bebiano em 27 de Maio de 2011


A sobrevivência da democracia depende da vitalidade do espaço público. A ideia não é nova, mas o filósofo bilbaíno Daniel Innerarity fez dela o eixo de O Novo Espaço Público (Teorema). «Fazer política», diz-nos aí, «é hoje semelhante ao que fazia aquele indivíduo que de súbito bradava num restaurante “Pssst!” […] em voz tão alta que todos olhavam para ele e cessava o ruído das conversas». O alheamento do cidadão comum em relação aos projectos colectivos, o seu silêncio diante dos que falam em seu nome, ficaria a dever-se sobretudo à confusão instalada entre público e privado, à «privatização do público» e à «politização do privado», que tendem a diminuir o alcance da responsabilidade social e a estimular o individualismo. Neste ensaio expõem-se o cenário e os intérpretes do estado de desresponsabilização em que vivemos, insistindo-se no recuo das preocupações com o público, substituídas por uma valorização excessiva das identidades ou então pelo populismo. Ambos determinados pela «irrealidade dos meios de comunicação» e por uma intensa manipulação da História e da memória colectiva. Mas não se deixa esmagar pelo pessimismo. Fala-nos por isso da construção de uma «cultura pública comum», de uma nova ágora em condições de impor a renovação da experiência política e de impedir que esta se reduza à mera gestão «realista» do presente, trocando a acção colectiva e o debate criador, como já advertira Hannah Arendt, pelos automatismos próprios da produção e do consumo. Seguindo Habermas, Innerarity evoca então a necessidade que as sociedades actuais têm de «um centro virtual da sua autocompreensão», de reflectirem sobre si próprias, para que, cegas, se não fragmentem ou deixem cair na inércia administrativa. E sugere a construção de uma nova «gramática do bem comum», de uma política, redentora do espaço público, que será principalmente transnacional e cosmopolita. Apresentada pelo autor basco como um caminho para salvar e dar substância à democracia.

Versão revista de uma nota de leitura publicada há cerca de um ano na revista LER.

Em Portugal...



Se a inveja gritasse



por Joana Lopes, Blog Entre as brumas da memória, Portugal AQUI


… ouvir-se-ia o meu brado por não ter sido eu a escrever este texto do Luís Januário!

A Natureza do Mal
e a farsa eleitoral: elogio e louvor da esquerda.


No domingo, a direita e o Partido Socialista preparam-se para escrever mais um capítulo do fim da história: a entrega do país à voracidade dos mercados e à irracionalidade da política económica da actual fase do capitalismo. Fim da história, fim da resistência dos explorados, fim da insubmissão dos trabalhadores. Fim do mundo como o conhecemos, também. Um mundo sem árvores e onde os assassinos dos que defendem o ambiente são aplaudidos por um parlamento que os protege legislativamente (Brasília). Um mundo com fanáticos religiosos de um lado e fanáticos da religião do mercado do outro. Segunda feira, as forças da ordem, nas Portas del Sol como no Rossio , hão-de pôr as pedras a brilhar para sossego de Madame Mubarak e da historiadora. Nesse dia, a direita portuguesa, com ou sem os entreguistas do PS, continuará a cumprir o programa económico dos investidores , sem constragimentos. Por um momento brilharão os novos heróis colaboracionistas e haverá um minuto de glória para os Viegas e Nobres, uma cadeira no 2º balcão, antes de serem arrastados por outra gente menor e com menos escrúpulos.
Mas esta campanha tem tido uma coisa boa, que nem o fogo de artifício, os comentadores e as sondagens têm conseguido obscurecer. A esquerda tem tido um comportamento digno, tem-se esforçado com os meios limitados que tem, ao seu dispor, por mostrar aos eleitores o que está em curso: o equivalente de aquilo a que, num dia de lucidez, Soares chamou um grande embuste. A esquerda leu o acordo da troika e exigiu a auditoria pública das dívidas ( e disse Não pagamos a dívida dos bancos!) . A esquerda exigiu a identificação dos credores- porque o maior dos crimes foi a culpabilização da gente comum pelos propagandistas dos verdadeiros culpados. A esquerda recusou como solução a redução dos níveis de protecção social, educação, investigação, saúde, reconversão ecológica como remédio para a crise. Disse que a renegociação da dívida e das taxas de juro deveria ser feita agora, enquanto há força…
Tenho orgulho dessa esquerda. Agradeço aos que lutam todos os dias. Aos que mantêm levantado o farrapo vermelho. E mesmo que no domingo estivesse sozinho face à urna, haveria de lhe entregar o meu papel. E dizer aos que mandam e aos colaboracionistas: não nos entregaremos nunca.
(O realce é meu.)

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Engagez-vous!



Contra e por
Publicado por RUI BEBIANO AQUI

Indignai-vos!, o livro-libelo de Stéphane Hessel, tem servido para defender que a mudança de um real injusto, tantas vezes imposto como inevitável, começa pela capacidade de nos indignarmos perante os poderes que o determinam, rebelando-nos contra eles. E tem servido também para municiar uma insurreição pacífica contra as vozes «que só apresentam como horizonte à nossa juventude uma sociedade de consumo, o desprezo pelos mais fracos e pela cultura, a amnésia generalizada e a competição renhida de todos contra todos». Hessel, hiperactivo aos 93, acaba entretanto de publicar um novo livro, Engagez-vous! (Comprometei-vos!), constituído por uma conversa com o diplomata Gilles Vanderpooten ao longo da qual menciona o beco sem saída no qual pode cair a indignação pela indignação. Defende que esta deve unir-se obrigatoriamente a uma noção de compromisso, de empenhamento para produzir algo de concreto, de objectivo, superando a pura negação através de propostas capazes de unirem e de estimularem uma mudança consistente. «Enfadar-se apenas», diz Hessel numa entrevista ao El País, «não tem sentido para mim», acrescentado que a pura ira «não conduz a parte alguma, deve ser seguida de compromisso.» Uma sugestão vinda de quem anda há quase oito décadas envolvido no combate político e social e claramente dirigida a quem se aplica, criando condições para o rápido retrocesso e a depressão pós-revolta, a indignar-se sem apresentar propostas consistentes e sem dialogar com quem é possível dialogar, de modo a gerar as empatias que autorizam a verdadeira mudança. Um aviso para quem se preocupa principalmente com o «contra», descurando o «por». A indignação pura que leva ao protesto – vemo-lo claramente por estes dias, como há muito não acontecia – é por vezes urgente, dramática, imperativa, mas não pode ser um fim em si. Sob pena de se autodestruir e de levar consigo aqueles que lhe dão a voz.

Bónus: 5 minutos de conversa com Stéphane Hessel
ROBERTO ROMANO:

O direito de defesa é sagrado. Tão sagrado quanto, o direito de defesa da sociedade diante dos operadores do Estado. Quando se trata de transparência dos dinheiros públicos, nenhuma lei é tão sagrada quanto a salus populi. Fico muito pensativo com a ameaça contida no último parágrafo do artigo abaixo, feito pela defesa de Palocci, mas que deseja transformar os que exigem transparência em reus. Se prosperar algo assim, aí o mundo será posto “upside down”.

São Paulo, segunda-feira, 30 de maio de 2011

TENDÊNCIAS/DEBATES

A notícia, o sigilo e a lei
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO

No caso do ministro Antonio Palocci, a ninguém é dado ignorar que a lei impõe sigilo total a contratos em que há cláusula de confidencialidade

Muita falação se tem deitado sobre o fato de o ministro Antonio Palocci ter participado de uma sociedade de consultoria empresarial que, em quatro anos, teria auferido recursos suficientes para a aquisição de um escritório para sua sede e, como investimento, um apartamento em área nobre de São Paulo.
Desabou o mundo com a divulgação do fato pela Folha, reeditando-se, em quase todos os meios de comunicação, o fenômeno caracterizador dos que querem aceitar o pior para o seu semelhante: a suspeita gratuita, a maledicência temerária e a condenação sumária.
Tal postura não é nova e seria imanente à idiossincrasia da opinião pública (ou da opinião publicada que a deforma?), já que, nestes tempos bicudos de delatores premiados e de denuncismo avassalador, nenhum êxito pessoal é facilmente aceito como legítimo fruto de trabalho honesto e competente.
Há quem pense que por trás de todo sucesso há sempre um crime ou, no mínimo, “flexibilizações” éticas. Trata-se aqui do “pesadelo brasileiro”, êmulo do “sonho americano”, que condena à execração o sucesso individual, mesmo que seja o resultado de árduo labor e do mais inquestionável talento.
A despeito de gerar riquezas e criar postos de trabalho, o empreendedor é logo apontado como desonesto ou sonegador. A razão da deformidade se explica por se mostrar doloroso à mediocridade assistir à eficiência e à competência dos que logram construir e edificar no plano material ou intelectual.
Daí o “delenda Cartago” imediatamente lançado, qual irrevogável “sharia”, contra os que têm a audácia de trilhar o caminho da ascensão. No caso da consultoria em questão, os suspicazes de plantão afirmam ser intolerável que possa ter tido um faturamento bruto de R$ 20 milhões num período de quatro anos (ou seja, 48 meses).
Tal quantia, dividida pelos meses indicados, resultaria em uma receita mensal bruta de R$ 416 mil, dos quais se deduzem impostos, contribuições, taxas, salários etc.
Há, na iniciativa privada, remunerações muito maiores, máxime no setor da comunicação de massa.
Por quê, então, a devastação moral se não há notícia do mais tênue elo entre a consultoria e qualquer atividade pública? O estrépito se dá pela visibilidade do personagem?
Entende-se o propósito demolitório da oposição. É o jogo político da busca do poder pelo poder. Com o que não se atina, porém, é a volúpia sem freios com que outros setores da sociedade se dedicam à faina demolitória da honra das pessoas.
Seria cultural isso? Schopenhauer aludia a uma palavra -intraduzível em português- que definiria a disposição exterminadora do presente e do futuro das pessoas: “schadenfreude”. Significa um sentimento de genuína felicidade que se experimenta pelo infortúnio e pelo sofrimento do próximo.
Aqui, “schadenfreude” explica?
Se não, parece adequada uma mudança de atitude, consistente na verificação mais acurada dos fatos (e boatos) antes de se propalarem leviandades, repercutirem imputações destituídas de fundamento e vociferarem inconsequências.Tanto mais avulta tal responsabilidade quanto intocável se mostra o direito à livre informação. No caso específico aqui versado, a ninguém é dado ignorar que a lei impõe sigilo total a contratos em que se acha estipulada cláusula de confidencialidade, definindo a sua violação como crime punido com prisão (artigo 154 do Código Penal), além de sujeitar o violador à indenização para reparação de danos materiais e morais sofridos pela parte inocente.

Por fim, para os que insistem que sejam violadas as cláusulas de sigilo, essa mesma lei penal (artigo 286) adverte: “Incitar, publicamente, a prática de crime: pena-detenção de três a seis meses e multa”. A lei, não se deve olvidar, é a medida de todas as coisas.
JOSÉ ROBERTO BATOCHIO, advogado, foi presidente da OAB e deputado federal (PDT-SP).
Sponholz

Minha filha pediu ....




Se alguém perguntar por mim... Melodia e seo Jorge

Ser ou não ser....

Estou estudando história da biologia com meus alunos e Vesalius tornou-se um dos preferidos deles. Levei as pranchas de Vesalius (comprei uma linda e boa edição com as pranchas da Editora da UNICAMP, SP, com a Editora Ateliê, 2002). Mostrei-lhes como Vesalius compôs suas pranchas e, esta em particular, que parece o esqueleto hamlético (ser ou não ser; Shakespeare é posterior a Vesalius) que pensa sobre si mesmo. Pondera a si. Numa época em que os especialistas não eram tão mercadores como hoje, arte e ciência talvez fossem pensadas na mesma dimensão, a do conhecimento.

Há 140 anos

Lembra a Joana Lopes, do Entre as brumas da memória aqui
Há 140 anos, 28 de Maio de 1871 foi o último dia da Semaine Sanglante que pôs fim à
Comuna de Paris.

************************************************
Nos apenas 62 dias de COMUNA:


O trabalho noturno foi abolido;
Oficinas que estavam fechadas foram reabertas para que cooperativas fossem instaladas;
Residências vazias foram desapropriadas e ocupadas;
Em cada residência oficial foi instalado um comitê para organizar a ocupação de moradias;
Todas os descontos em salário foram abolidos;
A jornada de trabalho foi reduzida, e chegou-se a propor a jornada de oito horas;
Os sindicatos foram legalizados;
Instituiu-se a igualdade entre os sexos;
Projetou-se a autogestão das fábricas (mas não foi possível implantá-la);
O monopólio da lei pelos advogados, o juramento judicial e os honorários foram abolidos;
Testamentos, adoções e a contratação de advogados se tornaram gratuitos;
O casamento se tornou gratuito e simplificado;
A pena de morte foi abolida;
O cargo de juiz se tornou eletivo;
O calendário revolucionário foi novamente adotado;
O Estado e a Igreja foram separados; a Igreja deixou de ser subvencionada pelo Estado e os espólios sem herdeiros passaram a ser confiscados pelo Estado;
A educação se tornou gratuita, secular, e compulsória. Escolas noturnas foram criadas e todas as escolas passaram a ser de sexo misto;
Imagens santas foram derretidas e sociedades de discussão foram adotadas nas Igrejas;
A Igreja de Brea, erguida em memória de um dos homens envolvidos na repressão da Revolução de 1848 foi demolida. O confessionário de Luís XVI e a coluna Vendome também;
A Bandeira Vermelha foi adotada como símbolo da Unidade Federal da Humanidade;
O internacionalismo foi posto em prática: o fato de ser estrangeiro se tornou irrelevante. Os integrantes da Comuna incluíam belgas, italianos, poloneses, húngaros;
Instituiu-se um escritório central de imprensa;
Emitiu-se um apelo à Associação Internacional dos Trabalhadores;
O serviço militar obrigatório e o exército regular foram abolidos;
Todas as finanças foram reorganizadas, incluindo os correios, a assistência pública e os telégrafos;
Havia um plano para a rotação de trabalhadores;
Considerou-se instituir uma Escola Nacional de Serviço Público, da qual a atual ENA francesa é uma cópia;
Os artistas passaram a autogestionar os teatros e editoras;
O salário dos professores foi duplicado.

Existe, existe, existe... gente decente!



Enviado pelo amigo Grozny Arruda
Um brasileiro honesto
Compartilhe

RUTH DE AQUINO
é colunista de ÉPOCA
raquino@edglobo.com.br


Estava ali, na poltrona 13 do ônibus que faz a rota Friburgo-Rio. Um celular esquecido pelo passageiro. Entre a poltrona e o vidro, havia algo mais. O motorista Joilson Chagas, de 31 anos, abriu o “pacote rústico” e tomou um susto. Nunca tinha visto tanto dinheiro junto: R$ 74.800. Não passou aos superiores. “É tentador. Nessa hora, nem nos colegas a gente confia.” Por sorte ou destino, Joilson conseguiu devolver tudo ao dono.
“O dinheiro não era meu. É bom ficar com o que é nosso.”


Joilson levou o dinheiro de volta a Friburgo. Ao chegar ao ponto final, na Ponte da Saudade, avistou um senhor humilde chorando na porta da padaria. “Perdi um celular”, dizia ele, “deve ter sido no centro do Rio.” Joilson perguntou: “O celular é este?”. O senhor, agricultor de 80 anos, emocionou-se: “É esse mesmo. Não tinha mais nada no ônibus?”. Joilson disse que ele precisava explicar direitinho o que perdera. E ele falou: “Eram R$ 74.800 para pagar o transplante de minha filha, que não é coberto pelo SUS”. Joilson entregou o pacote e não aceitou recompensa. “O dinheiro estava contado para a cirurgia e para a passagem. Eu não podia aceitar nada”, ele me disse.
“Também sou pai de família.”


A história de Joilson aconteceu no dia 19 de abril e correu mundo. No Facebook, ele recebeu mensagens da Holanda, da Espanha, dos Estados Unidos, do Japão. Foi a programas de televisão. Ganhou plaqueta da empresa elogiando seu ato. Foi homenageado na semana passada no Palácio Guanabara, do governo do Estado. Recebeu cartas de alunos da 2ª à 5ª série de uma escola do Rio, dizendo: “Motorista, foi lindo o que você fez, você foi meu herói”. Num dos envelopes, havia R$ 2 e um bilhete: “Desculpe não dar mais, era o que eu tinha no bolso”. Joilson treme a voz. Quer encontrar e beijar essas crianças. “O que eu fiz era para ser uma coisa normal. O ser humano é repleto de valores, mas não põe em prática.”


Ele começou a dirigir em transportadora quando tinha 18 anos. Concluiu o segundo grau. É casado, seu filho Gabriel tem 14 anos e sua mulher está grávida de cinco meses, de outro menino. Nas enxurradas em Friburgo, Joilson perdeu a casa, os móveis, e mora de favor na casa da irmã. A escola onde sua mulher era professora também foi levada pelas águas. Agora, ela costura. Joilson constrói uma nova casa. Trabalha 16 horas por dia como motorista, faz duas viagens de ida e volta no ônibus da Viação 1001, tem uma folga por semana. “Cai na segunda ou na terça.” O primeiro ônibus sai às 5h30 de Friburgo. Ganha R$ 1.000 líquidos por mês, mas paga R$ 500 ao pedreiro que ergue sua “casinha”. Joilson faz biscates de pintura: “A necessidade faz o sapo pular”.

O motorista que devolveu os
R$ 75 mil que achou no ônibus ganha R$ 1.000 por mês de salário e perdeu a casa nas chuvas
Seu único bem hoje é uma “motinha”. Mas ele confia que “Deus está abrindo portas” e se preocupa com muita gente em Friburgo ainda abandonada em abrigos. Seu sonho é ter negócio próprio. Uma loja de autopeças. “Sempre vesti a camisa das empresas em que trabalhei, mas queria ter uma lojinha.” Depois da enchente, a empresa deu a ele “uma cama de solteiro para o filho, um guarda-roupa de três portas e um sofazinho”. Joilson gosta de diminutivos. Porque a vida sempre correu assim. Da casa para o trabalho, a estrada, os engarrafamentos, a paciência com passageiros mais estressados. A igreja e a beira do rio, onde pesca de anzol. “Meu lazer é ver televisão com a família comendo uma pipoquinha.”
A atitude de Joilson não lhe rendeu só alegria. Quando descansava no dormitório da empresa, alguns colegas jogaram seu crachá no vaso sanitário e escreveram na parede do banheiro “Chagas otário”. “Me chamaram ainda de babaca, palhaço, puxa-saco.
Meu filho virou motivo de chacota no colégio. Mas não teve vergonha, sentiu orgulho de mim. A gente vive num mundo estranho. Perderam os valores”, diz.


Eu queria que Joilson pudesse estar na lista da ÉPOCA desta semana dos 40 brasileiros com menos de 40 anos que representam o futuro do país. “Educação hoje é uma coisa rara. Mas é tudo na vida. Tento passar para o meu filho. Fazer o bem faz bem. Acho que eu servi de exemplo para muitos políticos, muita gente.”

Homens e deuses....




Do Blog QUADRADO DOS LOUCOS AQUI


Homens e deuses, Xavier Beauvois, 2010.


São humanistas. Não tomam nenhum partido, senão o da humanidade. Querem ajudar as pessoas e está bem. Não se metem na política e não fazem questão de formar opinião. Permanecem neutros no que não podem saber com conhecimento de causa. Sua lealdade está com os pobres. Preferem ficar com o rebanho que lhes compete. Quando o mal absoluto irrompe, alguns estremecem. O instinto de autopreservação protesta. Instala-se o tema da reconversão. Ao final, todos se unem ao redor da missão humanitária, fiéis à devoção pessoal de cada um. Sacrificam-se por um bem maior, segundo o ensinamento de Jesus.

Homens e Deuses trata de pessoas ingênuas que, diante da sentença da morte, não se acovardaram. Fortaleceram-se junto de seu líder espiritual eleito, e foram até o fim. O drama não conclui com os assassinatos, que permanecem fora do plano. Dilui-se na espera ao mesmo tempo pacata e obsedante da violência, abordada sem falsos grandes sentimentos. Dilemas, debates, hesitações, autorreflexões — os frades de esquerda precisam se converter novamente, lembrar para si o real significado de sua profissão de fé. A sequência catártica da Santa Ceia, com vinho e Tchaikovski, beira o kitsch. Longe de frustrar o drama, reafirma o caráter telúrico e mesmo simplório desses pobres idealistas numa terra conflagrada pela brutalidade e fanatismo.

A direção mundaniza os personagens, concede-lhes face imperfeita, demasiado humana, ressalta sobretudo que são como nós, nunca deuses nem seus mártires. Se os rostos em close remetem a Carl T. Dreyer e o minimalismo cênico a Robert Bresson, nada há aqui de transcendental. Nesse filme, o sentido de Jesus está na terra, e afirma a vida no contato com o outro. Menos sacrifício que generosidade. Xavier Beauvois está consciente da contradição inerente à própria existência do mosteiro. Aí também está a oposição entre colonizadores e colonizados, que o filme tinge de um multiculturalismo duvidoso. Mas isso não afasta a simpatia de toda a composição pelos que provam estar vivos, por não temerem morrer como homens, isto é, uma única vez.

História real de um mosteiro trapista invadido na calada da madrugada pela guerrilha islamista, em 1996, na Argélia. Sete monges foram sequestrados e eventualmente assassinados (num caso até hoje mal-resolvido). É um filme modesto, que prima pela simplicidade, com que narra a tragédia de pacifistas e ingênuos consumidos pelas fogueiras da história.
**************************************************************
Catatau comenta: AQUI


Com muita curiosidade assisti, a partir da crítica de Bruno Cava, Des Hommes et des Dieux, filme aplaudido em Cannes no ano passado.
Em sua crítica, Cava chamou a atenção a um elemento: "são humanistas", comentava ele sobre o filme.

E de fato existe uma questão muito interessante em torno do "humanismo" na história daqueles monges.

Em primeiro lugar eles são trapistas, uma das ordens mais rigorosas da Igreja. Mas ao mesmo tempo, o movimento trapista teve figuras como Thomas Merton, alguém considerado como uma referência em certo tipo de abertura da ICAR para além da severidade de suas regras.

Existe de fato certo "humanismo" na Igreja, bastante difundido inclusive nas mais diversas de suas vertentes. Como dizia um filósofo do século XX, o humanismo é a maior "prostituta" do ocidente, proferido com muito gosto por nazistas, soviéticos e tecnocratas para legitimar suas próprias práticas (aí está o trunfo do "humanismo": noção pouco precisa mas de fácil assentimento). Pensadores cristãos como Teillard de Chardin eram, segundo ele, "humanistas frouxos".

No contexto trapista, o próprio Merton não foge muitas vezes ao fácil recurso ao humanismo. Mas é curioso notar também ele avaliando aquele pensamento anti-humanista: "bom" ou "razoavelmente bom" dizia ele, em meio a uma viagem de conhecimento e admiração de diversas religiões bem pouco cristãs (e humanistas).

Seriam os trapistas absolutamente "humanistas"? A pergunta é interessante, pois se sua vida segue rigorosamente o Ora et Labora, por outro lado são notáveis certos momentos nos quais a regra monástica se "curto-circuita" de modo que as mediações humanas responsáveis por salvaguardar o "homem" - inclusive as da Igreja - se suspendem, ocasionando certo extravasamento da regra (Regula) por certas atitudes espirituais.

Como se em determinados momentos o monge recuperasse certos significados bastante antigos e colocasse em primeiro plano aquele espanto dos cristãos primitivos (buscado pelo próprio monge), relativo à crença de que o Cristo, aquele homem de carne e osso, verdadeiramente ressuscitou. Se isso ocorreu - tal é um tema bastante presente em diversos santos, mártires e comunidades cristãs nos primeiros séculos -, não há limites ou mediações humanas para a ação do fiel. Seria possível uma espécie de abertura - digamos - "cósmica" para além das ações do "mundo" cotidiano.

O próprio título do filme joga com isso: há uma tensão crescente entre as prescrições dos homens (e dos deuses) e o que o monge pretende dedicar a Deus. Em certos momentos as pequenas ações diárias são vistas e re-significadas diante das pretensões de uma vida inteira.

Bernardo Bonowitz, abade do único mosteiro trapista masculino do Brasil, já comentou sobre o filme. Ele inclusive conheceu um dos monges ali representados.

E ainda estão em pé!

do excelente Blog CATATAU AQUI


Desocupação pacífica (ASPAS) na Espanha: CADEIRANTE APANHA DA POLÍCIA!


Unos dicen que iban a limpiar la plaza

y la manchan de sangre.

Otros dicen que los acampados dan mala imagen de España

y mandan a sus perros para que todo el mundo

vea cuál es nuestra verdadera imagen.

Otros dicen que hay 37 policías heridos,

pero no dicen que han caído por el estrés y por el ‘fuego amigo’.

Y los hay que dicen que solo cumplen órdenes,

pero no se atreven a decir que esos contra quienes

cargan podrían ser sus propios hijos.

http://bit.ly/iKaKTV


Sobre empresários da pesquisa

Max Weber em 1917


Por Roberto Romano:
Aqui


Sobre empresários acadêmicos, as reflexões de Max Weber ainda são atuais, muito atuais. Recordo o final de seu desencantado “Ciência como vocacão”. Ele fala, no início do “capitalismo de Estado”que rege os destinos dos laboratórios norte-americanos e alemães. Neles, sempre existe quem capte verbas e mande nos demais colaboradores. Estes, por sua vez, aspiram não ao Verbo, mas às verbas. Retrato antecipado do que se passa no Brasil.

***************************************

Para compreender a Barbárie da especialização (conceito de Ortega y Gasset) temos que ler Max Weber e pensar as três perguntas que ele nos faz (se é que que queremos pensar):


1 - Como posso demonstrar que sou mais do que um especialista?


2 - Por que levarmos adiante uma tarefa que jamais se completará?


3 - Qual o significado da ciência no contexto da vida humana?


Ver o livro A ciência como vocação em pdf em:

http://www.lusosofia.net/textos/weber_a_ciencia_como_vocacao.pdf

Chantagens ...

Charge Searle

Por Roberto Romano:






Vimos na semana passada “evangélicos”e “católicos”efetivarem chantagem sobre Dilma Roussef: se ela não tirasse do MEC a cartilha contra a homofobia, votariam os santos pela CPI/Palocci. Tenho nojo de sepulcros caiados. Com a chantagem, eles mostraram corrupção pior do que a de Palocci, pois se trata de uma nova forma de simonia, no vasto e pedregoso terreno do “é dando que se recebe”. Como se Deus precisasse de chantagem. Na verdade, eles não falam em nome de Deus, mas em nome de seus interesses diabólicos. Tenho certeza: ao lado dos simoníacos célebres, cantados por Dante, no inferno teremos os “políticos cristãos”.

Estado deve zelar por tolerância religiosa
Roberto Romano

Publicado em 22/10/95 no Jornal Folha de São Paulo

A opinião democrática desconfia dos fanatismos religiosos, sobretudo quando eles estão em guerra. A seita do bispo Edir Macedo conduz massas hipnotizadas para a caixa registradora, lugar onde se abrem as portas do céu e da terra. Novidade? De modo algum. O monge católico Tetzel, já no século 16, recitava versinhos indecentes, prefigurando as rezas dos pastores eletrônicos: “Sobald das Geld im Kasten Klingt/Die seele aus dem Fegfeuer springt” (Quando a moeda no cofre ressoar/A alma do purgatório vai saltar).Simonia não é monopólio da Igreja Universal do Reino de Deus. Nesse comércio, a Igreja Católica possui muita ciência e mais tempo na praça.

A simonia é blasfêmia que nenhum cristão pode aceitar. Mas ela possui muitas formas. Quando bispos católicos impõem regras ao Estado e à sociedade, em troca de apoio político, vendem o evangelho. As seitas “evangélicas” renegaram Lutero. Este não aceitava confusão entre o mundo e o reino celeste. Alguns setores do calvinismo assumiram _com as devidas cautelas_ a idéia de que Deus abençoa os eleitos, inclusive com bens materiais.Semelhante noção mesquinha persiste em parcelas dos grupos reformados. Edir Macedo conduz tal doutrina à caricatura cruel: é possível dar um empurrão na graça divina, com dinheiro. Abominável. Nós, católicos democráticos, precisamos fazer algumas perguntas. Quanto manda a diocese de Aparecida para os cofres da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)? Macedo recolhe moedas em sacos, no Maracanã. Os “pastores” eletrônicos cobram por milagres. Estes são absolutamente gratuitos em Aparecida? Que sejam lidos os textos da CNBB apoiando o golpe de 1964. No documento emitido em 19 de fevereiro de 1969, os bispos propõem “leal colaboração”, entre eles e os autores do AI-5, com a desculpa das “reformas” sociais.

Mentira e simonia. E a “ceia dos cardeais”, com a presença dos militares, para ganho político dos antístites? E a pressão dos mesmos bispos sobre o Congresso para impor o ensino religioso nas escolas públicas? Sejamos equânimes: a simonia, a troca do sagrado por dinheiro ou vantagem política, existe nas duas instituições. Bem disse aquele teórico do século 19: “A Igreja é mesmo divina. Caso oposto, os homens já teriam acabado com ela”. No campo da tolerância, é hipocrisia apontar os fiéis de Edir Macedo como os únicos inimigos da crença alheia. O boçal que profanou uma imagem exibiu ódio repelente. Mas existem meios sutis de rebaixar os valores de formas religiosas contrárias às nossas. A Igreja é mestra nessa arte. Ela ajudou o colonialismo durante séculos, em nome da “inferioridade” espiritual dos submetidos, índios ou negros. Mesmo quando tenta dialogar, a hierarquia comete deslizes etnocêntricos gravíssimos. Dom Aloisio Lorscheider, referindo-se aos cultos de origem africana (os mesmos satanizados por Edir Macedo), disse que eles derivam de “uma alienação… de uma tendência animista que se encontra muito em povos que não sabem explicar fenômenos naturais”. Modo elegante de dizer o mesmo do que Edir Macedo, com jargão “progressista”. A violência intolerante também é igual. Essas falas se inspiram na autodefesa.

Em 1970, o teólogo J. Comblin advertia que as massas estavam abandonando a Igreja: “São as novas religiões, seitas, cultos sincretistas, que recolhem a herança” (“Théologie de la Révolution”). Quando uma sociedade, laica ou religiosa, sente o cheiro da morte, ela exorciza os “outros”, reserva-lhes o inferno ou a “mentalidade primitiva”. Seguem essa “lógica” as perseguições promovidas por d. Lucas Neves, em Salvador, contra os ritos africanos. O Estado não pode permitir guerra de religiões. O pouco que lhe resta de soberania, já ameaçada por setores econômicos piratas, não pode fenecer pelo mandonismo teológico-político. Os democratas recusam deputados “crentes” que praticam uma nova forma ecumênica. De fato, enoja o seu entusiasmo pela blasfêmia “franciscana”, resumida no “é dando que se recebe”. Não menos perigosa para a democracia é a pressão dos bispos sobre o Parlamento e o Executivo. Se deseja manter-se soberano, o Estado deve impor, com mão de ferro, a tolerância mútua entre os credos. Outro caminho, mais nobre, seria a leitura e a prática, por todos os que se proclamam fiéis, do prescrito no “Sermão da Montanha”. Mas isso é esperar muito dos grandes inquisidores e de seus inimigos “evangélicos”. Um Estado verdadeiro propicia liberdade e respeito para todas as crenças e para os que não acreditam nos dogmas. É o que ensina a sábia Igreja, quando delibera sob inspiração divina: o direito de não ser coagido religiosamente funda-se na natureza humana. Ele “continua a existir, ainda para aqueles que não satisfazem a obrigação de procurar a verdade e de a ela aderir” (Concílio Vaticano 2, declaração “Dignitatis Humanae”).

ROBERTO ROMANO, 49, é professor titular de filosofia na Universidade de Campinas e autor de “Brasil, Igreja Contra Estado”

Genial, Roque!



domingo, 29 de maio de 2011

Berta, sublime Berta!



O Estado de São Paulo.
por Roberto Romano Silva

A bióloga que leciona na USP há 70 anos
Aos 93, Berta de Morretes mantém rotina de aulas, critica burocracia e vê professores ‘acomodados’
29 de maio de 2011 0h 00

Mariana Mandelli – O Estado de S.Paulo

De dentro dos prédios da Universidade de São Paulo (USP), a professora Berta Lange de Morretes viu Adolf Hitler provocar a Segunda Guerra Mundial; o mundo se dividir em blocos econômicos durante a Guerra Fria; o Brasil passar por uma ditadura militar de mais de 20 anos; as mulheres conquistarem direitos; e os Estados Unidos ganharem seu primeiro presidente negro. Aos 93 anos, ela está completando 70 como docente na mais prestigiada instituição de ensino superior do País.
Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE
Exemplo. Berta, na sala que ocupa há 50 anos na USP: aulas na graduação e pós-graduação

Na USP, o professor se aposenta aos 70 anos. Mas, caso queira, pode continuar – só que de forma voluntária. Ou seja: ele não recebe nada por isso. Especializada na área de botânica, mais especificamente em anatomia vegetal, Berta ainda leciona: dá aulas em uma turma de graduação e duas de pós-graduação – e também desenvolve pesquisas. E não pensa em parar. “Estou estudando o efeito de radiações ionizantes sobre a estrutura dos órgãos das plantas”, conta.

Berta ingressou na USP em 1938, na primeira turma do curso de História Natural (hoje, Ciências Biológicas). Formou-se em 1941 e nunca mais abandonou o Instituto de Biociências (IB) da universidade. Mesmo caminhando com dificuldade – sofreu um acidente há 15 anos, quando um ônibus do qual descia acelerou -, ela faz quatro excursões por ano com os alunos. “Eles vão à mata, colhem as plantas e trazem para mim. Explico dentro do carro”, conta com a voz mansa, com um pouco de sotaque.

Nascida em 28 de junho de 1917, na cidade de Iffeldorf, na região dos lagos da Alemanha, Berta veio para o Brasil, mais precisamente para Curitiba (PR), aos 2 anos. Foi criada em uma casa onde o respeito às artes, à natureza e às pessoas era primordial. Seu pai, brasileiro, foi à Europa estudar zoologia e artes. A mãe deu aulas de canto para Jair Rodrigues e de empostação de voz para a atriz Irene Ravache.

O interesse por plantas e animais veio dos passeios que fazia com a família. “Criança, sempre que vê bicho, quer pisar, mas meu pai dizia: “Não pode, ele sente dor como você”", lembra. “Se a gente não obedecesse, ele nos dava um puxão para mostrar que doía mesmo.”

A família veio para São Paulo entre 1934 e 1935 – ela não lembra ao certo -, quando seu pai foi convidado para ser um dos pesquisadores do Museu Paulista da área de zoologia. Foram tempos difíceis para o casal e os quatro filhos, que sobreviviam com o equivalente a R$ 600.

Mesmo com as dificuldades, ela e a irmã, Ruth, hoje com 91 anos, queriam estudar. “Quando contamos ao meu pai que queríamos entrar nesse curso novo, meus tios disseram que ele era louco de deixar”, recorda-se. As duas passaram no vestibular – composto por provas oral, escrita e prática – com mais oito alunos: cinco homens e cinco mulheres. Ela se lembra do nome completo de todos.

As aulas eram em francês, italiano e inglês – a USP ainda estava se formando e, na falta de professores, os docentes vieram da Europa. “Na aula de um dos professores, um italiano, se errássemos, éramos chamados de “ignoranti” e “stupidi”", lembra, rindo.

Berta se lembra das dificuldades do início da instituição. “Quando mudamos para o Palacete Jorge Street, no centro, o departamento de botânica funcionava em cima de uma piscina”, conta. “Colocamos um tablado nela e dividimos o espaço entre a sala dos professores e as salas prática e teórica. E estudávamos ali.”

Esforço. Na Cidade Universitária, onde ocupa a mesma sala há mais de 50 anos, ela ajudou a construir uma estufa mergulhada para abrigar musgos e samambaias. “Tenho muitas recordações desse tempo em que a gente se esforçava para melhorar as condições para os estudantes. Não vejo isso hoje. Os professores novos estão mal acostumados, só fazem se há verba.”

Ela também critica a burocracia que existe na universidade. “Como naquela época tudo era necessário, era fácil de fazer”, lembra. “Hoje, se peço uma coisa para comprar, tem de fazer documento, orçamento, ver se vale a pena, atender comissões.”

No IB, Berta também é conhecida por pagar mensalidades de faculdades e cursos para funcionários terceirizados do prédio
nos últimos dez anos, formou nove pessoas, entre advogados, professores e enfermeiras, e agora custeia os estudos de mais nove. Ao contrário dos irmãos, ela nunca se casou. “Sou solteira convicta”, brinca, para depois corrigir: “Eu casei com a USP.”

Prestes a completar 94 anos, ela tem dois desejos. O primeiro: quer que a USP cresça no mesmo ritmo de hoje, mas com mais segurança na Cidade Universitária. “Tenho medo de andar sozinha aqui”, relata, lembrando do caso do aluno Felipe Paiva, de 24 anos, assassinado há 11 dias dentro do câmpus.

A outra vontade é ser cremada e ter suas cinzas espalhadas em volta do prédio do IB. “Especialmente ao redor de uma árvore atrás da administração, que tem uma placa com o meu nome”, deseja. “Assim, vou continuar vivendo nela e aqui dentro da USP.”

************************************************************

PROFESSOR ROMANO:


Sublime Berta, não? Quando ela diz que os novos professores só trabalham se houver verbas, dá o tom das universidades públicas atuais. Vejo a Universidade onde trabalho imersa nesse mercado de projetos da Capes e de seus algozes. Pesquisador é aquele que escreveu mais projeto. Que pegou mais dinheiro das instituições. Ele dá boas aulas? Forma cientificamente e humanisticamente? Não?! Não. Pega o dinheiro público e publica privadamente, para seu lattes. Ensina seus alunos e orientandos a publicar. Só. A Capes faz uma análise dos resultados? Não! Ele mede pelo Lattes. E, daí?

Ao lado desse preciosismo de recursos, há as religiões para apagar os pecados. Há uma soma considerável de docentes que falam em Deus para seus alunos. Nas salas de aulas, laboratórios e corredores. O pecado do dinheiro captado como recursos é pago com lorotas como Deus lhe pague, Deus lhe dê discernimento, Graças a Deus. No meio da selvageria do mercado de projetos, há as beatas e beatos de plantão orando para penitenciar seu quinhão.

Cheguei à conclusão que é a CAPES que gerencia a autonomia das Universidades. Logo, não há automonia. Logo, há um monte de comandantes e seus comandados. Mas não gerencia a ética. Ética de mercado, pode ser.

Homenagem a Abdias Nascimento



Foto: Abdias

De ROBERTO ROMANO



Folha de São Paulo. Notem, por favor, as frases do “estudioso branco”, em negritos meus.
São Paulo, domingo, 29 de maio de 2011

ARQUIVO ABERTO
MEMÓRIAS QUE VIRAM HISTÓRIAS

Na gafieira com Camus

Duque de Caxias, 1947

Arquivo Pessoal

Camus com Abdias e seu grupo de teatro após ensaio de “Calígula”; leia relato de Camus sobre o encontro em folha.com/ilustrissima

ABDIAS DO NASCIMENTO

QUANDO CRIEI o Teatro Experimental do Negro (TEN), em 1944, a intenção era trazer à cena a cultura do negro brasileiro, até então exilado dos palcos do nosso teatro. Para realizar o seu potencial de protagonista, seria necessário superar séculos de privação do acesso à educação e às letras e construir espaços de diálogo com o mundo do teatro. O TEN promoveu cursos de alfabetização e de cultura geral, e estabeleceu relações com artistas e intelectuais como Eugene O’Neill, Richard Wright e Albert Camus (1913-60), expoentes da literatura mundial.

Em 1947, o TEN solicitou ao escritor franco-argelino permissão para encenar sua peça “Calígula”, texto denso e complexo como o que havíamos escolhido para nossa estreia, dois anos antes: “O Imperador Jones”, de Eugene O’Neill. A resposta de Camus veio rápida e positiva, como a de O’Neill. Foi um desafio trabalhar com textos em língua estrangeira, mas nós acompanhamos a versão ao português num rico processo de reflexão e interlocução com escritores como Ricardo Werneck, Efraín Tomás Bó e Gerardo Mello Mourão.

O grande artista Tomás Santa Rosa concebeu os cenários sempre em diálogo conosco. O trabalho de Santa Rosa enfeitiçou “O Imperador Jones” no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, em 8 de maio de 1945. Mas, no caso de “Calígula”, não conseguimos os meios para montar a peça. Fizemos uma apresentação especial para o autor no teatro Ginástico em 1949, quando encenamos também o segundo ato da peça “Aruanda”, de Joaquim Ribeiro. Camus assistiu atento e discutiu o trabalho conosco e com os atores do TEN, entre eles Claudiano Filho, Ruth de Souza, Haroldo Costa e Natalino Dionísio.
Além desse memorável encontro, tive a oportunidade de compartilhar com Camus o seu profundo interesse pela cultura brasileira de origem africana. Visitamos, no então vilarejo de Duque de Caxias, os terreiros de candomblé, onde eu tivera o privilégio de conhecer uma grande liderança religiosa, Joãosinho da Gomeia -figura forte e afirmativa, com aquela doçura dos iluminados.

Ainda dividi com Camus uma noitada na gafieira Elite, no centro do Rio. Ele aplaudiu os bailados afro-brasileiros de Mercedes Batista, ensaiou dançar o samba, ouviu a Orquestra Afro-Brasileira de Abigail Moura e assistiu à Fausta apresentando o frevo pernambucano.

Em 1950, o TEN promoveu o 1º Congresso do Negro Brasileiro, cujo registro taquigráfico e teses apresentadas compunham os anais que reuni em dois volumes. Mergulhado na organização desses anais, soube da publicação de “O Homem Revoltado”, ensaio filosófico de Camus. O texto era fascinante; pude conhecê-lo de forma viva e em versão direta em longas discussões com Efraín e Gerardo. A obra inspirou o título do primeiro volume dos anais do Congresso, “O Negro Revoltado”. Sumariamente rejeitado pelas editoras até 1968, o livro é todo pontuado com trechos de “O Homem Revoltado”, epígrafes em homenagem a Camus.

O segundo volume dos anais seria “A Negritude Polêmica”, que registrava a discussão em torno da tese “Estética da Negritude”, de Ironides Rodrigues. Nunca encontrou editora. Já o volume publicado registra vários documentos como extraviados, pois um sociólogo que se aproximou do TEN para investigar a questão racial os pediu emprestados e não os devolveu. Publicou sua pesquisa recheada de referências negativas em termos, digamos, pouco científicos, agredindo o TEN e as organizações negras em geral.

Nós apontamos publicamente o caráter tendencioso do trabalho. A resposta do autor expressa bem a geografia humana dessa linha de investigação científica em relação ao negro: “Duvido que haja biologista que veja, digamos, um micróbio tomar de pena e vir a público dizer sandices a respeito da pesquisa em que participou como material de laboratório”.
Ao contrário da morte inexorável do movimento social pelos direitos civis e humanos dos negros no Brasil anunciada por tais autores, hoje assistimos às suas conquistas. Entre elas estão a discussão e a formulação de políticas públicas afirmativas para a construção da igualdade racial.

Kit anti-homofóbico já!


Hoje acordei assim...




Jorge Mautner, Vampiro

Do Solda

Gente, e onde estão os sanguessugas?

Crime por crime...




Esse vídeo dos soldados de Dom Pedrito criou celeuma no Braziu varoniu. Não vejo motivo para prisão de dois anos. O que vejo no vídeo não são soldados dançando funk com o hino nacional, vejo deputados aumentando seus salários enquanto os salários dos trabalhadores ficam à míngua. Vejo os deputados votando no NOVO (aspas) código florestal, vejo a presidenta vetar o kit anti-homofóbico para agradar os igrejeiros, pastores da sexualidade alheia, vejo o Palocci ... e dois anos de cadeia para os meninos do funk é muito.

E a ex-querda!

(não deixem para os ricos estrangeiros, deixem para os ricos nacionais)
Notícias da UOL 29 de maio de 2011 aqui


Código permite derrubar mata nativa em área igual ao PR

São Paulo - As mudanças nas regras de preservação de mata nativa nas propriedades rurais, que constam do novo Código Florestal aprovado pela Câmara, ampliam em 22 milhões de hectares a possibilidade de desmatamento no País - o equivalente ao Estado do Paraná. O número representa as áreas de reserva legal que poderão ser desmatadas legalmente caso o texto seja aprovado no Senado e sancionado pela presidente Dilma Rousseff.

Os cálculos foram feitos a pedido da reportagem pelo professor Gerd Sparovek, do Departamento de Solos da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), com base no texto do relator Aldo Rebelo (PC do B-SP) e na emenda 164, aprovados na Câmara na terça-feira. A conta leva em consideração a dispensa de recuperação da reserva legal, que é a área, dentro das propriedades rurais, que deve ser mantida com vegetação nativa e varia de 20% a 80% das terras.

O texto aprovado na Câmara agradou à bancada ruralista, mas desagradou às entidades científicas, aos ambientalistas e ao governo - a presidente disse que poderá vetar parte da proposta, que, entre outros pontos, anistia produtores rurais que desmataram até 2008 e diminui as áreas de vegetação nativa em encostas e margens de rios. Também retira a proteção de áreas sensíveis, como restingas e mangues.

"O texto consolida a área agrícola do Brasil exatamente como ela está atualmente", diz Sparovek. Ele explica que isso atende às reivindicações dos produtores rurais, mas torna difícil a conciliação entre produção agrícola e ambiente. "O novo Código permite que nenhum hectare daquilo que já foi desmatado precise ser restaurado", analisa.

Além da reserva legal, o novo Código aprovado na Câmara também retira proteção das Áreas de Preservação Permanente, as APPs, que são as margens de rios, encostas, topos e morros e vegetação litorânea, como mangues e restingas.
Segundo o texto de Rebelo, as APPs ocupadas com agricultura ou pecuária não precisam mais ser recuperadas com vegetação nativa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

***************************************

Parabéns, deputado comunista Aldo Rebelo. Quem diria que um dia os comunistas estariam com os ruralistas. Como minha avó dizia, a gente ainda não viu tudo!

Campanhas de prevenção









Disponível um artigo sobre as Campanhas de prevenção ao HIV/Aids no Brasil e outros países.


Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Ensino de Ciências
REMPEC Unipli Niterói RJ

Edição Atual : Volume 4Número 1Abril de 2011

Volume 4 Número 1 Abril 2011

MARCELO LEANDRO GARCIA, MARTA BELLINI e REGINA MARIA PAVANELLO Análise Retórica das Campanhas sobre HIV/AIDS no Brasil e em Outros Países. AQUI

Feminicídio na Guatemala

Imagem: Dali

Guatemala
Organizações constatam aumento da violência contra mulheres
Camila Queiroz
Jornalista da ADITAL
Adital AQUI
O aumento da violência contra as mulheres na Guatemala é motivo de preocupação por parte de diversas organizações sociais. De acordo com um informe do Grupo de Apoio Mútuo (GAM), publicado no início deste mês, os casos de feminicídio aumentaram entre janeiro e abril deste ano, em comparação com o mesmo período de 2010.

Registrou-se 167 mortes femininas nos quatro primeiros meses de 2011, um aumento de 11,3%, já que em 2010 houve 150 feminicídios no mesmo período. O GAM cita dados do Instituto Nacional de Ciências Forenses (Inacif), que registrou 608 mulheres mortas pela violência em 2010.

No último dia 12, a Anistia Internacional (AI) divulgou um informe sobre os direitos humanos na Guatemala, em que destacou a brutal incidência do feminicídio. O documento cita dados da Procuradoria dos Direitos Humanos: 695 mulheres foram assassinadas de forma violenta em 2010. Contabilizando as mortes desde 2004, o número se eleva a quase 4.400 vítimas de feminicídio.

Apesar de uma lei contra o feminicídio ter sido aprovada em 2008, a impunidade é quase total. Em um informe apresentado em abril, a comissionada presidencial contra o feminicídio, Alba Trejo, alertou que 98% dos casos não são solucionados na justiça.

Que o diga Jorge Velásquez Durán, há mais de cinco anos lutando para saber quem matou sua filha, Claudina, com um tiro na cabeça, na Cidade de Guatemala, capital do país. Pela mesma situação de impunidades passa o caso da jovem Mindi Rodas. Ela foi atacada brutalmente pelo marido em 2009, tendo o rosto desfigurado e, em dezembro do ano passado, foi assassinada. O esposo foi sentenciado, mas nunca chegou a ser preso.

Para a Anistia Internacional, o fato se deve a uma "cultura de impunidade” herdada da guerra civil que marcou o país entre 1960 e 1996. "Altos níveis de violência e uma falta de vontade política somados a antecedentes de impunidade significam que as autoridades são a incapazes de processar os autores, ou não lhes importa. Os autores sabem que não serão castigados”, diz.

Feminicídio como "mensagem”

As organizações de direitos humanos e feministas destacam uma peculiaridade da Guatemala e outros países da América Central: feminicídios cometidos por gangues ligadas ao crime organizado e ao narcotráfico.

Nestes casos, a violência contra as mulheres não ocorre por motivos passionais, mas para demonstrar poder sobre um território e superioridade frente aos rivais. Na maioria das vezes, as vítimas nem sequer têm alguma relação com os criminosos.

O texto Feminicídio na Guatemala: Cronologia da Impunidade, produzido pelo site Feminicidio.net, analisa este fato. "Os corpos das mulheres são destruídos e exibidos como um mecanismo de diálogo entre os destinatários – diretos e indiretos – das zonas em disputa, das mensagens enviadas por meio da letalidade e da misoginia imputadas e demonstradas pelo autor ou autores destes delitos contra as mulheres”, esclarece.

Segundo a imprensa local, somente nos últimos três dias foram registrados seis casos do tipo. Duas mulheres foram decapitadas e suas cabeças foram encontradas em uma mala, na porta de uma fábrica de sapatos. No último dia 25, o corpo desmembrado de uma mulher foi encontrado em uma sacola de nylon.

Com informações de agências e feminicidio.net

Morte

Imagem: Vesalius


Recebi essa nota do amigo Grozny Arruda. Mas, apesar da morte do José Claudio e da Maria, ontem, dia 27/6/2011, mais um ambientalista, a testemunha da morte do casal Zé Claudio e Maria, foi assassinado. Interessante: um dia após a aprovação do NOVO (ASPAS no novo) Código Florestal, o código dos madeireiros, os assassinatos acontecem. Esse é país que vai para a frente lá lá ri lá lá....
NOTA DE MORTE ANUNCIADA

A história se repete!
Novamente, choramos e revoltamo-nos:
Direitos Humanos e Justiça são para quem neste país?


Hoje, 24 de maio de 2011, foram assassinados nossos companheiros, José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, assentados no Projeto Agroextrativista Praialta-Piranheira, em Nova Ipixuna – PA. Os dois foram emboscados no meio da estrada por pistoleiros, executados com tiros na cabeça, tendo Zé Claúdio a orelha decepada e levada pelos seus assassinos provavelmente como prova do “serviço realizado”.

Camponeses e líderes dos assentados do Projeto Agroextratista, Zé Cláudio e Maria do Espírito Santo (estudante do Curso de Pedagogia do Campo UFPA/FETAGRI/PRONERA), foram o exemplo daquilo que defendiam como projeto coletivo de vida digna e integrada à biodiversidade presente na floresta. Integrantes do Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CNS), ONG fundada por Chico Mendes, os dois viviam e produziam de forma sustentável no lote de aproximadamente 20 hectares, onde 80% era de floresta preservada. Com a floresta se relacionavam e sobreviviam do extrativismo de óleos, castanhas e frutos de plantas nativas, como cupuaçu e açaí. No projeto de assentamento vive aproximadamente 500 famílias.

A denúncia das ameaças de morte de que eram alvo há anos alcançaram o Estado Brasileiro e a sociedade internacional. Elas apontavam seus algozes: madeireiros e carvoeiros, predadores da natureza na Amazônia. Nem por isso, houve proteção de suas vidas e da floresta, razão das lutas de José Cláudio e Maria contra a ação criminosa de exploradores capitalistas na reserva agroextrativista.

Tamanha nossa tristeza! Desmedida nossa revolta! A história se repete! Novamente camponeses que defendem a vida e a construção de uma sociedade mais humana e digna são assassinados covardemente a mando daqueles a quem só importa o lucro:
MADEREIROS e FAZENDEIROS QUE DEVASTAM A AMAZÔNIA.

ATÉ QUANDO?

Não bastasse a ameaça ser um martírio a torturar aos poucos mentes e corações revolucionários, ainda temos de presenciar sua concretude brutal?

Não bastasse tanto sangue escorrendo pelas mãos de todos que não se incomodam com a situação que vivemos, ainda precisamos ouvir as autoridades tratando como se o aqui fosse distante?

Não bastasse que nossos homens e mulheres de fibra fossem vistos com restrição, ainda continuaremos abrindo nossas portas para que os corruptos sejam nossos lideres?

Não bastasse tanta dificuldade de fazer acontecer outro projeto de sociedade, ainda assim temos que conviver com a desconfiança de que ele não existe?

Não bastasse que a natureza fosse transformada em recurso, a vida tinha também que ser reduzida a um valor tão ínfimo?

Não bastasse a morte orbitar nosso cotidiano como uma banalidade, ainda temos que conviver com a barbárie?

Mediante a recorrente impunidade nos casos de assassinatos das lideranças camponesas e a não investigação e punição dos crimes praticados pelos grupos econômicos que devastam a Amazônia, RESPONSABILIZAMOS O ESTADO BRASILEIRO – Presidência da República, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente, Polícia Federal, Ministério Público Federal – E COBRAMOS JUSTIÇA!

ESTAMOS EM VÍGILIA!!!
“Aos nossos mortos nenhum minuto de silêncio. Mas toda uma vida de lutas.”

Marabá-PA, 24 de Maio de 2011.

Universidade Federal do Pará/ Coordenação do Campus de Marabá; Curso de Pedagogia do Campo UFPA/FETAGRI/PRONERA; Curso de Licenciatura Plena em Educação do Campo;
Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – MST/ Pará;
Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura – FETAGRI/Sudeste do Pará;
Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura Familiar – FETRAF/ Pará;
Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB;
Comissão Pastoral da Terra – CPT Marabá;
Via Campesina – Pará;
Fórum Regional de Educação do Campo do Sul e Sudeste do Pará.

sábado, 28 de maio de 2011

?

Dei o nome para essa imagem de melancolia. Uma dimensão de venda, vendida e... vendetta (vingança).




Trenzinho caipira Villa Lobos

Gay pride



Meus alunos perguntaram se sou a favor do kit anti-homofóbico. Respondo: sou a favor de qualquer ato, ação contra a homofobia. São alunos universitários. É uma pena que na Universidade os alunos homossexuais e lésbicas sintam-se tão desconfortáveis ainda. No Congresso foi ridícula a ação homofóbica de senhores velhos, casados, descasados etc e tal contra um kitizinho. Um manual de pequeno porte virou uma guerra santa contra os gays. O que tem esse kit anti-homofóbico que assustou tantos homens velhos, experientes no Congresso? Do que têm medo esses senhores? Eu sei, vocês sabem.

Banquete




Banquete de lixo, Raul Seixas



Luscar


Joao Bosco

Uaua!



Gersus


Aroeira


Paixao




O Blogspot está quase fora do ar.....

No mundo...

De RUI BEBIANO Portugal, Blog A TERCEIRA NOITE AQUI
Srebrenica
Publicado às 1:27 de Sexta-feira, 27 de Maio de 2011


A capa do Libération de hoje, sobre a captura do general sérvio bósnio Ratko Mladic, o «carniceiro de Srebrenica», é um valente murro. Mas convém levar com ele no estômago para não esquecermos e fazermos de conta que não é connosco
.

Gente decente (quase em extinção)











Država: Chile daqui
Grad: Chill
Žanr: chile folk latinoamerica nueva cancion singer-songwriter
Tekstovi pjesama: Víctor Jara lyrics

Biografija
Víctor Lidio Jara Martínez (28 September 1932 – 15 September 1973) was a Chilean pedagogue, theatre director, poet, singer-songwriter, and political activist. A distinguished theatre director, he devoted himself to the development of Chilean theatre, directing a broad array of works from locally produced Chilean plays, to the classics of the world stage, to the experimental work of Ann Jellicoe. Simultaneously he developed in the field of music and played a pivotal role among neo-folkloric artists who established the Nueva Canción Chilena (New Chilean Song) movement which led to a revolution in the popular music of his country under the Salvador Allende government. Shortly after the U.S. backed 11 September, 1973 Chilean coup he was arrested, tortured and ultimately machine gunned to death - his body was later thrown out into the street of a shanty town in Santiago. The contrast between the themes of his songs, on love, peace and social justice and the brutal way in which he was murdered transformed Jara into a symbol of struggle for human rights and justice across Latin America.

Em pé, povo!

A DEMOCRACIA NÃO NASCEU NO CAMPO

Um texto que Helena Roseta publicou ontem no Facebook:
DO BLOG DE JOANA LOPES, PORTUGAL AQUI

De quem é a rua?


Na Praça da Catalunha, em Barcelona, forças policiais agridem cidadãos pacíficos aí concentrados, apenas porque é preciso garantir que a Praça fica livre para… os festejos do futebol. As imagens são chocantes e o abuso do poder indigna-nos tanto como nos tem indignado a reacção dos vários poderes ditatoriais à revolta árabe.
Em Lisboa, centenas de cidadãos, sobretudo jovens mas não só, têm desde há oito dias ocupado pacificamente o Rossio para exigir “democracia verdadeira, já”.


Tenho-os acompanhado quando posso e partilho muitas das inquietações e indignações dos nossos “acampados”. Tudo isto se passa perante o silêncio da generalidade dos media, com excepções como o Jornal de Negócios, que hoje, num editorial inspirado de Pedro Santos Guerreiro, intitulado “Passa por mim no Rossio”, alerta para a necessidade de termos os olhos abertos perante o que se está a passar.


Não sei o que iremos conseguir com estas formas de cidadania que estão a procurar inventar-se um pouco por todo o lado e também aqui, em Lisboa. O que sei é que a rua pode ser, e está a ser, o “espaço público” de que a democracia precisa para viver e crescer. A democracia, é preciso lembrá-lo, não nasceu no campo, nasceu nas praças de Atenas. E todos os grandes momentos de transformação social passaram pela rua.


Não podemos deixar que este “espaço público” nos seja roubado. Saberemos defendê-lo com convicção e civismo. Na rua e nas redes sociais, saberemos demonstrar o que queremos e o que não queremos. Fá-lo-emos também nas urnas. Chegará o dia em que os poderes instituídos, políticos, económicos ou mediáticos, terão se ser capazes de ouvir o clamor da rua – pela liberdade, pela democracia, pelo direito ao sonho e ao futuro.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Nem toda nudez será castigada




Por Leonardo Ferrari, psicanalista, Curitiba AQUI


O PAPA ESTÁ NU
Fotografia de Filippo Monteforte/Agence France-Presse-Getty Images in The New York Times, 26/5/2011.

Sem querer...querendo, o artista italiano Oliviero Rainaldi fez a melhor estátua sobre o Eu já realizada. À pedido da Igreja Católica, era para fazer uma estátua-homenagem ao Papa João Paulo II, recentemente canonizado. Um esboço foi aprovado pelas autoridades eclesiásticas e lá foi o artista com cinzel e martelo retirar da pedra o que não era pedra, à la Michelangelo. O resultado está à mostra em uma praça na estação de trem Termini de Roma – por um breve período de tempo. Ninguém gostou da escultura de Rainaldi – alguns mais radicais a compararam a um imenso mictório a céu aberto. Eu achei uma obra-prima. Sensacional!! Rainaildi esvaziou o Papa – e não só o Papa. Ele demonstra que no interior do Eu, naquilo que as pessoas adoram chamar de “íntimo”, nas “profundezas” do Eu, o que existe é o mesmo que no meio de uma cebola, após se tirar camada por camada: o nada. Daí o fato que se conhece bem na psicanálise: há que recobrir o nada com o manto do Eu, um manto tecido de identificações, de histórias da carochinha, de fábulas, importantíssimas, vitais em um determinado momento da vida, para dar suporte, dar o peso de uma armadura, dar uma roupa, dar uma falsa unidade, uma ilusória unidade a isso que chamamos de Eu e que, no resto da vida, pode se tornar um imenso fardo de carregar, pesado demais, chato demais, incômodo demais. É por isso que Freud comparou uma análise a uma cirurgia, uma operação de subtração. É o que Rainaldi mostra em sua obra: o Eu está nu debaixo da capa. Ora, a nudez que assusta o Vaticano desta vez não é a sexual. Se trata de uma nudez mais radical. A nudez do Eu.

O esboço aprovado. Fotografia Jpeg in Corriere della Sera, 24/5/2011.

Estou, estamos rorrizados



Do Blog de Roberto Romano



Câmara aprova pena alternativa que pode beneficiar Jaqueline Roriz
Com mudança, deputada investigada no Conselho de Ética teria punição mais branda
26 de maio de 2011 13h 40

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

O plenário da Câmara aprovou nesta quinta-feria, 26, um projeto de resolução que institui penas alternativas que poderão ser aplicadas pelo Conselho de Ética da Casa como opções mais brandas para punir parlamentares que cometerem irregularidades. Com isso, o colegiado poderá, por exemplo, optar por aplicar a suspensão em vez de cassação para parlamentares investigados. A mudança pode beneficiar a deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF), sob investigação no Conselho por ter aparecido em gravação recebendo um pacote de dinheiro do delator do mensalão do DEM, Durval Barbosa.

O texto aprovado em plenário foi uma emenda de autoria do presidente do Conselho, José Carlos Araújo (PDT-BA), acatada pelo corregedor da Casa, Eduardo da Fonte (PP-PE). Como o projeto já foi promulgado, passa a valer a partir de sua publicação no Diário Oficial, o que deve ocorrer amanhã.

A partir de agora, o Conselho poderá optar pela suspensão de prerrogativas parlamentares, suspensão do mandato ou cassação. Em casos considerados mais leves, a Mesa da Câmara poderá optar pela aplicação de censura, escrita ou verbal, aos deputados denunciados, sem encaminhar o caso ao Conselho.

“Este projeto deve ser usado já no caso Jaqueline, mas acho que quanto às penas não deve ter impacto porque o relator já está com seu trabalho pronto. Então, teria que derrubar o relatório e aí propor a pena alternativa, acho improvável isso, mas realmente pode acontecer”, disse Araújo.

O texto foi votado de maneira simbólica e é fruto de um acordo entre os líderes. Ao encaminhar a votação, o vice-líder do governo, Osmar Serraglio (PMDB-PR), usou justamente a gradação de penas para apoiar o projeto. “Hoje vai da pena em demasia ou leve em demasia”, argumentou.

Outro benefício para os parlamentares investigados é a possibilidade de um simples recurso à Comissão de Constituição e Justiça suspender a decisão do Conselho. Atualmente, o deputado pode até recorrer à CCJ, mas a ação não suspende a posição do Conselho. Para a cassação ou aplicação de qualquer pena ao deputado, a manifestação final continua sendo do plenário da Casa
.

O Inflado infla...

O dono do poder ...

Braziu!

Braziu!

Arquivo do blog

Marcadores